Chapada dos Veadeiros e Milagres são os destinos do Bota Pra Correr 2022

Chapada dos Veadeiros e Milagres são os destinos do Bota Pra Correr 2022

SILVIA HERRERA

07 de junho de 2022 | 11h04

Imagine correr em um asfalto lisinho com vista para um chapadão em Goiás, e na companhia de araras e tucanos. Ah, não gosta da Chapada dos Veadeiros? Que tal correr à beira mar em uma das praias mais bonitas de Alagoas, São Miguel dos Milagres, também no asfalto lisinho terminando na praia? Não é Fake News, a Olympikus divulgou, na segunda à noite, que o circuito Bota Pra Correr está de volta no segundo semestre com duas etapas, uma em cada um desses paraísos, com percursos de 10km e 21km.

Primeira etapa do Circuito Bota Pra Correr foi no Jalapão, em 2019

No evento fechado para imprensa, influencers e clientes, na Casa do Atleta, o diretor de Marketing da Vulcabras, Márcio Callage, abriu falando que a Olympikus vive um grande momento. “No primeiro semestre lançamos três modelos de tênis, patrocinamos a Maratona de São Paulo, isso mostra que estamos num ritmo muito forte, de uma marca que quer ocupar de fato um lugar muito especial, não só na cabeça, mas no coração dos corredores. Hoje a Vulcabras reconhece a potência da comunidade da corrida brasileira. E como o corre não para, vamos para o segundo semestre com o Bota Pra Correr”, afirmou Callage. Ele acrescentou que são poucos os países do mundo que têm uma marca esportiva nacional capaz de competir com as internacionais. “Estamos vivendo um momento muito especial, e a comunidade dos corredores faz parte disso. São 16 mil colaboradores, são 15 milhões de pares de tênis por ano, temos o maior centro de desenvolvimento da América Latina. Isso mostra um pouco da nossa união, e da nossa missão: promover o esporte e a saúde”, acrescentou.

Márcio Callage, diretor de Marketing da Vulcabras, lançou o Bota Pra Correr 2022

A marca conseguiu entrar no mundo da alta performance com o Grafeno, que esgotou em dois dias, e o Corre Vento. Mas há modelos de preços bem acessíveis para a realidade do Brasil, para que todos possam a começar a correr e caminhar. No evento estavam três atletas da elite: Andrezinho, Marilson e sua esposa Juliana. Marilson está morando em Santo André, e hoje atua como a treinador. Tomara que a marca os convide para o Bota Pra Correr, ter a convivência com eles nas etapas seria um baita diferencial.

Marílson dos Santos e Andrézinho marcaram presença no lançamento do Bota Pra Correr

As inscrições estão abertas no site da Olympikus para quem já participou das edições passadas, pré-inscritos e moradores dos estados de Goiás e Alagoas, no e-commerce da marca. Para o público começa dia 8 de junho na plataforma TicketSports. No kit vai vir até o tênis Corre 2. No primeiro lote, a inscrição custa R$ 550, para cada uma das etapas. E tem combo – R$ 750 para correr as duas etapas. Apenas a título de comparação, só o Corre 2 custa nas lojas R$ 499,99.

Na Chapada o evento será dia 6 de agosto, e em Alagoas, dia 22 de outubro. No site há os mapas dos percursos, dicas de como chegar nesses destinos e de hospedagem. Só podem participar maiores de 18 anos, e na 10km, acompanhado de responsável e autorizador do organizador, maiores de 16 anos. As inscrições para Chapada dos Veadeiros terminam em 31 de julho, ou antes se esgotarem. E para Alagoas, é até 10 de outubro. E os três vencedores, masculino e feminino, vão ganhar troféus. Não há premiação em dinheiro.

 

Kit do Bota Pra Correr incluí o Corre 2

A diretora técnica da prova é a Shubi Guimarães, da Icon Sports, pedagoga e corredora de aventura, faz campings maravilhosos para a criançada, onde envolve natureza e educação, e é super exigente sempre vendo o lado corredor. Ou seja, independentemente do nível técnico, serão corridas nas quais tudo será planejado nos mínimos detalhe, oferecendo a melhor experiência para o corredor. Participei do treinão no Rio dos Ventos, organizado pela Shubi, e tudo foi 100%.  Foi memorável. Em 2019, aconteceram  etapas do Bota pra Correr no Jalapão, Pantanal e Alter do Chão.

O Kit, além do tênis, tem viseira, copo de silicone retrátil (para a hidratação), camiseta, gym sack cadarço personalizado, peitoral/chip e medalha para todos os concluintes. Aliás, outro diferencial desse circuito, que teve a pré-estreia em Fernando de Noronha, na prova do seu René, é incluir a comunidade dos corredores do local, e não deixar nenhum tipo de lixo ou impacto na natureza desses delicados paraísos brasileiros.

Confira abaixo entevista com a Shubi sobre a etapa Rio do Vento, a partir do minuto 13.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.