Hora de Correr!!!

Hora de Correr!!!

SILVIA HERRERA

15 de dezembro de 2015 | 06h30

Treino noturno Nike Corre Junto na Lagoa Rodrigo de Freitas - Rio de Janeiro/ Divulgação

Treino noturno Nike Corre Junto na Lagoa Rodrigo de Freitas – Rio de Janeiro/ Divulgação

Não tem horário certo ou errado, aprenda a “ouvir” seu corpo.

Teve época que eu adorava correr às 11h da manhã, outras no fim do dia e por fim descobri que rendo mais mesmo é às 6 da manhã.  “Render é uma indicação que o corpo está OK, que deve ser levada em conta”, explica a médica Talita Poli Biason,  gerente médica da unidade MIP (medicamentos isentos de prescrição) do Aché Laboratórios.

Há quem goste de acordar cedinho e renda no asfalto, com apenas seis horas de sono. Outros precisam dormir oito horas e por isso preferem correr no fim da tarde. “Cada um tem uma necessidade diferente, não dá para generalizar”, conta a médica Talita.

No entanto, há algumas questões para se levar em conta antes de decidir os horários dos treinos. Um deles é a memória afetiva. “Lembranças de aconchego fazem a diferença”, explica a especialista. Tem muita gente que fala que a descarga hormonal também deveria ser levada em conta, ledo engano. Segundo Talita, ela caiu por terra. “O que se tem que considerar é o estilo de vida”, recomenda.

Também tem que se levar em conta: condicionamento físico, local onde vive (há locais no Brasil onde 6 horas da manhã já está muito quente), clima (há locais muito secos, como DF), ouvir seu corpo e o seu treinador.  “Tem gente que fica muito agitada depois de correr, aí é melhor correr cedo, para despertar; e outros cansam, tem que estar atento a isso”, ressalta.

Como Talita corre ela sabe muito bem que fazemos vistas grossas para alguns desconfortos. Eu mesma hoje cedo acordei com o tornozelo direito bem esquisito, acho que fiz algum movimento enquanto dormia. Nem liguei, pus a meia, calcei o tênis e fui embora. Doeu os primeiros cinco minutos e passou.

E o principal – ser racional. Está seco, corre de manhã cedinho ou à noite. Está chovendo forte e com muitos raios, espera passar. Está muito calor, corra à noite. E outra dica: pense na sua rotina, no seu estilo de vida e mude os horários para os treinos se encaixarem melhor. Mudanças sempre são bem-vindas.  Aproveite as férias e teste seu corpo, corra em vários horários e locais diferentes. Além disso, bom senso: hidratação, calçados e roupas adequadas. #corridaparatodos

Confira abaixo a tabela que a médica Talita Poli Biason com os prós e contra dos três períodos

MANHÃ

Prós:

No amanhecer, a temperatura do ambiente é mais amena, facilitando a desempenho da corrida;

– Movimentar o corpo pela manhã traz mais disposição ao longo do dia;

– O corredor fica menos exposto à poluição do ar, pincipalmente nas grandes cidades.

Contra:

Uma noite mal dormida pode prejudicar o desempenho do treinamento no dia seguinte.

TARDE

Prós:

– O corpo está no ápice de seu funcionamento, dando mais força e diminuindo o risco de lesões;

– A temperatura, após as 16h, é agradável aos praticantes de corrida de rua;

– Número menor de pessoas treinando em parques e locais específicos podem ser facilitadores para a busca de resultados nos treinamentos

Contras:

– Geralmente a umidade relativa do ar diminui a tarde podendo ficar abaixo dos níveis recomendas para a prática de atividades físicas ao ar livre em alguns dias do ano nesse período;

– Horário de maior incidência solar, o que prejudica o desempenho no treinamento. Os cuidados com hidratação devem ser redobrados.

NOITE

Prós:

– O treinamento poder ser como uma terapia e alivia o estresse causado por uma rotina intensa de trabalho;

– A temperatura ambiente e a umidade relativa do ar são mais amenas, reduzindo a sensação de desconforto no corredor;

Contras:

– Embora o exercício ajude na qualidade do sono, a corrida logo após ser praticada pode dificultar algumas pessoas a pegar no sono. Para quem tem essa sensibilidade, recomenda-se um intervalo entre a pratica do exercício e a hora de dormir.

Tudo o que sabemos sobre:

corrida de ruarunning time

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.