Projeto Corrida pelo Brasil está “estacionado” há nove meses em Manaus

Projeto Corrida pelo Brasil está “estacionado” há nove meses em Manaus

Faltam apenas quatro estados para o corredor paulistano Vinícius Álvares finalizar o desafio. Veja como ajudar

SILVIA HERRERA

26 de janeiro de 2021 | 10h46

Era para durar 12 meses, mas Vinícius Brosso Álvares já está há três anos longe de casa.  O paulistano especialista em segurança decidiu alugar seu imóvel e conhecer os cartões-postais do Brasil correndo no Projeto Corrida pelo Brasil. A logística era simples, com o aluguel de seu imóvel ele pagaria a alimentação e as viagens, e se hospedaria na casa dos amigos corredores, enquanto participaria de corridas de rua. Tudo caminhava bem, mas veio a pandemia e embaralhou o meio de campo. Vinícius está literalmente “estacionado” em Manaus desde abril, para onde foi para correr a Meia Maratona,  e precisa de ajuda financeira para continuar seu sonho e finalizar o projeto, só faltam quatro estados: Acre, Rondônia, Roraima e Mato Grosso.

Vinícius quer correr em todas as capitais brasileiras

“O plano era fazer a meia e seguir minha jornada pelo Brasil, mas veio a pandemia que abalou o mundo inteiro, e fui ficando por aqui, decidi esperar o cenário melhorar, chegar a vacina, voltarem as competições para eu seguir viagem”, conta Vinícius. Ele explica que no que se refere aos treinos e ao condicionamento físico, 2020 foi excelente para ele. “Atingi 5 mil quilômetros rodados nos meus treinos em Manaus, além de alongamento, funcional e musculação, que concilio com a corrida, e participei de oito provas, que aconteceram afastadas do centro, na parte de floresta”, conta. Em cinco delas, ele foi o vice-campeão e em três delas, o campeão! Devido à pandemia, ele adaptou os treinos, corria de madrugada e os treinos de musculação fazia na laje da pousada, que está hospedado, com o peso do próprio corpo.

O projeto conta com dois parceiros: Empilha Nobre e a Team Correndo na Frente, que bancam o seguro saúde e os gastos referentes à corrida.  Tudo ia bem, até vir a forte segunda onda no Amazonas. Na madrugada do primeiro dia do ano, ele começou a sentir os sintomas da COVID-19. “Tive febre forte, tosse, diarreia e dor no corpo. Passou um dia e a febre não cedia, resolvi ir ao hospital, suspeitava que era COVID”, lembra. Como ele tem convênio médico, resolveu ir para o hospital.  Lá fez os testes e foi diagnosticado com COVID. Deram uma medicação intravenosa  e 0 liberaram para fazer quarentena em casa. “Após receber a medicação eu melhorei, mas no dia 5 os sintomas voltaram ainda mais fortes, a febre não baixava nem com banho gelado. Fui para o hospital de novo, cheguei lá não havia vagas, fui para o outro, também não tinha vagas. E a febre só aumentando. O taxista sugeriu me levar no Hospital Adventista, que meu convênio deveria ser aceito lá. E consegui ser atendido. O médico fez a tomografia, me medicou e me liberou, mesma coisa. Mas aí fiquei bom, no dia 15 comecei a me sentir bem melhor, ganhei 4 quilos. Segundo o cardiologista, só tive sintomas leves, e que com certeza o meu condicionamento físico me fortaleceu pra vencer a doença. E voltei a treinar ainda mais motivado”, destaca.

Vinicius antes de começar o projeto e depois

Todo dia, Vinicius faz anotações em seu diário, e o projeto prevê a publicação de um livro. “Faltam os quatro estados e no final quero ir até Chuí, onde quero fotografar a capa do livro, junto com a foto que já fiz no Oiapoque”, explica. “Tive um tombo agora sendo uma das vítimas do coronavírus, mas não vou desistir do meu sonho, levantei ainda mais forte, com vontade de vencer e me superar. Vou continuar  a fazer o meu melhor. E quando tudo voltar ao normal vou seguir minha jornada pelo Brasil, começando por Boa Vista (RR).

Para completar o orçamento, Vinícius começou a fazer mix saudável com castanhas, sementes e gergelim para vender, mas com o lockdown  e a doença teve que parar. “Gosto de uma vida bem simples e a minha grande dificuldade é para pagar o aluguel (R$ 600) e a demais coisas vou me virando. Eu mesmo faço minha comida, lavo minha roupa. E como a ideia era se hospedar na casa dos amigos corredores, não tinha previsto inicialmente gastos com hospedagem”, pondera.

Doações para o Projeto Corrida pelo Brasil

Pic Pay Serviços S.A.

Ag 0001
conta 39315630-3
Vinícius B. Alvares
CPF: 328.191.998-79

 

Confira entrevista abaixo:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.