Eletroestimulação muscular, o treino do futuro

Eletroestimulação muscular, o treino do futuro

O ator Ricardo Pereira inclui a prática em seus treinos para a Meia Maratona de Lisboa

SILVIA HERRERA

07 de março de 2020 | 16h52

O ator Ricardo Pereira, o Almeida de “Éramos 6”,  tem investido em treinos com eletroestimulação muscular (EMS) para aumentar sua performance, com o objetivo de correr a Meia Maratona de Lisboa, marcada para o dia 22 de março. Sabrina Sato e outros famosos também incluíram essa prática na rotina de treinos. A convite da Miha, líder global de equipamentos de EMS, fomos testar a novidade, já apelidada de “treino do futuro”. #EMS #treinamento #BlogCorridaParaTodos

Equipamento alemão de EMS Miha

A primeira prova científica que o estímulo elétrico favorecia o fortalecimento muscular foi do médico italiano Luigi Galvani, no século 18. Em meados do século 20, os fisioterapeutas da ex-URSS começaram aplicar o método, que já era indicado para recuperação de lesões, para melhorar a performances dos atletas do bloco soviético. Há estudos que com isso, os atletas tiveram um ganho muscular na casa dos 40%. Nos EUA, o método é permitido, desde que com indicação médica e com supervisão de profissional habilitado nos seguintes casos: relaxamento de espasmos musculares, atrofia muscular, aumento da circulação sanguínea, imediata estimulação pós-cirúrgica dos músculos da panturrilha, prevenção de trombose, promover amplitude dos movimentos. O FDA não reconhece o método para emagrecimento.

A EMS,  realizada com os aparelhos da Miha, é uma forma de ativação muscular que recria o movimento natural o sistema nervoso por meio de estímulos elétricos. A tecnologia desses aparelhos foi desenvolvida em 2007, na Alemanha. No Brasil, onde chegou em 2016, já conquistou mais de 120 estabelecimentos parceiros, espalhados pelas cinco regiões do país. É utilizada no esporte de alto rendimento, por grandes nomes da medicina e treino esportivo, além de atletas como Rafael Nadal. Fui conhecer o EMS num studio em São Paulo. Logo na entrada já me avisam que 20 minutos desse treino equivalem a duas horas de musculação e para não fazer musculação nos próximos dias. Recebo um traje apropriado, uma segunda pele e um macaquinho de neoprene e me indicam o vestiário.

Studio E-Boby na Alameda Lorena, nos Jardins

Presente em 55 países, no Brasil os equipamentos da Miha  tem certificado da Anvisa e do Inmetro e  já se tornou o queridinho dos famosos, dos ultramaratonistas e triatletas. O Ricardo faz  EMS há dois anos e corre há mais de duas décadas. O ator português treina com a personal Aninha Kurban, que utiliza os aparelhos da Miha. Ele até corre na esteira fazendo EMS.

Ricardo Pereira treina uma vez por semana com EMS

Aninha explica que nas últimas duas semanas, eles estão seguindo uma planilha de corrida, na qual correm três vezes por semana, mais um dia de musculação e um dia de EMS. “O treino com EMS tem como principal objetivo o fortalecimento muscular do corpo todo, mas focamos bem no core e em exercícios de estabilidade articular. Na potencia máxima, a EMS pode contribuir para um aumento de até 30% na performance do atleta. E temos como prioridade, que Ricardo, que vai correr a meia com a esposa, termine bem a meia maratona, de maneira confortável e sem lesões. O Ricardo pretende correr os 21km ao lado da Francisca, puxando o ritmo da corrida, um apoiando o outro, com um tempo de 2 horas”, conta Aninha.

“Amo correr, já fiz várias meias, 15K, 10K, 5K. A corrida tem um lado muito libertador. Mas gosto de dividir a corrida com outras modalidades, como surfe, futebol, muay thai, boxe, bike, EMS, musculação, funcional , spininng, sempre diversificando. Acho que é mais equilibrado para o corpo e mais saudável praticar várias modalidades distintas. E a EMS é muito importante como complemento. É um treino muito importante e eficaz”, atesta.

Ricardo Pereira e Aninha Kurban

Vitor Dutra Morigge, educador físico, explica que a EMS trabalha com fortalecimento e resistência muscular. “É uma atividade de baixo impacto, que não vai sobrecarregar as articulações, que devem ser preservadas para o melhor desempenho na corrida. E também ativa as fibras brancas e vermelhas dos músculos, dando mais resistência e eficiência aos corredores”, destaca. Ele acrescenta que o método é um ótimo preventivo de lesões. E para quem já tem lesões anteriores, como condromalacias, melhora o tônus da musculatura que dará melhor suporte aos joelhos. No entanto, a EMS não pode ser realizada por portadores de marca-passo, gestantes, pacientes com câncer.

Todas as cintas do traje de EMS são molhados antes da aula pelo professor

A máquina do EMS tem dois protocolos: fortalecimento e metabólico. “No fortalecimento utilizamos  85 hertz e no metabólico, 7 hertz. O metabólico gera contrações e relaxamentos, que estimula a capacidade cardiovascular”, acrescenta. A roupa é bem justa. E o professor molha os locais onde a corrente será transmitida aos músculos. Durante o treino, que dura 20 minutos, serão estimulados 300 músculos – o corpo humano tem 650 músculos. Como nosso corpo é formado por 70% de líquidos, a corrente consegue atingir quase metade da musculatura. São dois alunos por sessão. Cada um ligado a uma máquina. O professor dá duas bolas de borracha para cada um. Todos os execícios que fizemos foram segurando essas bolas.

Ricardo Pereira treina com EMS para se preparar para a Meia Maratona de Lisboa

Fizemos agachamentos, afundo, pulos, polichinelos, alongamentos. Você faz o movimento quando recebe a estimulação. Não é choque, disseram que o aparelho é 100% seguro. É como aquela estimulação da fisioterapia, só que no corpo inteiro e durante atividade. Gostei bastante. O professo vai aumentando a potencia até você pedir para diminuir. Senti que realmente mexeu por dentro do corpo inteiro, principalmente core e glúteos. Você já vê o resultado, da melhora do tônus muscular assim que retira o traje.  No outro dia pulei a musculação e senti os efeito no meu corpo durante duas semanas.  Realmente vale a pena experimentar. No studio que fiz o teste, a sessão de 20 minutos custa R$ 150.

 

Tudo o que sabemos sobre:

treinamentoEMSeletroestimulação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.