Maratona pela vida

Maratona pela vida

Corredores se unem na segunda missão, agora com vaquinha virtual para ajudar ONG em Itaquera

SILVIA HERRERA

13 de abril de 2020 | 17h51

Por conta da pandemia batendo a nossa porta,  corredoras  da capital paulista criaram um grupo que está focado em uma verdadeira maratona pela vida, criando e divulgando vaquinhas virtuais, acionando os amigos, realizando brechó virtual para conseguir recursos para doar cestas básicas às ONGs das periferias, que usam o esporte como ferramenta de inclusão. E agora vai começar a segunda missão – “SOS Zona Leste contra o Coronavírus”, desta vez para ajudar a Associação Esportiva e Cultural Kauê, fundada por Francisco Carlos da Silva (Kauê) há 22 anos, em Itaquera, na zona leste.

Neide Santos do Projeto Vida Corrida, foco da primeira missão

A primeira missão conseguiu recursos para ajudar as ONG Vida Corrida, do Capão Redondo, e Social Skate, de Poá. “Às vezes me sinto enxugando gelo, mas vendo os vídeos das crianças do Capão Redondo recebendo as cestas, sinto que mesmo que a ajuda seja de 0,000001% alguém está sendo beneficiado por ela. Sei que não vamos mudar o mundo, mas a sensação de mudar o dia de alguém é algo que vou levar para a vida”, conta Paula Narvaez, a corredora que idealizou as ações. A vaquinha virtual arrecadou cerca de 77 mil reais e o brechó mais 8 mil reais, que já se transformaram em 1.250 cestas básicas, 500 litros de água sanitária, mais de 1 tonelada de frutas e legumes, 25 mil litros de água, que foram entregues a 600 famílias.

Qualquer valor doado para esta segunda missão é bem-vindo.  Clique aqui para ajudar: http://vaka.me/983570  “Nossa batalha por um mundo melhor e mais humano passa pelo esporte. Agradecemos a união de pessoas que acreditam na força desta poderosa ferramenta de transformação”, diz Kauê.

No Rio, outro grupo de corredores, da  VN Trainer, do Rio, iniciou uma campanha de arrecadação de produtos de limpeza. Logo a ideia se expandiu e ganhou nova forma, sendo abraçada por outros grupos. A ação dos esportistas amadores, batizada de Esporte de Rua Pelo Rio, vem sendo dirigida ao Viva Rio para a rede solidária SOS Favela. “Em contato com o Viva Rio soubemos de um programa deles que possui um banco de dados de aproximadamente 15 mil famílias em 12 comunidades do Rio. Para conseguirem atingir mais pessoas e não sofrerem com problemas de logística e armazenamento dos produtos, a ONG se associou a alguns mercados locais, onde compram a cesta básica – que hoje inclui sabão – e os próprios beneficiários buscam. Com o isolamento social, achamos que seria a melhor forma de ajudar: segurança para quem doa, para quem entrega e para quem recebe”, explica Bruna Guimarães, uma das atletas que iniciou o movimento.

Já são 18 assessorias de corrida que estão nessa corrente do bem: VN Trainer; Tribus Adventure; Soul Race; Bohrer Fitness Team; iRun Assessoria Esportiva; BR2 Assessoria Esportiva; Fox; Cordella Team; MCP Performance; Athlon Assessoria Esportiva; Equipe Toscano; Runnin’ Assessoria Esportiva; #VemNadar; Go Lapa Runners; Ponto Corrido Assessoria Esportiva; Team Falcão/ Team Bira; T4Sport; Runners Club.

Inicialmente foi criada uma vaquinha virtual para arrecadação de qualquer quantia em dinheiro – (vaka.me/963840). com os valores doados integralmente à Viva Rio para a compra das cestas básicas. Ampliando a ajuda aos necessitados, o grupo criou também o @bazarpelorio (https://instagram.com/bazarpelorio)

Vulcabras está produzindo e doando EPIs

E as empresas também estão empenhadas nessa maratona do bem pela vida, só que ajudando os heróis do “front”. A Vulcabras Azaleia, por exemplo, que detém as marcas esportivas Olympikus, Under Armour, está produzindo e vai doar mais de 400 mil máscaras de proteção e 3 mil pares de calçados para profissionais de saúde de 13 cidades. Mas a ideia é produzir e doar ainda mais. Neste momento tão incerto e cheio de desafios, expressar gratidão por todo mundo que está fazendo algo para ajudar as pessoas é essencial e levar um pouco de proteção e segurança a esse público tão requisitado e sobrecarregado no momento é a maneira que a empresa encontrou para agradecê-los,  em nome de todas as pessoas das comunidades em que está instalada e que não podem sair de suas casas.

Os calçados doados são de uso técnico,  apropriados para uso em ambiente hospitalar, visando a proteção de quem os calçará. As máscaras, também com função protetora, são de dois tipos específicos: 400 mil máscaras de tecido TNT e 4 mil máscaras técnicas e amplas de acrílico, todas produzidas nas fábricas Vulcabras por uma equipe reduzida e dedicada à essa força tarefa. A escolha dos itens a serem doados e desenvolvidos não foi ao acaso. A empresa fez questão de direcionar equipamentos técnicos e específicos que atendessem à real necessidade dos profissionais e, para isso, não mediu esforços. O time de inovação Vulcabras estudou e se empenhou para desenvolver um modelo de produção de máscaras em suas instalações, tanto as de TNT quanto as de acrílico. Iniciativa louvável.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.