Mulheres, nunca abaixem a cabeça para ninguém

Mulheres, nunca abaixem a cabeça para ninguém

SILVIA HERRERA

08 de março de 2019 | 13h02

Esta é a mensagem para o Dia da Mulher de Ana Luiza dos Anjos Garcez, a Animal, que tem milhares de “seguidores” reais na tribo dos corredores de rua de Sampa. #corridaderua #BlogCorridaParaTodos #DiadaMulher

São 42 quilos de disciplina, coragem, raça e força de vontade. Acorda todos os dias as 4 da matina para treinar no Ginásio do Ibirapuera, onde mora há duas décadas, incentivando todos os atletas que passam por lá. Todo domingo ela marca presença em alguma corrida, sempre vencendo em sua categoria – agora na faixa dos 56 anos – depois incentivando todos a superar suas metas. Animal é um caso real da força transformadora do esporte, e foi o destaque do Summit 2019 da ESPNW na noite de quinta-feira, 7 de março, que contou também com a presença da e-gamer trans Olga Rodrigues.

Ao nascer, Ana e sua irmã gêmea foram abandonadas em uma caixa de sapatos. Morou nas ruas do centro, roubou, usou drogas, quase foi estrupada três vezes. Estudou apenas até os 10 anos. Foi encaminhada para a Fundação Casa, onde permaneceu até os 16 anos. “Apanhava muito”, contou. Ao sair de lá queriam apresentar sua mãe, a quem se recusou conhecer. “Arrumam um emprego para mim em uma casa de família, onde fiquei por cinco meses. Como não me pagaram o salário, roubei o que pude e voltei para a rua”, lembra.

Nas ruas ganhou o apelido de tia punk e só andava com os meninos, vivendo de pequenos furtos para usar drogas. “Ficava com os meninos porque as meninas são fofoqueiras, linguarudas e entregam”, explicou.  Para escapar dos tarados de plantão, começou a se vestir como um homem.  Foi assim até os 34 anos, quando por acaso assistiu ao filme “Carruagens de Fogo” e ficou encantada com a possibilidade de correr. A música do filme tocou o coração da Animal – assim apelidada por conta do seu temperamento selvagem, arredio e desconfiado. “Como sabia correr da polícia pensei que correr uma maratona – 42. 195 m – seria moleza. Como tinha roubado e estava com grana encomendei camiseta, tênis e shorts. Meus amigos me desafiaram e fui correr a Maratona de São Paulo, sem me inscrever, cheirando cola, fazendo alguns atalhos – era uma das últimas brigando para o carro dos retardatários não me pegar – você tem seis horas para completar a corrida, senão tem que entrar no carro. No final ainda roubei uma medalha de participação. E fiquei cinco dias com dores, deitada, sem conseguir nem andar”, conta. Ela achava que maratona era no máximo uns 10km…

 

Um belo dia Animal apareceu na TV, numa matéria do “Fantástico” que mostrava como era morar na rua. O secretário de esportes da cidade viu e foi atrás da Animal e seus amigos, com uma proposta para o grupo começar a praticar esportes e morar no Centro Olímpico. Os meninos voltaram para as ruas, Animal ficou. Depois de dois anos teve que se mudar para o Ginásio do Ibirapuera, onde mora até hoje.

Aos poucos Animal foi se tornando uma grande corredora. O governador Mário Covas escalou o Wanderlei de Oliveira, o guru das pista, que está com Animal desde 1996. Ele costuma dizer que se Animal tivesse sido descoberta na adolescência seria uma fundista entre as melhores do mundo. Outro Vanderlei também de Oliveira é ídolo dela – o medalha de Bronze na Maratona Olímpica de Atenas, que foi “atropelado” pelo irlandês maluco.

“Na minha faixa etária sou a primeira no Brasil e a segunda, no mundo”, revela Animal, que viaja o Globo correndo maratonas, sempre com um visual “montado”, com muito glitter e roupas bem chamativas. “Meu sonho é um top trabalhado no glitter”, revela.  Animal trabalhou uma época em uma boate gay, onde fez grandes amigos e aprendeu a se vestir assim. “Se eu não estiver montada para disputar uma prova não me sinto bem”, confessa. Aliás, ela participou do Gay Games no ano passado, com vitória.

Segredo de tanta disposição: tomar muita água e treino. “Vou correr até quando as pernas aguentarem, como não tenho família, depois vou para um asilo e pronto!” Vida longa à Animal, que seu exemplo sirva de motivação para todas nós. E atenção  marcas esportivas, ela está sem patrocínio!!

Animal participou do painel “Mulher inspiradora” da ESPNW, entrevistada por Bibiana Bolson e Flávia Delaroli. Hoje, dia 8,  serão diversas as atrações que reverenciarão as mulheres no esporte no ESPN Extra, canal que já possui os esportes femininos como um de seus pilares da programação. O programa Resenha, com a jogadora de futebol Marta, será reprisado às 12h30. Às 19 horas, Sesi Araraquara e Vera Cruz Campinas se enfrentam pela abertura da Liga Nacional de Basquete Feminino, campeonato recém-adquirido pela ESPN. Na sequência, às 20h30, o Bola da Vez inédito será com a lutadora Amanda Nunes, maior nome do MMA feminino mundial (a reprise ocorre na ESPN Brasil, meia-noite de sábado para domingo). Ao longo de todo o dia, completam a programação documentários internacionais da ESPN Filmes sobre as mulheres no esporte.
Confira o bate papo no Summit – clique aqui

Mais conteúdo sobre:

Dia da Mulhercorrida de rua