App Strava foca no mercado brasileiro

App Strava foca no mercado brasileiro

SILVIA HERRERA

18 Junho 2018 | 14h01

Empresa americana convoca o brasileiro Guilherme Guimarães, ex-Twitter, como novo executivo para liderar suas operações por aqui. #BlogCorridaParaTodos #corridaderua #tecnologia

No Brasil três milhões de pessoas utilizam o Strava para monitorar suas atividades esportivas, seja para corrida de rua ou para pedalar. A meta é atingir três vezes este número e para isso a marca está abrindo um escritório verde e amarelo. O Brasil é o terceiro mercado mundial, atrás de EUA e UK.  “A decisão de abrir a operação por aqui foi fácil, pois o país tem uma grande importância para a empresa, com aproximadamente 10% do número de usuários total da plataforma. Nosso objetivo é acelerar o crescimento, oferecendo uma experiência ainda melhor para o atleta brasileiro”, conta o Gerente Geral para o Strava Brasil, que é formado em Publicidade e Propaganda e Jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e é mestre em Gestão do Esporte pela Universidade de Sheffield (Inglaterra).

Este app, que é também uma rede social,  conecta milhões de pessoas ativas todos os dias. No mundo são 30 milhões de usuários. Todo tipo de atleta pertence ao Strava, não importa onde more, qual esporte ame ou qual dispositivo use. De acordo com as informações extraídas da rotina dos atletas, a plataforma consegue gerar estatísticas bem interessantes. Por exemplo, com base nos dados dos corredores que fizeram a Maratona do Rio de Janeiro em 2017, mulheres mantêm ritmo de corrida melhor (pace) do que homens. Outra informação que reúne dados dos treinos dos corredores aponta que a faixa etária entre 50 e 59 anos foi a de pessoas mais comprometidas nos treinamentos (464 quilômetros nas 13 semanas anteriores à maratona). Já a faixa etária de 18 a 29 anos foram os menos comprometidos em treinamento (367 quilômetros nas 13 semanas antes da maratona), o que representa mais de 21% de diferença.

Um estudo independente recente da Glasgow Caledonian University com mais de 8 mil atletas que usam o Strava teve resultados notáveis: 69% relataram que o uso do Strava teve um impacto positivo em sua felicidade, e 83% disseram que o Strava melhorou sua motivação para o exercício. #GiveKudos é uma continuação de uma inspiração que começou com a campanha #AthletesUnfiltered (#AtletasSemFiltro, em tradução livre), destacando os valores da comunidade do Strava e o espírito de união do esporte.  “Este estudo é bem interessante por demonstrar que a pessoa que pratica atividade física é mais feliz”, observa Guimarães.

Na prática, o que vai mudar para o atleta brasileiros com a vida do Strava para o Brasil, é que o atleta brasileiro vai ser tratado como ele merece. “Dentro do Brasil há vários ‘brasis’, e os corredores do Norte têm hábitos diferentes dos do Sul, vamos estar atentos a todas essas nuances”, garante Guimarães. Ele explica que a área gratuita do app é bem robusta e que o grande diferencial da premium é a segurança. “O usuário elege quem pode acompanhar seus treinos remotamente, que vai acompanhar o corredor em tempo real”, explica.

Strava em números

  • 25 atividades carregadas no app a cada segundo, 15,3 milhões a cada semana
  • Mais de 300 celulares e dispositivos de GPS compatíveis
  • Mais de 145 funcionários, a maioria em San Francisco (EUA), além de Hanover (ALE) e Bristol (ING)
  • Mais de 1.100 atletas profissionais estão no Strava
  • 1 milhão de atletas entram na comunidade a cada 30 dias
  • 2,3 bilhões de kudos (nossos likes) feitos entre atletas no ano passado
  • R$ 15,90 por mês para aproveitar ao máximo o seu esporte com uma conta Premium, ou R$ 162,90
  • Mais de 130 cidades que usam o Strava Metro para melhorar a mobilidade

 

Mais conteúdo sobre:

tecnologiacorrida de rua