Prefeitura do Rio libera as corridas de rua a partir de novembro

Prefeitura do Rio libera as corridas de rua a partir de novembro

Em São Paulo o primeira competição de atletismo está marcada para 19 de setembro

SILVIA HERRERA

08 de setembro de 2020 | 19h22

Na sexta-feira, 4 de setembro, foi publicado decreto municipal do Rio de Janeiro autorizando eventos esportivos nas ruas, entre eles as corridas. A liberação foi uma surpresa, já que era esperada a realização testes primeiro. Em São Paulo, a Federação Paulista de Atletismo realizou evento-teste para a verificação dos protocolos sanitários no Estádio Municipal Carlos Ferracini, em Caieiras (SP), no domingo 6 de setembro, com três tipos de provas: 5 mil, 1.500 e 400 metros rasos; e a presença de 29 atletas.

 

FPA fez evento-teste no domingo, em Caieiras

O Rio vem flexibilizando as regras impostas pela pandemia. A partir de 1º de novembro, quando vai se iniciar o período conservador, podem ser realizados alguns eventos esportivos seguindo protocolos – as chamadas regras de ouro. Além das corridas de rua serão liberados eventos de triatlo e ciclismo. Mas o poder público  deve estudar caso a caso e faltam fazer os eventos testes. E se tratando da pandemia do coronavírus tudo pode mudar no meio do caminho.

Em São Paulo, o presidente da Federação Paulista de Atletismo (FPA) explicou que o evento teste foi válido para a retomada das corridas de rua. “Aproveitamos para também simular os procedimentos para as corridas de rua, que exigirão uso de máscara durante todo o percurso. Os atletas concluíram as distâncias com tranquilidade e os resultados demonstram que o retorno ocorrerá sem dificuldades na adaptação. Estamos contentes com mais essa etapa concluída, e animados para receber mais atletas nas competições em breve!”, afirmou Joel Oliveira, presidente da FPA. Depois desa verificação a FPA confirmou a realização do 8º Torneio Atletismo Paulista – Adulto, Sub 20, em 19 de setembro, no Centro Olímpico (São Paulo), exclusivo para atletas de São Paulo e sem a presença do público.

A corredora amadora Andrea Funk participou da prova de 5 mil metros rasos. “Achei muito boa a iniciativa da Federação, mostra que há preocupação com uma retomada segura nas corridas de rua e pista. O evento foi simples e bem organizado, mantendo o isolamento físico de todos que estavam lá trabalhando e atletas. É preciso testar para ver o que na prática funciona. Foi legal a questão da testagem, deu maior segurança. Eu participei da prova de 5 mil metros e fomos orientadas a correr com a máscara, pois seria uma simulação de corrida de rua e a máscara será obrigatória. A largada foi às 9h30 e o dia estava bem quente. Correr forte no calor e com máscara é realmente bem difícil e achei que algumas atletas sentiram isso e se preocuparam quando a da frente dava uma baixada na máscara para tomar um fôlego maior. Mas estamos em um momento de adaptação, então precisamos ter paciência e saber lidar com estes novos desafios”, explicou.  Na avaliação dela,  mesmo que o uso da máscara seja obrigatório, será difícil controlar os corredores para que seja usada durante todo o percurso. “Toda o resto da logística acredito que vá funcionar, mas será  preciso a colaboração e consciência de todos os envolvidos: organizadores, FPA, assessorias esportivas, staff, corredores”, acrescentou.

No Ceará iria ser realizada uma maratona no dia 12 de setembro, mas foi cancelada pelos órgãos municipais prefeitura no fim de semana. Era a Maratona Beach Run Brasil, que seria um evento-teste, entre Cumbucu e Paracaru. Todos os inscritos vão receber as medalhas. Veja abaixo o comunicado.

Cancelamento da Maratona Beach Run Brasil

 

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírusretomadacorrida de rua

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: