Celebre o Dia da Síndrome de Down correndo

Celebre o Dia da Síndrome de Down correndo

SILVIA HERRERA

11 de março de 2017 | 07h30

Para marcar a data, domingo 19 de março a partir das 7h, acontece na região do Pacaembu, na capital paulista, a terceira Corrida e Caminhada Pela Inclusão, promovida pelo Instituto Olga Kos (IOK) de Inclusão Cultural. São esperados 10 mil pagantes e quatro mil beneficiários do IOK. Há duas modalidade de corrida: 10k e 5k; e a caminhada tem 4k.

image004

Marcia Cristina Lopes dos Santos é mãe de um menino que tem Síndrome de Down. Ela participa com ele todos os anos da caminhada. “É sempre muito bom, porque além de ser saudável, conhecemos outras pessoas”, conta.

Segundo a assessoria de imprensa do IOK, a ideia de organizar uma corrida surgiu para marcar e conscientizar a sociedade sobre a causa. Na primeira edição foram 6 mil participantes, incluindo beneficiários do instituto e seus acompanhantes. “Apesar do grande número de interessados, esta primeira edição foi realizada sem Lei de Incentivo, o que não nos permitiu ter mais participantes”, explicam. Na segunda, foram 10 mil inscritos pagantes e mais 3 mil beneficiários diretos e acompanhantes. O dia Mundial da Síndrome de Down é em 21 de março.

Como agora a corrida é realizada por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, não é possível cobrar valor superior a R$ 20, recurso esse obrigatoriamente destinado aos custos para a realização da corrida. Todo a receita que entra com as inscrições é para realizar a prova. Com esse valor pra lá de competitivo as inscrições se esgotaram rapidamente, mas vale ir para prestigiar o participantes.

Mesmo não tendo aulas de corrida no IOK, que centraliza o foco das atividades físicas nas artes marciais com metodologia aplicada de forma adaptada, ou seja, respeitando as singularidades de cada participante e do grupo – durante as oficinas que antecedem o evento, a equipe prepara os participantes no aspecto da ansiedade, uma vez que eles participam da caminhada., na qual é possível que eles consigam interagir com outros inscritos e entre eles, e este é um momento de grande troca. Entre os professores há cinco corredores, que vão participar das modalidades de 5k e 10k. E este ano está confirmada na caminhada o ginasta Ângelo Assumpção, que já participou de uma sessão de fotos para o calendário de 2016.

O filho de Márcia Cristina pratica caratê. “São vários os benefícios com a atividade física, a começar pelo equilíbrio corporal, pois antes ele caia muito. Também ajudou muito também na disciplina, o carinho e atenção com a família aumentou”, explica. Ela ressalta a organização do IOK, a atenção com todas as crianças e familiares e o amor que colocam para fazer aquilo que sabem.

Márcia destaca também que depois que o filho começou a freqüentar o IOK, ele ficou muito mais feliz. “ Ele fica todo orgulhoso quando diz que faz caratê, diz a todos que já é faixa laranja com azul, sente-se satisfeito e importante”, afirma.

No Brasil, estima-se que 300 mil pessoas têm Síndrome de Down, 30 mil delas em São Paulo. A data é comemorada desde 2006 e sua importância está no fato de reconhecer que o indivíduo com Síndrome de Down merece respeito, garantia de direitos e oportunidades de inclusão social.

Todos os inscritos na Corrida e Caminhada Pela Inclusão vão receberão um kit com camiseta, squeeze, toalha e sacola. Os três primeiros colocados de cada modalidade, nas categorias masculina e feminina, serão premiados com troféus. Quem completar a prova também receberá um kit com fruta, uma bebida hidratante e medalha.

16711784_698848336942656_5930628640155221631_n

Serviço:

Corrida e Caminhada Pela Inclusão Olga Kos – Ano III

Data: 19/3/2017

Local: Praça Charles Miller, Pacaembu – São Paulo, SP

Horário: 7h – largada da corrida 5k; uma hora depois largada dos 10k da corrida e da caminhada.

Entrega de kits: dias 16, 17 e 18 – das 11h as 21h no G7 Blobo A (Av Francisco Matarazzo s/n)

Informações: www.institutoolgakos.org.br

 

Sobre o IAK

Fundado em 2007, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural é uma associação sem fins econômicos, com qualificação de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), que desenvolve projetos artísticos e esportivos, aprovados em leis de incentivo fiscal, para atender, prioritariamente, crianças, jovens e adultos com deficiência intelectual. Além disso, parte das vagas dos projetos é destinada a pessoas sem deficiência, que se encontram em situação de vulnerabilidade social e residem em regiões próximas aos locais onde as oficinas são realizadas.

 

Tudo o que sabemos sobre:

síndrome de down

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.