Toin quer ir para Tóquio

Toin quer ir para Tóquio

Terceiro colocado na Meia Maratona de Curita,, Antônio Wilson, o “Toin”, é um dos postulantes a uma vaga na equipe brasileira que disputará a Maratona na Olimpíada de Tóquio

SILVIA HERRERA

14 de fevereiro de 2020 | 12h30

Terceiro colocado na Meia Maratona de Curita (9/2/20),  Antônio Wilson, o “Toin”, é um dos postulantes a uma vaga na equipe brasileira que disputará a Maratona na Olimpíada de Tóquio. No ano passado, Toin fez uma tentativa de conquistar o índice olímpico na Maratona de Hamburgo (Alemanha), mas não conseguiu completar a prova. Tocantinense radicado em Brasília,  “Toin” acaba de conseguir apoio financeiro de um corredor amador do Paraná para tentar mais uma vez o índice para conseguir uma vaga no Japão. #vaitoin #maratona #BlogCorridaParaTodos

Toín vai tentar o índice olímpico em Hamburgo

Para conseguir o índice para a Maratona de Tóquio, Toin precisa correr uma maratona (42km) em até  2h11 min 30s, ou seja, terá de baixar mais de seis minutos da sua atual marca. É possível? Sim. Então, para isso, os “patrocinadores”  resolveram bancar as viagens para aclimatação em altitude na Colômbia, onde vai ficar 30 dias, e toda estrutura de preparação nutricional e física para tentativa do índice no dia 19 de abril em Hamburgo, na mesma prova em que Toin “quebrou” em 2019. Na Meia de Curita, realizada em Curitiba, Toin fez o tempo de 1:07:49.

Toin (esq) e Paulo Viera/ foto FocoRadical/Divulgação

A história de luta, amor pelo esporte e superação do atleta tocantinense sensibilizou o corredor paranaense que resolveu dar apoio para Toin buscar a vaga na equipe olímpica brasileira. “Quando conheci, por coincidência, a história do Toin na Maratona do Rio do ano passado fiquei muito impressionado. Pois, meu objetivo era entrevistar o vice-campeão da prova e acabei ouvindo um desabafo de um atleta que estava triste por conhecer seu potencial e não ter os recursos necessários para lutar pelo seu sonho. Como corredor amador, aquele relato me sensibilizou”, conta Davi Xavier, corredor, YouTuber e sócio da marca de produtos esportivos Insane Runners. Além disso, ele fez uma camiseta com a hashtag #vaitoin foi criada para a arrecadar fundos para ajudar as despesas extras, como exames, nutricionista, suplementação, já que as passagens e hospedagens já foram pagas. Quem quiser ajudar, pode comprar a camiseta a R$ 70, no site:  https://www.insanerunners.com.br/insane-rumo-a-toquio

Treinado pela esposa e educadora física, mas sem recursos financeiros, Toin chegou à cidade alemã em cima da hora e sem os equipamentos adequados para enfrentar as condições climáticas que se apresentaram no dia da prova. “A maior dificuldade do atleta é a falta de patrocínio, pois o custo de treinamentos e viagens é muito alto. As dificuldades que eu tive em Hamburgo começaram desde a programação, pois sem muito dinheiro eu tive que ir pelos meios mais baratos. Então não pude levar a quantidade apropriada de roupas de frio e quando cheguei em Hamburgo a temperatura mudou e ficou muito frio, cerca de 1°C com chuva e vento. Por isso, literalmente congelei durante a prova. Quando cheguei ao quilômetro 35, não sentia mais as extremidades e quando cheguei ao quilômetro 38 desmaiei e acordei na tenda médica”, relembra Toin. Caso o atleta tivesse contado com uma logística mais planejada o caminho para o índice olímpico já teria sido alcançado.

Abaixo o vídeo do primeiro encontro entre Toin e Davi – 9:59m

Tudo o que sabemos sobre:

maratonaOlimpíada

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: