Itália pagou pelo cansaço, analisa o técnico Cesare Prandelli

lucianoborborema

01 de julho de 2012 | 20h59

Estadão ESPN foi a única rádio do Brasil que transmitiu a competição

Italia_AP_630_.jpg
Jogadores da Itália. (Antonio Calanni/AP)

ÁUDIO: Ouça tudo sobre a Eurocopa
FOTOS: Veja galeria com imagens da final

Por Tiago Leme, de Kiev (UCR)

O cansaço foi junto com a seleção espanhola o principal obstáculo da Itália na dura derrota por 4 a 0 para a ‘Fúria’, pela final da Eurocopa, afirmou o técnico da ‘Azzurra’, Cesare Prandelli.

“Eles estavam mais frescos fisicamente e nós nos desgastamos muito. Contra um time como esse é difícil recuperar. Isso tirou nosso equilíbrio. A nossa equipe deve estar bem fisicamente para render melhor”, disse o treinador, que teve alguns problemas de lesão antes e durante a competição.

Hoje, a Itália perdeu o zagueiro Chiellini, machucado, ainda no primeiro tempo e ficou com dez homens em campo no início do segundo tempo quando Thiago Motta foi colocado na partida como a última substituição do time, mas logo na sequência também sentiu problemas físicos.

Prandelli lembrou que na estreia da competição, com seu time em melhor estado, foi possível arrancar um empate por 1 a 1 com a mesma rival. “Na primeira partida do campeonato enfrentamos a Espanha em condições físicas melhores e estivemos em condições de enfrentar o adversário bem. Nessa noite, porém, só podemos parabenizar uma seleção que nos dominou.”

Depois de ter afirmado antes da decisão que seu futuro na seleção italiana estava indefinido, neste domingo, o técnico deu a entender que deve continuar no comando do time. Prandelli deixou a entrevista coletiva aplaudido pelos jornalistas graças à surpreendente campanha da Itália, tida como azarão até o início da Euro.

“O meu futuro já está escrito, mesmo se em alguns momentos meu estado de ânimo esteve diferente. Nunca tive problemas com a federação e com os dirigentes. Existe um projeto e queremos levá-lo à frente”, concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:

Eurocopa 2012Italia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.