As virtudes e falhas de Antônio “Pezão”

As virtudes e falhas de Antônio “Pezão”

O peso pesado brasileiro tentará espantar a má fase contra Frank Mir, na atração principal do UFC Porto Alegre

Fernando Arbex

20 de fevereiro de 2015 | 19h42

Você sabe qual é o único lutador a terminar duas lutas no UFC por causa de chutes na perna do adversário? Eu respondo ao final deste post, fique comigo para falarmos sobre os pontos fortes e fracos de Antônio “Pezão” Silva, que neste domingo fará o combate principal do UFC Fight Night 61, contra Frank Mir. Em confronto contra o desesperado e perigoso ex-campeão, o peso pesado brasileiro buscará em Porto Alegre encerrar um jejum de pouco mais de dois anos sem vitória e iniciar nova caminhada rumo a nova disputa de título.

Foto divulgação/Zuffa

Foto divulgação/Zuffa

Vícios. “Pezão” não é um ótimo striker, não é um ótimo wrestler, mas tem suas virtudes em ambas as áreas. Quando as combina, ele se torna um adversário muito difícil de ser enfrentado – como se lutar contra um homem de 130 Kg não fosse difícil o suficiente. Seus problemas aparecem quando ele entra no combate querendo apenas trocar golpes em pé. Um dos maus hábitos do brasileiro é o de quase sempre ficar parado em frente ao oponente e outro é o de iniciar as ações com um preguiçoso chute na perna da frente do rival.

Velasquez se aproveitou da queda para destruir “Pezão” no Ground and Pound

Os chutes baixos de Silva são fortes e eficazes, foram baseados neles que que o lutador levou vantagem em parte do confronto com Mark Hunt, um perito na área do striking. O problema é que o brasileiro costuma lançá-los telegrafados, o que já foi um problema para Anderson Silva – como vimos antes do último combate do “Spider”. “Pezão” não costuma a fintar antes do ataque, tornando-o previsível. Daniel Cormier e o próprio Hunt também pegaram a perna do gigante e o derrubaram.

Aproveitando que eu citei Velasquez, Cormier e Hunt, os três ignoraram a maior envergadura de “Pezão” e acertaram o estático rival facilmente, o que pode ser visto aqui, aqui e mais de uma vez aqui. Na última apresentação do brasileiro, Andrei Arlovski se aproveitou dessa falha.

Arlovski recua e avança, “Pezão” pouco se movimenta

Mistura de artes marciais. Quatro anos antes de ser nocauteado pelo bielorrusso, “Pezão” apareceu pela primeira vez com destaque no cenário do MMA ao derrotar o mesmo adversário. Naquela luta promovida pelo Strikeforce, o brasileiro confundiu Arlovski ao mesclar ações no combate em pé com tentativas de quedas. O triunfo, seguido de vitória sobre Mike Kyle, credenciou Silva a participar de um badalado torneio entre pesos pesados da hoje extinta organização.

A estreia de “Pezão” foi nada menos do que contra Fedor Emelianenko, que meses antes havia perdido sua invencibilidade que durava dez anos. Franco favorito, o russo sentiu dificuldade na troca de golpes com um oponente que tinha vantagem de 19 cm de envergadura, 10 cm de altura e era cerca de 25 Kg mais pesado. O brasileiro fez um bom primeiro round e foi inteligente de se aproveitar da impaciência do rival para imediatamente derrubá-lo no início do segundo.

Fedor erra o overhand e é derrubado

O que se viu a partir daí foi uma aula de passagem de guarda e controle no solo, além de um violento Gound and Pound, elementos que definiram a vitória de “Pezão” por interrupção médica. Em sua melhor atuação na carreira, o brasileiro lutou MMA, atuando bem em todas as áreas. É claro que derrubar Frank Mir nem sempre é uma boa ideia, mas Silva tem um bom jiu-jitsu quando joga por cima, enquanto o norte-americano não é um guardeiro nato, inclusive foi anulado totalmente por Overeem há um ano.

Se resolver lutar em pé, de forma estática como é de seu costume e exposto a quedas, Silva poderá ter dificuldades contra um Mir decadente, mas sempre ameaçador. O ex-campeão dos pesados é um exímio finalizador e o brasileiro não tem uma guarda de jiu-jitsu eficiente nem um uma absorção de golpes confiável. Isso posto, “Pezão” é favorito e deve vencer se atuar com estratégia.

Resposta. Só Edson Barboza terminou duas lutas no UFC utilizando chutes na perna. O atleta de Nova Friburgo também luta no domingo, contra o ascendente Michael Johnson, em duelo que deixará o vencedor perto de uma disputa de título na categoria dos leves. Fique de olho principalmente nesse combate, na atração principal e no duelo entre o russo Rustam Khabilov e o manauara Adriano Martins.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: