Contagem regressiva para a São Silvestre

Contagem regressiva para a São Silvestre

Vai encarar a São Silvestre? Confira algumas dicas e informações importantes

SILVIA HERRERA

14 de dezembro de 2019 | 12h31

Correr 15 km, com direito a subida da Avenida Brigadeiro Luiz Antonio. no último dia do ano é uma tradição que completa 95 anos na capital paulista. Inicialmente era realizada à noite, depois foi largando cada vez mais cedo, e passou definitivamente para a manhã. Tem gente que vai na caminhada, outros pagam promessas, tem africanos com sede de vitória, fantasiados, canelas finas de todas as partes do mundo. Esta é a corrida que todo mundo quer fazer pelo menos uma vez na vida. Pode-se até dizer, que é o carnaval da corrida de rua – para o bem e para o mal. Mas, uma coisa é certa, é bom estar preparado e treinado para o desafio. Confira as dicas e informações abaixo. #SãoSilvestre #corridaderua #BlogCorridaParaTodos

São Silvestre chega a 95ª edição

Este ano vão ser 35 mil corredores. E atenção, se o máximo que você correu na vida foi 5km – a São Silvestre é três vezes maior e com uma altimetria singular. E é aí que mora o perigo, pois há riscos de lesões e até passar mal no meio da corrida. A turma do 10 km é bom intensificar os treinos também. Ainda há tempo. Confira abaixo algumas orientações importantes.

O professor de educação física Marcus Vinícius Mattos e a nutricionista Luciana Sarmento, ambos do Espaço Stella Torreão (RJ), dão dicas preciosas que devem ser seguidas para você se preparar para prova. Além disso, o médico ortopedista Christiano Cinelli fala de como o tratamento de crioterapia é eficaz na recuperação muscular pós São Silvestre.

Atenção para o coração – De acordo com Marcus Vinícius, o ideal é sempre fazer um check-up cardiológico antes de iniciar seus treinos a fim de prevenir qualquer intercorrência. “Em um exame clínico de consultório, o médico poderá avaliar alguns parâmetros como frequência cardíaca, pressão arterial e eletrocardiograma em repouso. Ele poderá solicitar também exames mais conclusivos como ecocardiograma e teste de esforço, com o objetivo de investigar possíveis alterações cardiovasculares”, afirma o educador físico.

Treinos pré-prova – “Como a São Silvestre é uma prova longa, o período de treinamento adequado fará toda diferença no grande dia. É recomendado estar treinando na rua, pois apenas o exercício na esteira não permitirá administrar seu ritmo ideal, já que existe uma grande diferença entre treino dentro da academia e na rua”, frisa Marcus. O ideal é fazer treinos contínuos, mantendo praticamente a mesma velocidade constante que será feita no dia da São Silvestre. Isso ajudará a manter o ritmo e na adaptação do clima (calor). “Outra dica é treinar em ladeiras, pois o final da prova o atleta encontrará a famosa “subida da Av. Brigadeiro Luis Antonio”, um trecho de pouco mais de 2 kms de inclinação constante, e quem não treina nesse tipo de terreno pode sentir uma dificuldade extra em completar a prova”, exalta Mattos. Fora que a subida engana, quando você acha que terminou, na verdade chegou na metade. Por fim, a última semana de treinos deve ser de leve a moderada intensidade, para que o atleta chegue no dia da prova recuperado e descansado.

Alimentação Durante o jantar, sua refeição deve ter em torno de 80% de carboidrato com pouca quantidade de proteína. “É importante aumentar o depósito de glicogênio muscular comendo carboidrato para ter reservas durante a corrida”, alerta Luciana Sarmento, nutricionista do Espaço Stella Torreão. Exemplos de alimentos com fontes de carboidratos: cereais (macarrão, arroz, quinoa, milho, aveia, amaranto), frutas, sucos e mel, legumes (cenoura, beterraba, chuchu, abóbora), hortaliça C (batata doce, aipim, inhame), pães. Evite alimentos que causem gases e desconforto gástrico, como feijões e repolho.

Opções:

Opção 1: Macarrão com molho de tomate e carne moída + salada de beterraba com cenoura + suco de melancia.

Opção 2: Salada de quinoa com frango desfiado, damasco e cenoura + suco de uva.

Opção 3: Purê de inhame + peixe grelhado + salada de tomate, alface e chuchu + suco de beterraba com cenoura.

No café da manhã o recomendado é combinar carboidratos com proteínas. Evite frutas laxativas (mamão, ameixa) e alimentos que possam acelerar o trânsito intestinal como kefir, leite, excesso de gordura e alimentos muito açucarados. “Não consuma alimentos de difícil digestão, faça a refeição em média duas horas antes da prova e não experimente nenhum tipo de bebida ou comida diferente do habitual”, alerta a nutricionista.

Opções:

Opção 1: suco de melancia + pão integral com queijo cottage e geleia de damasco

Opção 2: iogurte com frutas secas e castanha + suco de beterraba com laranja

Opção 3: tapioca com queijo minas curado, orégano e tomate + suco de uva

15 minutos antes da largada:  utilize bananada ou damasco ou rapadura ou gel de carboidrato com água por serem de fácil e rápida digestão.

Reposição de carboidratos: deve ser feita a cada 40 – 45 minutos ou a cada 6 a 10 km. Recomenda-se 30 a 60g de carboidrato por hora de atividade.

Em relação à hidratação, nos dias que antecedem a prova: 40ml\ kg de peso\ dia. Por exemplo: uma pessoa de 60 kg deve ingerir 2,4 litros de água. Faça a hidratação de maneira correta, o ideal é tomar líquidos antes ou depois da refeição, para não causar sensação de inchaço e indigestão.

Tratamento que auxilia a recuperação muscular – Para aliviar o cansaço nas pernas e as dores musculares após a corrida, aposte no novo tratamento de Crioterapia. A novidade acabou de chegar ao Brasil e são pouquíssimos locais que oferecem esse tipo de terapia. A Cryo Care é uma câmara de nitrogênio, aprovada pela ANVISA, e é capaz de reduzir dores corporais e processos inflamatórios, acelerar o processo de reabilitação, diminuir ansiedade e fadiga, aumentar a energia e eliminar toxinas. “Em uma única sessão, que dura de um a três minutos, o corpo é exposto a uma névoa de nitrogênio em baixa temperatura que vai de -110 a -190 graus. A temperatura da pele é rapidamente diminuída através de curtos choques, estimulando assim a cicatrização e recuperação, além de liberar adrenalina dentro da circulação sanguínea, o que aumenta a frequência cardíaca, força muscular e pressão sanguínea”, explica o médico ortopedista Christiano Cinelli, da Care Club Ipanema. O método não tem contraindicações, pois trabalha com a ativação das defesas naturais do corpo, e por isso, é totalmente seguro. O curto período em que fica exposto ao frio não afeta sua temperatura corporal central.

Tratamento na câmera de nitrogênio

ENTREGA DO KIT – O local da expo e da entrega do kit será no Palácio de Convenções do Anhembi, na Zona Norte de São Paulo, localizado na Avenida Olavo Fontoura, 1.209 A organização mudou o local, que era no ginásio do Ibirapuera, para dar mais opções e comodidade aos atletas, bem como evitar demora e filas no atendimento. Vão ser quatro dias: de 27 a 30 de dezembro.  Atenção, dia 31 de dezembro cai numa terça-feira.  Nos dias 27, 28 e 29 de dezembro, o entrega dos kits e a expo vão rolar das 9h às 20h, e no dia 30 de dezembro de 2019, das 9h às 16h. Não haverá entrega de kits no dia da prova nem mesmo após a mesma, conforme regulamento.

Entrega do kit da São Silvestre será no Anhembi

DIA DA CORRIDA – só terá acesso ao local da largada e da chegada os inscritos e com o número de peito ficado em local visível, não pode colocar nas pernas, ou na lateral do shorts.A largada é na Avenida Paulista, altura do número 2.000. E a chegada em frente ao prédio da Gazeta, no número 900. A corrida será transmitida ao vivo pela Rede Globo e pela TV Gazeta. A primeira largada será às 7h25 – cadeirantes feminino. E o Pelotão Geral, às 8h05. Programe-se para chegar ao menos às 7h. Se puder chegar antes, melhor ainda. E a premiação este ano está melhor. Os campeões da elite (masculino e feminino) vão embolsar R$ 94 mil! Segundo lugar leva R$ 47 mil e terceiro, R$ 27 mil. Há premiação em dinheiro para a elite até o 10º lugar, totalizando R$ 461 mil.  Para o pelotão geral/amador haverá troféus para os cinco primeiros e para as cinco primeiras. Como a inscrição custava R$ 197,50, se todos tivessem se inscrito com esse valor –  os recursos totalizariam R$ 6.912.500,00.  Que seja metade disso, já seria uma das corridas mais rentáveis do Brasil. quiça a mais rentável, já que o kit – apesar do valor padrão Track & Field Run Series – é do nível da São Silvestre mesmo….. Mas a medalha é lindona e o clima da corrida, sem igual.

Tudo o que sabemos sobre:

corrida de São Silvestrecorrida de rua

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.