As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

De Deus

Estadão Esportes

29 de julho de 2012 | 14h49

Ouça uma entrevista de um atleta olímpico, qualquer atleta olímpico brasileiro. É quase impossível que você não escute a palavra “foco”, que faz parte do vocabulário de qualquer um, de Cesar Cielo a Hulk.
Um exemplo de atleta focado à enésima potência é Leonardo de Deus.
Qualquer atleta de alto nível, e ainda mais um que tenha um nome poderoso como esse, desperta o interesse de repórteres por entrevistas.
Esse interesse cresceu quando Leonardo (não usemos seu sobrenome em vão) fez, durante as eliminatórias dos 200m borboleta do Mundial de Xangai, um tempo melhor do que o de um sujeito que chegou em quarto lugar nos 400m medley neste sábado, na capital inglesa. Sim, aquele cara chamado Michael Phelps.
Leonardo, inexperiente, não correspondeu às expectativas na semifinal. Natural.
Eis que, antes do Pan, está Leonardo, treinando em San Luís Potosí. Era a aclimatação para o grande evento de Guadalajara.
Focado, como sempre, Leonardo evitou dar entrevistas.
Estava tão focado que quase foi eliminado por ter usado uma toca com patrocínio quando tentava cavar lugar rumo ao pódio.
Ficou fora, por ter infringido o regulamento. Num evento como o Pan, é permitido fazer propaganda em vários lugares. Na touca não.
Focado, ele se distraiu.
Os dirigentes quebraram seu galho e ele chegou à final.
Focado, foi ao pódio. Ouro.
Estou curioso para saber o que esse nadador tão focado fará nesta segunda-feira
Vou estar focado e tentarei entrevistá-lo na zona mista. Tomara que não faça como Felipe França, que esteve focado o tempo todo, inclusive depois de chegar em 12º na semifinal. Focado, foi embora e recusou os pedidos de entrevista.
Ainda bem que Thiago Pereira topou falar com a gente. Esse tinha assunto.

(Alessandro Lucchetti)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.