Treinar para a primeira maratona pode rejuvenescer as artérias

Treinar para a primeira maratona pode rejuvenescer as artérias

Estudo da Universidade de Londres concluiu que a Aorta teve um ganho de 3,9 anos

SILVIA HERRERA

08 de janeiro de 2020 | 09h24

Estudo publicado em 7 de janeiro no Journal of the American College of the Cardiology indica que correr a primeira maratona pode rejuvenescer a artéria Aorta em 3,9 anos. Participaram da pesquisa 138 pessoas entre 21 e 69 anos (49% homens) que encararam o desafio de correr a primeira maratona, no caso a Maratona de Londres de 2016 e 2017. #BlogCorridaParaTodos

Doze pesquisadores da Universidade de Londres acompanharam os voluntários durante seis meses de treinamentos e mais duas semanas após a conclusão da maratona para realização de exames, como medida de pressão arterial e ressonância. Todos tiveram benefícios, mas os que responderam melhor – tiveram o maior ganho de rejuvenescimento da artéria, foram os corredores mais velhos, do sexo masculino e mais lentos. Veja gráfico abaixo.

Gráfico do Estudo da Universidade de Londres

A conclusão do estudo foi que treinar para concluir a primeira maratona, mesmo com intensidade de exercício relativamente baixa, reduz a pressão arterial central e a rigidez aórtica equivalente a uma redução de cerca de 4 anos na idade vascular. E o maior rejuvenescimento foi observado em indivíduos mais velhos e maios lentos.

As planilhas  dos treinos previam a realização de três corridas por semana com um grau de dificuldade que ia aumentando progressivamente, mas os participantes podiam optar por outra forma de preparação. “O nosso estudo mostra que é possível reverter as consequências do envelhecimento nos vasos sanguíneos com exercícios durante apenas seis meses”, observa Charlotte Manisty, uma das pesquisadoras.

 

Clique aqui para acessar a íntegra do estudo

Tudo o que sabemos sobre:

saúdepesquisamaratonacardiologia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.