Nova Flor brilha mais uma vez na São Silvestre

Nova Flor brilha mais uma vez na São Silvestre

É a 4ª vitória dessa equipe na corrida de rua mais popular da América do Sul

SILVIA HERRERA

31 de dezembro de 2021 | 16h02

Na manhã da última sexta-feira do ano, vimos a vitória brasileira derreter a 400m da linha de chegada da 96ª Corrida Internacional de São Silvestre. Na subida da Avenida Brigadeiro Luís Antônio, o etíope Belay Tilahun Bezabh, 26 anos, – que revezava a liderança com o nosso Daniel Ferreira do Nascimento, 23 anos-, ligou um turbo inacreditável e triunfou na Avenida Paulista. Ele trajava a camiseta da Nova Flor e venceu a São Silvestre pela segunda vez, a primeira foi em 2018.

Belay Tilahun Bezabh venceu a São Silvestre de 2021 com o tempo de 44:54 – Foto: Luiz Doro Neto/Divulgação

Nova Flor não é uma marca esportiva ou algum patrocinador, é uma  organização mineira, com sede em Tupi, que capacita jovens para se tornarem agentes de transformação em suas comunidades e terem acesso a melhores condições de vida, e promovem um intenso intercâmbio entre o Brasil e o Nordeste da África, região mais conhecida como Chifre Africano, que contempla os países: Etiópia, Eritreia, Djibuti e Somália.  O nome completo é Iniciativa Nova Flor de Atletismo e foi criada em 2014. E o foco do intercâmbio é esportivo: ajudar potenciais estrelas do atletismo. Acreditam no esporte como profissão e ferramenta de transformação social.

Nova Flor é tradução em português do nome da capital da Etiópia – Addis Abeba. A organização dá suporte aos atletas e promove o intercâmbio entre os países. E há seis anos eles se revezam nos pódios brasileiros com outra equipe que faz trabalho semelhante, a LUASA Sports, do nosso eterno Luiz Antonio dos Santos, que fez a passagem este ano precocemente, vítima de ataque cardíaco.

Além da vitória de hoje,  Nova Flor tem dezenas de outras, entre elas destacamos: das São Silvestres de 2016 (Leul Gebrelassie), 2017 (Dawit Admasu) e 2018 (Belay Tilahun); da Maratona Internacional do Rio de Janeiro de 2018, com a campeã (Zinash Banertiga) e campeão (Neguse  Tempo); e da Maratona Internacional de Manaus 2018, com o campeão (Mersimoy Neguse Alem) e vice-campeão (Getu Kure Mideksa). Além da parte esportiva, a Nova Flor mantém a Casa Etiópia, realiza diversas ações para divulgar a cultura africana no Brasil e aceita doações de calçados de corrida que são enviados para jovens aqui no Brasil e no Chifre Africano.

A queniana Sandrafelis Tuei é bicampeã da São Silvestre – Foto: Luiz Doro Neto/ Divulgação

Belay Tilahun calçava  Nike Vaporfly Zoom Next%, mesmo modelo da campeã no feminino, a queniana Sandrafelis Chebet, que ditou o ritmo da prova e venceu com mais de 300m de diferença para a segunda colocada, a etíope Yenenesh Dinkesa.  “Estou feliz em estar aqui novamente, o clima ajudou e sempre gosto de competir a São Silvestre”, declarou a  agora bicampeã da prova. A brasileira Jenifer do Nascimento e Silva (Esporte Clube Pinheiros) chegou em terceiro.  Em quarto, logo atrás,  a companheira de clube  Valdilene dos Santos Silva. Franciane dos Santos Moura (Nova Flor) foi a quinta colocada.

Danielzinho foi todo de adidas, e calçava o Adizero Adios. E o terceiro a cruzar a linha de chegada foi o boliviano Hector Flores, com Nike Vaporfly Zoom Next%. Ou seja, todos os três primeiros – do masculino e do feminino, calçavam tênis com placa de fibra de carbono. Vale destacar que este segundo lugar foi muito importante para o Danielzinho, que este ano é em 87º colocado no ranking mundial da maratona. Ele é o único brasileiro no Top 100 e tem muita lenha para queimar nos próximos anos.  Nesse ranking, Tilahun que não teve um ano bom, está na 346ª posição.  E no ranking do ano, Danielzinho está entre os 50 melhores do mundo, em 46º. “Estou feliz com esse resultado que demonstra minha evolução. Sempre tive bom desempenho, mas achava que precisava evoluir, então fui ao Quênia buscar essa melhoria. E, concluir este ano de 2021 com esse segundo lugar, coroa o meu melhor ano em competições. Agora é comemorar e continuar trabalhando para o constante desenvolvimento e assim buscar a vitória”, contou Danielzinho, que levou para Paulista a bandeira de sua cidade natal: Paraguaçu Paulista. .

Daniel Nascimento foi o segundo a cruzar a linha de chegada com o tempo de 45:09 Foto: Luiz Doro Neto/Divulgação

A Corrida Internacional de São Silvestre é uma propriedade da Fundação Cásper Líbero, com organização técnica da Yescom. O patrocínio é de Cosan, 3 Corações, NewOn, Assaí Atacadista, Smart Fit e Molico, copatrocínio Bioleve, Adria e Voe Ita, e apoio de Montevérgine, Movimento Plástico Transforma, Dois Cunhados Hortifruti, Bendita Cânfora, Comgas e Transamérica Executive Paulista. O apoio especial do Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo.

Resultados 2021 

Masculino

1) Belay Tilahun Bezabh (ETH), 44min54seg

2) Daniel Nascimento (BRA), 45min09seg

3) Hector Flores (BOL), 45min15seg

4) Elisha Rotich (QUE), 46min26seg

5) José Mario Leão da Silva (BRA), 46min35seg

 

Feminino

1) Sandrafelis Tuei (QUE), 50min06seg

2) Yenenesh Dinkesa (ETH), 51min26seg

3) Jenifer do Nascimento (BRA), 53min32seg

4) Valdilene Silva (BRA), 53min33seg

5) Franciane Moura (BRA), 54min10seg

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.