Livro reúne os perigos e emoções de correr o Tor des Géants, uma das ultras mais difíceis do mundo

Livro reúne os perigos e emoções de correr o Tor des Géants, uma das ultras mais difíceis do mundo

Sidney Togumi descreve todos os detalhes desse desafio de 330 km

SILVIA HERRERA

11 de agosto de 2020 | 10h32

Apaixonado pelo esporte que o leva a trilhas e montanhas de todo o mundo, o renomado ultramaratonista paulista Sidney Togumi, consultor para as provas de trail running da Confederação Brasileira de Atletismo, reuniu no livro “Gigante – 330km correndo pelo Valle D´Aosta”, sua experiência em duas edições do Tor des Géants, uma das ultra maratonas mais difíceis do mundo, que rodeia o Valle D´Aosta.

Sidney Togumi descreve o Tor des Géants em seu livro de estreia

Togumi competiu nas edições de 2016 e de 2018. Conseguiu superar privação de sono, solidão, alucinações, cansaço, altitude,  só alguns dos desafios dessa emblemática e linda prova de trail running, disputada tradicionalmente em setembro com a presença de 800 atletas. A largada é realizada em Courmayeur, aos pés dos Alpes italianos. Até a chegada são 27 mil metros verticais acumulados. E, com sorte , é possível avistar os gigantes do Tor dês Géants: o Mont Blanc, o Gran Paradiso, Cervino e Monte Rosa. O objetivo da maioria dos participantes é concluir a prova, que pode durar 150 horas, correndo, caminhando, dia e noite, sob chuva, sol e escuridão. É necessário muito cuidado. Pensar na logística, fazer um planejamento prévio minucioso para ser capaz de transpor barreiras físicas e psicológicas impostas pelo corpo e mente, mais até do que da organização da corrida.

Sidney Togumi competiu em 2016 e 2018 no Tor des Géants

A narrativa de Togumi inspira atletas de montanha, profissionais de negócios e todos aqueles em busca de motivação. “Gigante – 330km correndo pelo Valle D´Aosta” (R$ 44) é um convite para uma leitura prazerosa, repleta de reflexões internas. O livro tem patrocínio das marcas On Running e Sigvaris Group; e apoio da Milk Comunicações, Adventuremag e Upfitrail.

3 PERGUNTAS PARA TOGUMI

O que o motivou a escrever este livro?
Sidney Togumi – Eu resolvi escrever o livro pois muitos amigos e alunos me incentivavam e  “cobravam” a escrever sobre as minhas experiências em provas e desafios de longa duração que tive oportunidade de participar no decorrer dos anos. No entanto,  nunca havia me visto escrevendo um livro. Em 2018 com a produção do documentário sobre o Tor des Géants e o mesmo sendo aceito pelo Festival Rock Spirit esse pensamento mudou  e resolvi então colocar no papel algumas histórias  no papel. O principal objetivo é transmitir ou tentar transmitir quais são os principais desafios que encontramos nesse tipo de competição e quem sabe auxiliar ou inspirar as pessoas no seu cotidiano afinal o Togumi que participou do Tor é o mesmo Togumi, treinador, filho, cidadão.

É seu primeiro livro? Em quanto tempo o  escreveu?
Sidney Togumi – Foram aproximadamente 10 meses entre as primeiras linhas até a chegada o livro impresso na minha casa. O mais difícil foi organizar as ideias pois eu não lembrava dos fatos em ordem cronológica e por essa razão decidi escrever sobre os principais desafios do Tor des Géants e em cada capítulo trago fatos tanto da minha participação no ano de 2016 quanto de 2018. Outra dificuldade foi driblar a procrastinação.
Qual foi sua classificação nas duas edições que participou ? Pretende repetir a dose no ano que vem? Qual sua próxima ultra?

Sidney Togumi – Em 2016 minha colocação foi 292º no geral com 143 horas e 17 minutos, entre os 446 atletas que finalizaram a prova. Em 2018 minha colocação foi 324º no geral com 140 horas e 32 minutos, entre  534 atletas que finalizaram a prova. Normalmente cada ano largam 850 atletas.

Tenho vontade de participar mais uma vez do Tor des Geants quem sabe em 2022. Em 2020 eu estava inscrito para dois grandes desafios: Vald’Aran nos Pirineus com a distância de 160 km (julho 2020)  e o PTL na França com 240 km(agosto 2020),  mas infelizmente a pandemia cancelou todos os eventos até então. E os próximos desafios estão indefinidos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.