Fábregas elogia atuação ‘soberba’ de Balotelli, mas não o vê como única ameaça italiana para a final

emanuel

29 de junho de 2012 | 11h52

balotelli_PATRIK_STOLLARZ_620afp.jpg
(Atacante foi o grande destaque da Azurra na vitória sobre a Alemanha. Foto: AFP)

Por ESPN.com.br com AFP

Os gols anotados por Mario Balotelli na vitória da Itália sobre a Alemanha por 2 a 1, na última quinta-feira, assombraram a todos que acompanham a Eurocopa. A classificação italiana para a final do torneio diante da Espanha tem a marca do polêmico atacante do Manchester City, e a seleção da Espanha, rival da Azzurra na grande final, também se preocupa com ele. Mas não só.

Segundo o meia Fábregas, a Itália tem muitas outras armas para a decisão. “Balotelli é um ótimo jogador. Ele mostrou isso ontem por marcar dois gols soberbos na semifinal contra um time muito forte como a Alemanha. Ele será uma ameaça, assim como Cassano e os outros atacantes”, falou em entrevista coletiva nesta sexta-feira.

ÁUDIO: Ouça tudo sobre a Eurocopa

O jogador do Barcelona analisou os adversários do próximo domingo em Kiev e garante: a final da Euro terá as duas seleções mais consistentes. “Eles têm um time muito competitivo, muito experiente da defesa até o ataque e com jogadores que tiveram excelentes temporadas por equipes como Milan, Inter de Milão e Juventus. Os defensores da Itália são muito experientes e sabem quando atacar e defender”.

“No topo disso eles têm um goleiro que é naturalmente um líder, mas a Espanha tem um grande goleiro também com Iker Casillas. Eles também têm muitas variedades na frente, jogadores fortes como Balotelli, manhosos como Cassano, e no meio-campo têm atletas especiais como Marchisio e Pirlo, que faz um grande torneio. Será um jogo duro, e os ganhadores vão merecer o título. Eu penso que nós somos os dois times mais consistentes do torneio”, afirmou Fábregas.

A Espanha, por sinal, está prestes a fazer história: campeã da Euro-2008 e da Copa do Mundo de 2010, a Fúria pode ser a primeira seleção a conquistar na sequência esses três títulos. Um alento para um país que sofre com a crise econômica continental, como lembrou Fábregas.

“Os jogadores têm sorte de ter um país atrás deles que ama futebol. É um grande prazer para nós transmitir alegria para os torcedores que nos apoiam. Os fãs têm saído às ruas a Espanha depois de nossos jogos, e existem torcedores que viajaram para a Ucrânia apesar de toda a dificuldade logística com o transporte. É fantástico ter todo o país nos apoitando. Nós temos grande fé nos torcedores e esperamos que eles tenham fé em nós. O objetivo dos jogadores aqui é continuar a escrever história”, falou.

 

Tudo o que sabemos sobre:

BalotelliEspanhaeurocopaItalia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.