Por dentro do Adizero Adios Pro

Por dentro do Adizero Adios Pro

Iberê Thenório cortou ao meio esse modelo da adidas, que já conta com dois recordes mundiais nos 21km

SILVIA HERRERA

16 de fevereiro de 2021 | 16h19

Com seriam por dentro as placas de fibra de carbono  dos atuais tênis de corrida de rua utilizados pela nata da elite da longa distância? Os desenhos dos projetos do Nike Alphafly correram o mundo, mas  pela primeira vez cortaram um desses modelos de “salto alto” no Youtube. O vídeo “CORTAMOS um TÊNIS de CORRIDA de FIBRA DE CARBONO”, do canal “Manual do Mundo” foi lançado nesta terça-feira, dia 16 de fevereiro, e mostra detalhadamente como é por dento o adidas Adizero Adios Pro, concorrente direto do Nike Alphafly. Aliás, esse modelo da adidas foi calçado por Peres Jepchirchir nas duas quebras do recorde mundial da maratona feminina em 2020. E vai ser usado na Maratona Olímpica de Tóquio pelo representante brasileiro Daniel Chaves.

Iberê Thenório cortou o Adizero Adios Pro ao meio – reprodução de YouTube

O youtuber Iberrê Thenório corre há três anos e ganhou da adidas dois Adios Pro para testar, um para decepar e o outro pra correr. Primeiro ele lança um desafio, será que ele consegue bater o recorde pessoal dele com o modelo? Assista o vídeo abaixo para descobrir.  O vídeo é muito bom, ele pesa o modelo, pega um estilete muito afiado e corta o cabedal no meio, me deu até um arrepio de ver. Esse modelo custa R$ 1.300!!! Mostra cada detalhe, inclusive do contraforte. Depois corta ao meio a entressola e mostra as 5 hastes  de fibra de carbono, depois as quebra. A maior na parte posterior e as outras no médio pé e a menor na parte anterior, abaixo dos dedos, dando impulsão e amortecimento de resposta rápida.  E depois corre com o Adizero.  Será que ele vai conseguir um novo RP?

E fica uma sugestão ao Manual do Mundo, que tal cortar o Nike Alphafly Next, o tênis mais rápido do mundo? E comparar esses dois modelos por dentro?

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

testeAdizero Adios ProAdidas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.