Trajetória de Alberto Juantorena ganha documentário

Trajetória de Alberto Juantorena ganha documentário

"Running For The Revolution" vai estrear em agosto

SILVIA HERRERA

09 de julho de 2021 | 10h29

Alberto Juantorena gostava mesmo é de jogar basquete, era tão rápido em quadra que chamou a atenção dos técnicos de atletismo. O difícil foi convencê-lo a mudar de esporte, mas quando isso ocorreu as vitórias surgiram imediatamente. Aos 24 anos, ele foi o primeiro homem na história do esporte a vencer os 400m e 800m rasos, este com direito a recorde mundial, na mesma olimpíada, em Montreal (1976). E agora, 45 anos depois, a vida de Juantorena acaba de ganhar um documentário belíssimo: “Running for the Revolution” (Stopwatch Productions – 2020). Dirigido por Mark Craig, o filme foi preparado durante cinco anos e tem 81 minutos. Vai estrear em 2 de agosto no iTunes e Amazon nos EUA, Grã Bretanha, Canadá, Islândia, Europa e América Latina, menos Brasil. E nas tevês de Israel e Bélgica. Tomara que alguma emissora brasileira, ou plataforma de streaming, se interesse para o filme vir para cá também.

Estreia está prevista para 2 de agosto

Tive a oportunidade de ver o doc  em primeira mão. Edição, direção e pesquisa perfeitos, o filme mostra todo o contexto histórico, os reflexos do embargo estadunidense, o cotidiano em Cuba e o amor de Juantorena pelo esporte, a qual dedica toda sua vida. Depois de se aposentar como atleta, por causa de uma lesão no tornozelo, ele é recebido como herói em Cuba e escolhido por Fidel Castro para ser o ministro do Esporte. Uma das entrevistas mais impactantes é com seu principal rival nas pistas: Fred Newhouse (EUA). O atleta estadunidense era o favorito para o Ouro nos 400m, só não contava com o cubano, que venceu magistralmente deixando a plateia de 65 mil pessoas boquiaberta.

Final dos 400m – Crédito Mark Shearman (divulgação Running for the Revolution)

Como não quero dar spoiler só posso adiantar que “Running for the Revolution” faz  o um retrato imparcial da situação conturbada entre EUA e Cuba; e presta uma homenagem a Juantorena. Com 1,90m, e pernas bem fortes, ele não corria, flutuava nas pistas, parecia um cavalo, o que lhe rendeu este apelido.

Mark Craig, premiado por “The Last Man in the Moon”,  com muita sensibilidade conseguiu transmitir todo o amor de Juantorena pelo esporte e por seu povo, em um documentário com muito ritmo e cor. Craig é de Cingapura e sempre adorou esportes, inclusive é corredor amador. Durante a adolescência acompanhou os feitos do atleta cubano, e teve a sorte de presenciar uma de suas competições na Europa, em 1977. E há 20 anos, quando se tornou documentarista resolveu que faria um filme em Cuba. Para ele, as melhores histórias se concentram em um personagem definido, dentro de um contexto de eventos complexos, caso no qual Juantorena se encaixa perfeitamente como exemplo.

Alberto Juantorena em Montreal 1976

A primeira viagem de Craig para Havana para a realização deste documentário foi em agosto de 2015. E “Running for the Revolution” ficou pronto em setembro de 2020, em meio a pandemia do coronavírus. “Tem sido um momento extraordinariamente desafiador para todos, porém, espero que o esporte e o entretenimento possam ajudar as pessoas a atravessarem esse período tão difícil, que o documentário também possa desempenhar um pequeno papel nesse processo”, explicou o diretor para a jornalista cubana Maribel ACosta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.