Ascensão e glória de Marcel Stürmer

Estadão

25 de outubro de 2011 | 16h17

O repórter que disser que entende das 36 modalidades que fazem parte da programação do Pan provavelmente estará mentindo. Eu admito que nunca havia visto uma disputa de patinação artística na vida. Como escrever sobre piruetas, saltos e todas aquelas evoluções sobre rodas?

No patinódromo da Unidad Revolución, me senti como se estivesse num congresso sobre física quântica. Os trajes dos patinadores me lembraram os concursos de fantasia de carnaval do Hotel Glória, que eu assistia pela TV Manchete quando era moleque e não tinha absolutamente nada para fazer. Eram roupas com nomes  enormes, como “Ascensão e Glória da Babilônia de Nabucodonosor”. Normalmente, Clóvis Bornay faturava todos os títulos.

Mesmo sem entender bolhufas sobre patinação, me convenci de que Marcel Stürmer havia vencido logo que terminou sua coreografia longa. Eu e todo o público, que irrompeu em aplausos. O cara é bom mesmo.

Alessandro Lucchetti

Tudo o que sabemos sobre:

Marcel Stürmerpatinação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.