Samuka: de Limeira para o Quênia

Samuka: de Limeira para o Quênia

Confira entrevista com Samuel Nascimento, que tem sua carreira financiada por uma campanha de patrocínio coletivo

SILVIA HERRERA

26 de março de 2022 | 11h10

Em 13 de fevereiro, o fundista Samuel Nascimento, de 34 anos, mais conhecido por Samuka, venceu a 15ª edição da Meia Maratona Internacional de São Paulo. O corredor de Limeira (SP), que consegue treinar graças a uma campanha de patrocínio coletivo realizada há 14 meses, fechou os 21,1 quilômetros pelas ruas da capital paulista em 1h05m58, um minuto de vantagem sobre o segundo colocado, Vagner Noronha (FILA). Após essa vitória, ele partiu  para seu segundo camping no Quênia e depois seguirá para um desafio internacional. Ele vai representar o Brasil na Meia Maratona de Madri (Espanha), em 3 de abril.

Samuka, na frente, está treinando no Quênia para a Meia Maratona de Madri

Mesmo sem premiação, Samuka decidiu participar da Meia Maratona de São Paulo para melhorar seu tempo na prova, o que ele conseguiu: baixou em três minutos.  “Esse percurso é muito pesado, mas consegui evoluir”, contou o atleta, que concedeu entrevista ao Blog Corrida para Todos.

A campanha de patrocínio coletivo se chama #VoaSamuka e está na plataforma Catarse. Foi idealizada pelo canal Mania de Corrida, que tem como objetivo permitir que ele se dedique exclusivamente ao esporte na busca pelo índice olímpico para Paris 2024. O atleta precisa de R$ 3 mil para manter suas despesas mensais; e as pessoas podem fazer assinaturas/doações mensais a partir de R$ 10. Mais informações em: https://www.catarse.me/elitemania Para completar a renda, Samuka conta com o apoio do SuperGauss, Papa23, Belanel, União Rodas, GOUP e Método Supletivo. E assim ele consegue treinar dois períodos por dia, de manhã e à tarde, de 25k a 30k por dia. E evoluir dia a dia no esporte.

Samuel Nascimento vai ficar um mês treinando na Áfrinca

O esporte pode ser transformador. Como a corrida transformou sua vida?

Samuel Nascimento – O esporte transformou e muito a minha vida. O esporte me cativou. Comecei no caratê e por um convite fui participar de uma corridinha na minha cidade (Limeira). Concluí em último na minha categoria e nasceu o desejo de melhorar. O campeão foi um rival da infância, hoje amigo. Comecei a treinar exatamente para ganhar dele, por rivalidade e fui melhorando a cada dia. E ainda não tive a oportunidade de ganhar dele, pois ele acabou se machucando. E com a evolução no esporte e com o incentivo da família e dos amigos continuei firme na corrida e foi realmente transformador. Antes não gostava de correr, foi uma transformação de dentro para fora, e hoje não consigo viver sem.

Por conta da campanha de patrocíno compartilhado você conseguiu treinar direito e vencer a Meia de São Paulo e continua na luta pelo índice olímpico. Como é na prática esse tipo de parceria?

Samuel Nascimento – O projeto #VoaSamuka veio no momento certo, começou há dois anos e abriu várias portas. Já estava pensando em abandonar o atletismo e com a ajuda do pessoal, que está contribuindo com a campanha , eu consegui ter uma nova oportunidade para conseguir treinar focado nesse objetivo, e os resultados foram aparecendo, muitos pódios e conquistas.

Como será seu camping no Quênia?

Samuel Nascimento –  Vou ficar treinando no Quênia cerca de 38 dias focando em meia maratona e maratona. No dia 30 de março vamos embarcar para Espanha e no domingo, dia 3 de abril, vou correr a Meia de Madri, onde quero bater meu RP (recorde pessoal), que é 1h04’35” (Meia Maratona de Barcelona – 2018).

Tudo o que sabemos sobre:

atletismomaratonaSamuel Nascimento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.