Pesquisa da Stanford mostra que treinador virtual é eficaz

Pesquisa da Stanford mostra que treinador virtual é eficaz

O estudo foi feito durante um ano com 245 pessoas

SILVIA HERRERA

03 de janeiro de 2021 | 10h00

Ano-novo é tempo de resoluções. Que tal aposentar o controle remoto e começar finalmente a caminhar, perder peso e ganhar saúde? Há alguns apps que podem te ajudar a marcar os passos, o trajeto e o tempo, como o Strava e Nike Run Club, por exemplo. Eles têm também treinador virtual e medalhas quando completar  suas metas. Estudo recente da Stanford Medicine (EUA), chamado Suporte de Atividade Física Computadorizada para Idosos (COMPASS), concluiu que a ajuda de treinador virtual é eficaz.

Carmen é orientadora virtual da pesquisa da Stanford

O estudo é de autoria de Abby King, professora de Medicina e Epidemiologia e PHD em Saúde Pública da Stanford Medicine. “A faixa etária a partir dos 50 é a que luta mais para conseguir se manter ativa, e mesmo um pouco de atividade física por dia já reduz significativamente os riscos de diabetes tipo 2 e da obesidade”, destaca a médica, que há 25 anos lidera o programa “Active Choices” (escolhas ativas, em inglês) no qual motivam a realização de atividades físicas, por meio de ligações telefônicas, que foi substituído recentemente  por uma assistente virtual – Carmen – uma solução tecnológica mais barata e moderna. E a pesquisa foi desenvolvida para comprovar a eficácia da Carmen,

Timothy Bickmore, PhD, professor de ciências da computação e reitor associado de pesquisa na Northeastern University, é o autor sênior deste estudo que focou em pacientes latinos, onde há maior taxa de obesos e diabéticos nos EUA.  Carmen foi testada em um estudo piloto e agora sua eficiência foi comprovada nesta pesquisa da Stanford, publicada no Jama International Medicine em novembro. A tese era comprovar  se Carmen, que toma uma forma humana digitalizada e fala espanhol e inglês, poderia realmente  encorajar adultos sedentários a passar mais tempo caminhando, praticando atividade física. O estudo mostrou que Carmen era tão eficaz quanto os conselheiros reais para ajudar os participantes a andar com mais regularidade. Abby espera que, ao demonstrar que os consultores virtuais são eficazes, o estudo incentive o desenvolvimento de mais ferramentas como essa. A longo prazo, ela vê esse tipo de assessoria virtual como uma forma de melhorar a acessibilidade ao aconselhamento personalizado que ajuda normalmente pessoas inativas a se tornarem ativas e mais saudáveis.

Feedback personalizado – Durante um ano, 245 moradores de São Francisco, entre 50 e 87 anos, participaram do estudo. Metade foi atendida por Carmen – por meio de uma tela de computador – e outra metade por treinadores reais. O objetivo era atingir uma média regular de 150 minutos ou mais de caminhada, ou atividade semelhante,  por semana. As conversas reais e virtuais foram conduzidas da mesma forma. Os usuários adoraram Carmen, a descreveram como gentil, solidária e surpreendentemente amável. Abby King e Bickmore se basearam em ciências da computação e comunicação, bem como psicologia comportamental, para imbuir Carmen com o poder de, não só interagir com os participantes e perguntar-lhes sobre o seu dia, mas também fornecer-lhes feedback personalizado, simples e ferramentas que incentivam a atividade física regular.

Os participantes receberam  um pedômetro para monitorar as caminhadas e depois mostrar para o treinador. Carmen falou através do alto-falante do computador, e os participantes responderam selecionando opções simples na tela do computador. Guiada por um algoritmo programado por Bickmore e sua equipe, Carmen perguntou sobre o progresso dos participantes em direção aos seus objetivos de caminhada. Os participantes poderiam dizer que estavam no caminho certo, nesse caso Carmen os encorajou a manter o curso; ou eles poderiam deixá-la saber que eles estavam atrasados em seus objetivos, nesse caso Carmen perguntou-lhes a razão, encorajou-os a pensar sobre as barreiras que enfrentaram e ajudou-os a encontrar uma solução. Carmen não estava focada apenas no treino físico. Por exemplo, durante o mês de dezembro, ela desejou Boas Festas aos participantes, disse que não poderia viajar, pois estava muito ocupada no escritórios fazendo compras online e que fez uma  resolução de ano-novo para si mesma: ser menos glitchy (mau funcionamento).

No final, os dados mostraram que aqueles que foram treinados por Carmen aumentaram significativamente sua atividade, caminhando cerca de 154 minutos a mais por semana, em média. Isso foi em par com aqueles que foram treinados por humanos; eles relataram cerca de 132 minutos a mais caminhando por semana. E todos perderam cerca de 5kg ao longo do estudo. Carmen ajudou Regina Sosa a aumentar seus passos de uma média de 2.500 para 10 mil por dia. “Eu realmente gostei, Todos os dias, eu só tento dar cada vez mais passos porque sei que vou entrar e relatar meu progresso para Carmen”, disse Sosa. “Isso realmente me fez levantar e sair da minha casa.” O objetivo final de Abby  King é ajudar mais pessoas como Regina, expandindo o alcance da assistência virtual de Carmen internacionalmente, inclusive para países latino-americanos.

O outros autores do estudo, que foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde, são: a gerente de laboratório Maria Ines Campero; ex-pesquisadora associada Jylana Sheats, PhD; ex-pesquisadora sênior Cynthia Castro Sweet, PhD; Michelle Hauser, MD, professora associada clínica em atenção primária e saúde da população; assistente de pesquisa Dulce Garcia; assistente de pesquisa Aldo Chazaro; ex-assistente de pesquisa Alemão Blanco; ex-pós-doutorando Jorge Banda, PhD; e o pesquisador David Ahn, PhD.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.