Yescom oferece 20 corridas virtuais e prepara novidades

Yescom oferece 20 corridas virtuais e prepara novidades

Confira entrevista com Thadeus Kassabian, diretor de operações da empresa

SILVIA HERRERA

10 de setembro de 2020 | 13h33

Um dos maiores organizadores de corrida de rua do Brasil, a Yescom (responsável por eventos de peso como Maratona de São Paulo, Volta da Pampulha e São Silvestre)  foi a primeira empresa a adiar todas as corridas de rua para 2021; e direcionou a operação para os eventos virtuais. Além disso vem testando protocolos, conversando com as federações de atletismo e prepara novidades. Vai lançar em breve uma corrida real com horário agendado durante uma semana, obedecendo os protocolos sanitários; e uma virtual em comemoração aos 80 anos dos personagens Looney Tunes.

Pernalonga faz 80 anos e ganhou uma corrida virtual

Fora a nova opção agendada,  a próxima corrida na rua da Yescom está prevista para o último fim de semana de fevereiro, a Maratona de São Paulo. Mas até lá muita água ainda vai passar debaixo da ponte. Antes dela tem a corrida mais popular do Brasil, a Corrida Internacional de São Silvestre, que é um evento da Fundação Cásper Líbero, organizado pela Yescom, com todo apoio da prefeitura de São Paulo. Tradicionalmente as inscrições são abertas em agosto, o que não ocorreu. Depois do cancelamento da festa do réveillon na Paulista, pelo governador João Dória, o prefeito Bruno Covas já sinalizou que a corrida pode ser cancelada. A fundação ainda não se pronunciou. Thadeus Kassabian, diretor de operações da Yescom, disse que em breve esse impasse vai acabar, mas que não pode antecipar nada. “Ainda estamos trabalho muito, pensando muito, há alguns caminhos, e a decisão deve sair em breve”, contou. Confira abaixo a entrevista.

Largada do Pelotão Geral da São Silvestre – 2019

Vejo três possibilidades para a São Silvestre, além do cancelamento: competição restrita a elite; edição virtual para os amadores; ou um mix das duas versões anteriores. E há que sugira realiza-la na praia ou com inscrição bem cara para um seleto número de mil participantes, mais a elite. O jeito é aguardar a decisão que envolve vários players.

Na sua opinião, quando as corridas de rua retornarão?

Thadeus Kassabian – Tinha uma projeção pessoal que isso ocorreria a partir de fevereiro, mas não estou tão seguro. É preciso ter protocolos do poder públicos e do setor privados na mesma linha, e as decisões têm que ser tomadas em conjunto. E é por isso que fomos a primeira empesa a transferir as corridas para 2021. E as corrida programas, que ainda não estavam com inscrições abertas, não abrimos. Assim conseguimos evoluir, sem a pressão da incerteza da realização dos eventos e conseguimos nos organizar, para manter nosso time funcionando. Oitenta por cento do nosso time está fazendo home office e 20%, em horário escalado, retornou as atividades. Unificamos o escritório no mesmo local da operação, que aliás tínhamos começado esta mudança em março.

O que vem de novidade por aí?

Thadeus Kassabian –  Temos participado e acompanhados os eventos-testes, inclusive do exterior, e vamos lançar uma corrida presencial com horário agendado, na qual o corredor poderá escolher seu horário de largada dentre um período de uma semana. E terá também a opção de correr em esteira, em local seguindo todo o protocolo sanitário. E vamos lançar também a Corrida Virtual do Looney Tunes, as inscrições para esta vão abrir em 15 de setembro. Os personagens completam 80 anos este ano. E podem se inscrever grupos, 3 a 4 pessoas, para as famílias correrem. E lançamos um duatlo (corrida e bicicleta com distâncias a partir 7,5km).

Já são 20 corridas virtuais organizadas pela Yescom. Essa modalidade veio para ficar?

Thadeus Kassabian –  A Yescom é focada no corredor e entendemos que ele queria correr onde pudesse. O corredor não vai na corrida do Batman, que não será realizada, mas vai fazer a corrida do Batman virtual. E assim lançamos as 20 corridas virtuais. Cada uma tem sua regra, o corredor tem que mandar a foto da confirmação do tempo, pode postar a foto dele correndo na plataforma, se assim desejar. O corredor quer ter a sensação parecida, com os comportamentos parecidos, de uma corrida normal. Quer se inscrever, treinar, determinar o dia para correr, receber a medalhar por ter concluído a prova. A gente acredito na corrida virtual e estamos aprendendo como melhorar a experiência. E há corredores do Acre, de Roraima, Pará, Amazonas, Bahia, Florianópolis, de todo o País se inscrevendo. A pessoa corre onde se sente segura. Estamos aprendemos dentro do processo. E acreditamos no corredor, que agora tem a possibilidade de escolher a data e o local da corrida. As pessoas estão criando seus próprios calendários. Tem gente que não podia correr aos domingos, por questões profissionais, particulares e até religiosas, e agora correm nossas provas em outros dias. Conseguimos inovar e pretendemos manter as corridas virtuais no nosso calendário. E estamos melhorando a logística da entrega dos kits, assinamos esta semana com a mesma empresa que faz a entrega dos cartões de crédito, com uma distribuição com um rastreio melhor.

Vocês já tinham feito corridas virtuais antes da pandemia?

Thadeus Kassabian –  Não. Nossa experiência com as corridas virtuais foram pontuais nos anos de 2017, 2018 e 2019, quando realizamos eventos encomendados nesse formato.

As corridas virtuais têm o mesmo número de inscritos das reais?

Thadeus Kassabian –  Tem que se levar em conta que nossos eventos virtuais não são vendas de kits, são uma corrida mesmo, cada uma com sua regra e especificação diferente. Tudo sério, que é o que as pessoas querem.  E percebemos que com a corrida virtual podemos manter, mesmo que minimamente, toda a cadeia que envolve a organização de uma corrida. Os números de inscrições são bem menores do que nas corridas reais, mas conseguimos pagar as contas. Depende muito do tema da corrida. A venda das inscrições não atingiu nossas metas, mas o número vem aumentando. O bacana é que estamos, mesmo de uma forma ainda a quem da corrida presencial, movendo toda a cadeia que envolve esse tipo de evento. E outro ponto, nas corridas da Yescom os recursos não são apenas das inscrições, elas representam 35%, outros 35% são dos patrocinadores e os outros 30% vêm de outras receitas. Se depender só da inscrição, a conta não fecha para um organizador de eventos de médio e grande portes.

Quais as ações solidárias que realizaram durante a pandemia?

Thadeus Kassabian – Conversamos com os patrocinadores e doamos tudo que iria compor os kits, como brindes, nas corridas presenciais deste ano. Doamos 250 mil itens entre isotônicos, macarrão, barra de cereais e água para as pessoas atendidas pelo AVARC (Projeto Acolhimento de Vítimas, Análise e Resolução de Conflitos), do Ministério Público, fizemos toda a logística para as entregas. E nas corridas virtuais sugerimos que os corredores fizessem doações para comprarmos cobertores para os moradores de rua, uma campanha do Projeto Mente Saudável. Com isso já entregamos mais de 1.100 cobertores.

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.