Definido o protocolo para realização de corridas de rua

Definido o protocolo para realização de corridas de rua

Confira as regras de proteção a serem seguidas no Estado de São Paulo

SILVIA HERRERA

23 de agosto de 2020 | 12h28

 A partir de setembro as corridas de rua devem retornar, gradualmente, ao calendário esportivo do Estado de São Paulo. Neste sábado, 22 de agosto, foi publicada extensa e detalhada resolução com o protocolo de segurança sanitária para a realização das corridas de rua. Documento assinado pela Federação Paulista de Atletismo (FPA) e a pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE).

Protocolo exige distanciamento de 2m

O presidente da FPA, Joel Lucas Vieira de Oliveira, explica que alguns organizadores já procuraram a entidade e as primeiras provas seguindo este novo formato devem iniciar em setembro. Vale lembrar que cada município é quem libera  ou não o evento e as secretarias municipais de saúde podem acrescentar mais regras.  Mas, sem dúvida,  a publicação do protocolo é um passo fundamental para a realização das provas.

Todos  os eventos esportivos em pista, grama ou rua estão suspensos desde março no Estado de São Paulo. Com o atual cenário de reabertura gradual a FPA vem pressionando as autoridades para que o atletismo e os eventos esportivos dessa cadeia retornem também.

Para a segurança de todos – atletas, equipe da organização e população- as recomendações tem que ser seguidas na íntegra.

O protocolo apresenta seis grupos e tem por objetivo  proporcionar a necessária segurança sanitária, bem como uma coordenação de iniciativas para adequação a este momento de exceção, onde não há vacina ou tratamento específicos para a COVID-19. Confira abaixo a íntegra.

1º COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO
a) Exibir em local visível, na entrada da competição, as informações das medidas de prevenção, a respeito da COVID-19, a serem cumpridas no evento, elencadas nos grupos III (proteção individual) e IV (proteção coletiva);
b) Realizar o registro de todos os atletas, participantes e colaboradores, através do preenchimento do Questionário Médico sobre COVID-19 (Anexo I);
c) A Organização da prova deverá encaminhar este Questionário à direção médica do evento, de imediato, para a devida análise e eventuais providências;
d) Um relatório final, acerca destes Questionários, deverá ser enviado à FPA;
e) Todos os participantes, no ato da retirada do kit do evento, devem assinar um Termo de Responsabilidade, onde manifestam ciência dos possíveis riscos de contágio da COVID-19, bem como dos demais riscos associados à participação na prova;
f) Organização e staffs devem ser orientados e treinados quanto às medidas de segurança e redução do risco de transmissão da COVID-19.

2º HIGIENIZAÇÃO E DESCONTAMINAÇÃO
a) Disponibilizar sabão líquido / ou água e sabão / o álcool em gel 70% aos competidores e a todos envolvidos;
b) Disponibilizar sabão líquido / ou água e sabão / ou álcool em gel 70% e papéis com folhas não contínuas, nos banheiros químicos e banheiros permanentes;
c) Demais medidas específicas serão abordadas nos grupos subsequentes.

3º  MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
a) Todos os competidores e demais presentes devem USAR MÁSCARA, durante todo o período do evento (ver exceções definidas nos itens 3, 4 e 5, abaixo), mantendo distanciamento mínimo interpessoal obrigatório de 2 metros, no período prévio à corrida, durante a competição, na dispersão pós evento, assim como na área de premiação.
b) Deve ser realizada a troca da máscara toda vez que estiver muito úmida, descartando as já utilizadas em lixeiras próprias, disponibilizadas e identificadas pela organização;
c) Para os competidores que apresentarem à organização testes de RT-PCR e IgM para COVID- 19, realizados até 72 horas antes do evento, sendo AMBOS negativos, será autorizada a retirada da máscara, após a largada, podendo competir sem esse acessório, voltando a colocar nova máscara depois de encerrar o percurso;
d) Competidores que tiverem RT-PCR positivo, mas com histórico de ter contraído a COVID-19 há mais de 14 dias, devem apresentar Atestado Médico informando sobre essa situação e liberando o atleta a participar do evento. Nesse caso, o corredor poderá retirar a máscara, após a largada, voltando a colocar esse acessório depois de encerrar o percurso;
e) Atletas com histórico de COVID-19 curada estarão autorizados a retirar a máscara, na largada, sem a necessidade de apresentação de testes (RTPCR e IgM), desde que tragam Atestado Médico informando sobre essa situação e liberando o competidor a participar do evento. Após encerrado o percurso, o corredor deverá colocar novamente uma máscara;
f) A retirada da máscara, durante a corrida, nos casos descritos nos itens 3, 4 e 5 acima, será permitida para estes citados competidores, salientando que poderão optar por permanecer com a mesma;
g) Nas localidades onde houver legislação obrigando o uso de máscara em ambiente público, a possibilidade de retirada deste acessório durante a corrida, supracitada nos itens 3, 4 e 5, apenas poderá ocorrer na vigência de autorização especial, emanada pelo poder público competente;
h) Corredores que apresentarem RT-PCR positivo ou IgM positivo para COVID-19 serão impedidos de participar do evento, devendo ser orientados a procurar atendimento médico para confirmação e acompanhamento de seu quadro clínico; 9. Os resultados de testagem e/ou Atestados Médicos, acima mencionados, deverão ser entregues à coordenação médica da prova, através de meio eletrônico estabelecido pela organização do evento, até 24 horas antes do evento;
i) Para os demais atletas, sem a testagem prévia ou sem o Atestado Médico supracitados, o uso de máscara durante a corrida é OBRIGATÓRIO;
j) Para os atletas que deverão competir com máscara, a troca da mesma deverá ocorrer OBRIGATORIAMENTE em todas as “Aid Stations”, que estarão instaladas junto aos postos de hidratação;
k) Qualquer atleta que apresentar manifestações clínicas compatíveis com a COVID-19 (descritas no Questionário de registro), entre o ato de inscrição e a prova, não poderá competir, devendo procurar orientação médica;
l) Recomendar que os participantes tragam de casa sua hidratação, carregando-a junto ao corpo e sem nunca compartilhar os recipientes;
m) Nos postos de hidratação devem ser disponibilizados copos de água e/ou isotônicos em embalagem individual e lacrada, assim como orientar o não compartilhamento dos mesmos;
n)Orientar a lavagem das mãos até os punhos, com água e sabão ou higienização com álcool gel 70%;
o) Orientar a prática da etiqueta respiratória (ao tossir ou espirrar, não usar as mãos para cobrir o rosto, devendo utilizar a parte interna do braço; higienizar as mãos com frequência; não manipular a máscara pela parte frontal; além da já citada manutenção de distanciamento interpessoal mínimo de 2 metros);
p) Orientar para não realizar cumprimentos com aperto de mãos ou abraço, além de evitar tocar a própria boca, nariz ou olho.

4º MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA
a) Os eventos não devem disponibilizar guarda-volumes nem outros locais que possam provocar aglomeração;
b) Orientar que não se levem mochilas e/ou acessórios que demandem cuidados, com exceção de garrafas de água ou “squeezes”, devido à não disponibilidade de guarda volumes nestes eventos;
c) Checar a temperatura dos participantes e equipe de trabalho antes de adentrarem o espaço reservado ao evento, não autorizando a entrada dessas pessoas se apresentarem temperatura acima de 37,5o;
d) Evitar aglomerações nos momentos antes e pós-corrida, mantendo a distância mínima de 2 metros recomendada; durante a corrida, respeitar essa recomendação de distanciamento, também evitando correr logo atrás de outro competidor;
e) As pessoas pertencentes a grupos de risco para COVID-19 (maiores de 60 anos; cardiopatas; hipertensos; doentes pulmonares crônicos; diabéticos; obesos; imunodeprimidos; portadores de outras doenças crônicas etc.) devem ser desaconselhadas a participar das corridas, durante a vigência da pandemia;
f) Orientar que todas as pessoas que tem cabelos compridos devem mantê-los presos;
g) Controlar o acesso aos sanitários, garantindo o respeito às normas de distanciamento anteriormente citadas.

5º ADEQUAÇÃO DOS LOCAIS E FORMAS DE PRÁTICA PARA COMPETIÇÃO
a) Os locais não devem usar cancelas ou catracas que obriguem o uso das mãos para permissão de entrada. Em caso de impossibilidade de desativação das existentes, a entrada do usuário deverá ser liberada por funcionário que utilize equipamentos de proteção individual;
b) Intensificar a frequência de higienização apropriada de superfícies de objetos com alto potencial de contaminação, como mesas, maçanetas, interruptores de luz, torneiras, corrimãos, pias, sanitários e pisos dos mesmos, entre outros;
c) Todos os fluxos dentro do local de competição devem ser unidirecionais;
d) Reduzir a quantidade de pessoas nos locais fechados, adequando o tamanho dos mesmos,
de modo a garantir 6m2/pessoa;
e) Não permitir o uso de áreas de convivência (espaço kids, salas de espera etc.) nem a
disponibilização de bebedouros para uso coletivo;
f) Devem ser disponibilizadas lixeiras coletoras de material infectante, devidamente
identificadas, ao longo do percurso, bem como nos locais de largada e chegada;
g) Todo o resíduo gerado, considerado infectante, deve ser descartado de maneira adequada, conforme legislação vigente;
h) Devem ser disponibilizadas máscaras: na largada, para participantes que eventualmente
tenham que trocar sua proteção e não tenham sobressalentes; nas áreas de troca
obrigatória durante a corrida (“Aid Stations”); e logo após a chegada;
i) Os profissionais envolvidos na organização do evento (produção; arbitragem; staff;
cronometragem; fotografia etc.) devem utilizar máscaras, face shield e/ou outros EPIs adequados às áreas de possível infecção durante o evento;
j)Disponibilizar profissionais para atuarem nos preparativos de largada, na partida propriamente dita, na chegada, zona de dispersão e de premiação, para orientar e garantir o respeito ao distanciamento interpessoal e evitar aglomerações;
k) Deverá ser assegurado atendimento apropriado a participantes portadores de necessidades especiais nos eventos, com horário exclusivo;
i) Reduzir ao mínimo as equipes técnicas que acompanham os competidores;
j) Ampliar as áreas de confirmação, entrada de atletas e controle de temperatura, de modo a garantir o distanciamento preconizado dos praticantes;
k) Evitar potenciais pontos de choque (aglomeração) durante o evento, como portões e entrada para largada;
l) Estabelecimento de Pelotão de Elite, que será o primeiro a largar, sendo que todos os seus integrantes precisam estar testados/liberados, respeitando o distanciamento mínimo de 2 metros entre os participantes;
m) Realização de largada das provas em formato de “ondas”, com os demais pelotões devendo largar em subgrupos (blocos) determinados previamente pela organização, de forma intermitente;
n) A sequência de largada de todos os blocos deve respeitar a separação entre testados e sem testagem, com os subgrupos de não testados sendo os últimos a largar;
o) Os corredores testados/liberados e os sem testagem devem receber e portar identificação visível desta sua condição (por exemplo, disponibilização de pulseiras de cores diferentes);
p) A quantidade de corredores a ser estabelecida para cada subgrupo de largada deve ser compatível com as dimensões da área de partida e respectiva logística viável de distribuição dos integrantes de cada bloco, assegurando a distância entre os integrantes de cada pelotão de, no mínimo, 2 metros;
q) Na área de largada, deve haver demarcação no chão, para posicionamento de cada atleta em seu subgrupo de partida, a fim de garantir o distanciamento mínimo preconizado entre os competidores;
r) Atenção especial para com os competidores que ainda estejam aguardando a formação de largada de seu bloco predeterminado, disponibilizando espaço físico apropriado para que não aglomerem e mantenham distanciamento interpessoal adequado;
s) Os pagamentos, inscrições, reuniões, conferências e congressos técnicos devem ser realizados através de plataformas virtuais, de modo a evitar aglomerações;
t) Certificar-se que antes, durante e logo após a competição, todos (atletas, staff, organização etc.) estejam cientes do protocolo de segurança e planilha de risco da OMS (anexo traduzido), divulgado no site e mídias oficiais da FPA, também disponibilizado e visível no local do evento;
u) As entregas de hidratação, alimentação, chips de cronometragem e/ou kits devem ser realizadas em embalagens individuais, devidamente higienizadas e desinfetadas, e entregues de forma a não provocar aglomerações;
v) Restrição das atividades de marketing a ações que não ocasionem aglomerações.

6º ÁREA MÉDICA E ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
a) A quantidade de profissionais, equipamentos, macas etc. deverá ser compatível com o número de competidores do evento, seguindo as recomendações do “American College Sports Medicine” (ACSM) publicadas, em português, na Revista Brasileira de Medicina do Esporte (Vol. 5, no 3 – Mai/Jun, 1999), páginas 114-115;
b) O número de ambulâncias deverá ser compatível com o número de competidores do evento, seguindo as recomendações do “American College Sports Medicine” (ACSM) publicadas, em português, na Revista Brasileira de Medicina do Esporte(Vol. 5, no 3 – Mai/Jun, 1999), páginas 114-115;
c) Devido à pandemia de COVID-19, a quantidade de ambulâncias deverá ser ajustada à necessidade de separação para atendimento exclusivo de atletas testados e sem testagem;
d) Todos os profissionais da equipe médica devem estar com os EPIs necessários e adequados (incluindo aventais, máscaras, óculos de proteção, face shield etc.);
e) A estrutura do departamento médico deve ser composta por, pelo menos, 2 tendas, com medidas e estrutura física adequadas, com divisória em cada uma delas, delimitando duas áreas distintas de atendimento, internamente (ver itens 4 a 9, abaixo);
f) Nesse período de pandemia, uma tenda será para competidores testados/liberados e a outra para os sem testagem, mantendo a prudente separação feita entre esses dois grupos, desde a largada;
g) O corpo médico e de auxiliares deve ser dividido em equipe para atendimento de pacientes testados e equipe para atendimento de não testados, não podendo haver intercâmbio de profissionais entre estas equipes;
h) Os equipamentos e materiais são de uso exclusivo de cada tenda, não sendo permitido o intercâmbio dos mesmos;
i) Em cada tenda, os atendimentos devem ser delimitados pela divisória nela existente, formando duas áreas internas distintas, de acordo com o nível de complexidade, ou seja, área azul e verde e área vermelha e amarela;
j) O local de atendimento de casos de maior gravidade (área vermelha e amarela), em cada tenda, deve conter macas com separação mínima de 1,5 metro entre elas;
k) A área de menor complexidade (azul e verde), em cada tenda, deve conter cadeiras plásticas para apoio aos atendimentos, respeitando o distanciamento mínimo de 2 metros entre elas;
l) Devem estar disponíveis, pelo menos, 2 pessoas da área de limpeza em cada tenda, devidamente paramentadas, a fim de manter a higienização adequada entre e durante os atendimentos médicos;
m) Deverá haver dispositivo de limpeza e secagem de calçados, tais como tapetes de descontaminação, na entrada da área médica.

 

Questionário para os corredores

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.