Zumbido no ouvido é sinal de perigo

Zumbido no ouvido é sinal de perigo

SILVIA HERRERA

21 Novembro 2017 | 16h02

Quarenta milhões de brasileiros convivem com esse incômodo, que em todos os casos sinaliza que algo de errado está acontecendo no organismo. Para alertar a população o Instituto  Ganz Sanchez criou a Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido ou Novembro Laranja. Na maioria dos casos, a prática esportiva ajuda no tratamento. #BlogCorridaParaTodos #zumbido #audição #corridaderua

O grande perigo é que boa parte da população acredita que um zumbido, aquele barulho que parece um pernilongo entro do ouvido,  é “normal”.  Conversamos sobre esse assunto com  Andrea Abrahão, fonoaudióloga e diretora técnica da Direito de Ouvir, franquia de equipamentos auditivos com de 400 médicos credenciados em todo Brasil.

Como surgem os zumbidos?

Andrea Abrahão – O zumbido é multi fatorial, envolve vários fatores, pode aparecer até tomando cerveja. Ele está relacionado à algo de errado, pode indica excesso de cafeína, colesterol alto, pressão alta. A prática esportiva, incluindo a corrida, ameniza todas essas causas.  Por exemplo, é muito difícil um corredor ter colesterol alto.  O esporte ajuda muito.

O que é o zumbido?

Andrea Abrahão – O zumbido é um aviso que algo está sendo prejudicado. É como se fosse uma febre, é um alerta. A pessoa que sentir um zumbido deve procurar investigar, ir ao médico.  O zumbindo é um sinal que a orelha está sofrendo, pode ser perda auditiva, colesterol, tumores, estresse – o mais recorrente hoje em dia.  O zumbido é um sintoma, não a causa. E a causa deve ser investigada para que possa ser corrigida. Se for diabetes, colesterol, pressão, é importante adotar um estilo de vida adequado, com hábitos mais saudáveis e atividade física. No caso do estresse, a prática do esporte também é um grande aliado. E é sempre importante logo que o zumbido começar procurar um otorrino, para que ele levante todas as possíveis causas. Detectado o fator causal a tempo, o zumbido pode ser eliminado.

O zumbido tem cura?

 

Andrea Abrahão – Sim. É necessário definir o que é  – pode ser desde uma cera a uma perda auditiva reversível; ou até tumores e uma perda irreversível. Algumas pessoas voltam dos shows e baladas com um zumbido no ouvido e acham que isso é normal. É anormal, o zumbido aponta um sofrimento.  Há pessoas que melhoram depois, outras não. Se não investigar o que é,  o problema pode se agravar. Por exemplo, o que indica a dor na nuca? Ela indica que a pessoa está com pressão alta, é o corpo sinalizando. O zumbido, assim como a dor na nuca, é um sinal.

 

 

O zumbido aparece em qualquer idade?

Andrea Abrahão – Sim. E por isso é necessário descobrir o fator causal. Há dez anos, a faixa mais comum era a de adultos. Hoje aparece mais em adolescentes, decorrente do uso exagerado dos fones de ouvido e da intensa exposição a celulares, está aparecendo também em crianças. O uso excessivo desses aparelhos pode causar perda auditiva. É muito perigoso usar fones de ouvido o tempo inteiro.

Qual seria o tempo “saudável” para usar os fones?

 

Andrea Abrahão –  Não existe uma quantidade exata, a questão maior é a da introdução do fone direto na orelha. O tempo é relativo, tem que se levar em conta a altura do volume, e cada equipamento tem um diferente. Tem que usar o bom senso sempre, e monitorar as crianças e adolescentes.

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:

saúdeaudiçãocorrida de rua