Circuito Onde Está Wally terá segunda edição em 2020

Circuito Onde Está Wally terá segunda edição em 2020

Doze mil pessoas participaram das três etapas da estreia no Brasil da corrida do personagem criado por Martin Handford

SILVIA HERRERA

28 de outubro de 2019 | 13h44

Trazida ao Brasil pela empresa mineira Ponto Org, com a chancela do departamento de franchise da NBC Universal, a Onde Está Wally? Walk & Run teve etapas em São Paulo (agosto), Belo Horizonte (agosto) e Rio de Janeiro (outubro) reunindo no total 12 mil pessoas,  que fizeram questão de usar o kit de participação entrando na brincadeira de viver a experiência de ser Wally por uma manhã. Por conta do sucesso, a organização acaba de confirmar a segunda edição da Wally em 2020! #corridaconceito #ondeestaWallyRun #blogCorridaParaTodos

Onde Está o Wally? Walk & Run teve largada no Theatro Municipal carioca/Foto: Carolina Salermo/Divulgação

Quem tem mais de 30 anos sabe como é divertido procurar Wally, personagem criado pelo ilustrador britânico Martin Handford, em cenários hiper detalhados e coloridos. Ele é um turista que viaja os quatro cantos do mundo, sempre trajando camiseta listrada de branco e vermelho, gorro com a mesma estampa e óculos com aro grande redondo. Depois dessa corrida, com certeza a criançada que participou já está engrossando o time dos fãs do Wally.

Cristina Leme, diretora geral da Universal Licenciamento do Brasil, conta que este projeto com a Ponto Org se iniciou há dois anos e foi a concretização de um sonho – a realização da primeira corrida da Universal no Brasil. “Foi o máximo ver esta quantidade gigante de Wallys pelo parque, e o frio ajudou, todo mundo vestiu o traje completo com o gorro e a blusa de manga comprida; foi uma grande diversão para todos, dava para ver no rostos das pessoas a alegria de ser o Wally, se vestindo como este personagem”, destaca.

A corrida já existia nos EUA, onde Wally recebe o nome de Waldo, e na Inglaterra também. Por aqui o formato diferenciado agradou a galera estreante em corridas e as famílias, maioria em peso dos participantes. Assisti a etapa paulistana, na manhã 4 de agosto com  7 graus de temperatura, no Parque Villa-Lobos. São várias baterias de 160 pessoas, cada. Assim é evitada aquela muvuca inicial da largada. Na hora da inscrição, a pessoa escolhe o horário da bateria que vai correr, chega 30 minutos antes, e pronto.

Em SP, a corrida foi no Parque Villa-Lobos

As duas primeiras baterias são chamada de elite – masculina e feminina. para a galera focada em performance. E o pessoal voou baixo mesmo em Sampa. Na elite masculina venceu Diego da Silva Cordeiro, de 29 anos, com o tempo de 16 minutos e 7 segundos. No feminino foi Priscilla Lages Pradines, 37 anos, com 18 min e 26 segundos. Em segundo chegou uma das corredoras amadoras mais conhecidas do Brasil: Ana Luiza “Animal” Garcez, com o tempo de 18 minutos e 59 segundos. “Adoro o Wally e gostei muito do kit com a roupa do personagem”, contou Animal, que correu de top e shorts, mas fez questão de subir ao pódio vestida de Wally.

Há 8 painéis no trajeto da corrida

Depois dessa bateria, a galera vai no corre, anda e para. No caso, a parada era para procurar o Wally em oito painéis gigantes ao longo do percursos. Uma das famílias mais animadas era a Pavani. Pai, mãe, dois filhos (4 e 11 anos) e a avó se divertiram muito. “Muito boa a corrida, bem diferente de tudo que tem em São Paulo, capricharam para receber bem as famílias”, destacou Marcos Pavani, o “pai”. Depois a caminhada de 2k fecha a atividade física, por que depois tem show na área de concentração. Em São Paulo participaram seis mil pessoas.

Em Belo Horizonte a corrida foi no tradicional point de corredores, a Lagoa da Pampulha, em 18 de agosto, com duas mil pessoas. E fechou o circuito o Rio de Janeiro, com a participação de quatro mil pessoas. Fez frio e até garoou, mas a galera curtiu bastante. A largada foi em frente ao Theatro Municipal, na Cinelândia.

Não há premiação em dinheiro, é um evento com carácter recreativo, para descolar a criançada dos eletrônicos, curtir com a família e amigos. Como em todas as corridas e caminhadas, na chegada os concluintes recebem medalhas de participação, e os campeões da elite e das categorias por idades, medalhas especiais. De repente, para 2020, fazem troféus, tenho certeza que a galera iria amar.  Realmente é uma vibe diferente ver milhares de Wallys reunidos num domingo de manhã para correr uma 5K. Que venham a edição 2020!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.