O melhor do pan

Estadão

30 de outubro de 2011 | 23h04

Como a hora é de balanço, cito aqui algumas coisas bacanas deste Pan. Gostaria que você, leitor, compartilhasse suas impressões aí do Brasil e comentasse também.

Lógico que posso cometer alguma injustiça, mas aqui vão alguns momentos que vieram a minha cabeça.

1. A vitória do Solonei na maratona. Ver um ex-gari conquistar uma medalha de ouro nos faz pensar nos muitos talentos escondidos e que estão espalhados por todo o Brasil.

2. A ginástica masculina. Os atletas enfrentaram até tufão no caminho do ouro. Ignoraram o cansaço e saíram daqui com uma inédita medalha de ouro por equipes além de várias outras nos aparelhos.

3. Claudio Bierkark. O velejador disputou oito Pans e conquistou oito medalhas para o Brasil. Em Guadalajara, desculpou-se por conquistar ‘apenas um bronze’, sendo que apoio financeiro só recebeu para competir nas seletivas do evento continental. O resto veio da paixão pelo esporte.  Foi o melhor exemplo de amor à camisa que encontrei em Guadalajara.

4. A Rosângela Santos, dos 100 metros e no revezamento 4 x 100 metros.

5. A torcida mexicana. Sempre animados, eram garantia de festa em todas as arenas. Era lindo vê-los torcendo entusiasmadíssimos por qualquer atleta do país, estivessem eles disputando o ouro ou uma final B da natação. E, quase sempre que não havia um conterrâneo na disputa, torciam pelo Brasil. É um carinho que o povo brasileiro precisará ter para com os mexicanos quando da recepão na Copa do Mundo e na Olimpíada.

6. Ana Luísa, primeira medalha de ouro feminina do tiro. Maurren Maggi tricampeã no salto em distância, Lucélia, tetracampeã no caratê.

7. Hugo Hoyama na cerimônia de abertura. Justa homenagem a uma carreira digna no esporte. Seu recorde foi quebrado, mas fica como boa lembrança a medalha de ouro por equipes.

8. Tiago Pereira. Veio com uma meta e a cumpriu com determinação. Tomara que consiga aproveitar este espírito de Guadalajara para buscar uma medalha olímpica em Londres. A tarefa, no entanto, será difícil.

9. O esforço do nado sincronizado. Quem vê as meninas se apresentando com toda aquela elegância talvez não faça ideia do quanto elas treinam… Eram tardes inteiras na piscina, acertando os mínimos detalhes.

10. Todos os atletas que deram tudo de si mesmos com a intenção de fazer a torcida brasileira mais orgulhosa.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.