COVID-19: marcas esportivas nos EUA fabricam equipamentos de proteção individual

COVID-19: marcas esportivas nos EUA fabricam equipamentos de proteção individual

Nike, New Balance e Under Armour entraram na guerra contra a pandemia

SILVIA HERRERA

08 de abril de 2020 | 12h00

Já são mais de dez mil mortes por coronavírus nos EUA e cerca de 350 mil casos, e os números não param de aumentar. E como por aqui, há falta de equipamentos de proteção individual (EPI) para as equipes médicas se protegerem da contaminação. Pensando nisso e procurados por hospitais universitários, Nike, New Balance e Under Armour começaram a fabricar esses equipamentos, que começam a ser vendidos a preço de custo e até doados, dependendo do caso.

Under Armour está fabricando máscaras

A gigante Nike tem trabalhado em conjunto com o Oregon Health & Science University (OHSU). O quartel general da marca é em Portland, cidade do estado do Oregon. Estão desenvolvendo proteções faciais (EPI) e as lentes para o equipamento completo (PAPR), aquele traje que parece uma roupa especial. A universidade compartilhou o modelo dos equipamentos  e a Nike adaptou o projeto, utilizando matéria prima que tinha a disposição, para os calçados e roupas. “Sem a proteção facial adequada, os profissionais de saúde correm um risco maior de contrair o vírus”, alerta Miko Enomoto, professor da OHSU.

Nike está fabricando proteção facial

A proteção facial é usada por cima da máscara N95. As três partes do escudo facial da Nike se reúnem em um processo simplificado de nove etapas. Isso foi formalizado através de um esforço colaborativo entre as equipes de inovação da Nike e os grupos de manufatura nas instalações da Air Manufacturing Innovation (Air MI) da Nike em Oregon e Missouri. O mesmo TPU usado na proteção facial é usada nas lestes dos capacetes de PAPR. A primeira remessa já foi entregue no dia 3 de abril aos hospitais de todo estado do Oregon.

Com sede em Boston (Massachusetts), a New Balance pretende fabricando máscaras. A marca entrou em contato com profissionais de saúde, que encaminharam um protótipo para ser testado na fábrica. A meta é fabricar cem mil máscaras por semana. Em comunicado oficial,  a marca explicou que “a crise global da saúde COVID-19 motivou indivíduos e organizações a compartilharem conhecimentos e recursos para resolver novos e extraordinários desafios.  O equipamento está sendo aprovado pelo FDA, e assim que isso ocorrer, começarão a fabricação. E estão desenvolvendo também um equipamento para proteger os pés dos profissionais da saúde. A New Balance pretende ajudar as equipes médicas nos estados de Massachusetts e Maine, onde estão localizadas as fábricas. Ressaltam que não se trata de uma oportunidade comercial.

New Balance pretende fabricar cem mil máscaras por semana

Em Baltimore (Maryland), a Under Armour corre contra o tempo para ajudar nessa guerra.  “Quando recebemos as ligações dos médicos locais para obter mais máscaras, vestidos e kits de suprimentos, acabamos indo direto ao trabalho”, disse Randy Harward, vice-presidente sênior de inovação de materiais e fabricação da Under Armour. Antes de iniciar a produção, testaram 20 modelos.  O design vencedor é em peça única com dobras no estilo origami que não exige costura. O fator de não ter costura foi importante, pois permitiu à equipe produzir máscaras muito mais rapidamente. A primeira entrega foi em março: 1.300 máscaras. A meta são cem mil máscaras por semana.

Under Armour focou toda a produção em EPIs

O objetivo é atender 28 mil profissionais de saúde do University of Maryland Medical System (UMMS). Além disso, a Under Armour está atualmente estudando atender  o Johns Hopkins Medicine, MedStar, LifeBridge e outras instituições médicas locais.

Por outro lado, a marca anunciou que demitirá temporariamente os funcionários de suas 188 lojas na América do Norte, fechadas desde 16 de março, e demitirá cerca de 600 funcionários em seus centros de distribuição e os executivos  terão um corte de 25% no salário. 

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírusNikeNew Balanceunder armour

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: