Felipe Melo mostrou boxe de alto nível em Montevidéu

Felipe Melo mostrou boxe de alto nível em Montevidéu

Jogador do Palmeiras estava de base trocada e corria para trás quando acertou dois socos de direita em sequência em Matías Mier

Fernando Arbex

27 de abril de 2017 | 16h58

Atualizado às 17h20²

Cenas lamentáveis que nada têm a ver com futebol foram televisionadas para o mundo inteiro nesta quarta-feira, quando jogadores de Peñarol e Palmeiras trocaram socos e chutes em Montevidéu. Com exceção da bandeirinha de escanteio, arrancada da grama por um jogador aurinegro, e do tripé que o zagueiro Mina tomou “emprestado” de um fotógrafo, mais do mesmo se viu em uma briga generalizada, mas um momento do entrevero merece destaque: o dobra de socos de direita de Felipe Melo.

Crédito: Raúl Martinez/EFE

Socos em sequência com a mesma mão são vistos raras vezes no MMA e isso se deve ao baixo nível de boxe que se tem na modalidade. Pugilistas de alto nível não ficam lançando socos alternados com os punhos direito e esquerdo porque isso é previsível e facilita a esquiva do adversário. Não sei se o volante do Palmeiras já treinou algum tipo de luta na vida dele, mas brigas entre jogadores de futebol costumam ser como a de Luis Fabiano e Carlos Diogo, em um célebre confronto entre Sevilla e Zaragoza na década passada.

Nesse embate, o brasileiro e o uruguaio (coincidência?) usaram os braços quase como um ventilador e passaram perto de nocautear o vento. Felipe Melo, por sua vez, capitalizou em cima do clássico erro do agressor que ataca em linha reta e acertou dois socos de direita, um direto seguido de um gancho¹ com a base trocada.

O lutador de MMA que melhor soube se aproveitar da previsibilidade dos oponentes foi Anderson Silva. Repare como ele não tem dificuldade em se esquivar dos socos telegrafados de Forrest Griffin.

Consciente disso ou não, Chris Weidman soube como se aproveitar de um hábito de Anderson, que gosta de jogar o queixo para trás porque confia que não será atingido. O norte-americano, em dado momento, lançou o punho direito e depois o verso da mesma mão para tentar atingir o “Spider”, em vão. O truque não passou de uma isca, porém, porque o soco que destronou o brasileiro veio com a esquerda. Quando houve a conexão, Anderson estava todo torto e sem base para absorver o golpe.

Jerome Le Banner foi um dos maiores kickboxers da história. Apesar de destro, ele lutava com a base de canhoto para que sua mão direita ficasse sempre o mais próximo possível de seu adversário, recurso que Felipe Melo utilizou na briga de quarta-feira. Veja no vídeo abaixo que o lutador francês lançava o gancho de direita com frequência e precisão, além de usar o recurso da dobra de socos.

Quando um destro está com a base de canhoto, o punho com maior probabilidade de acertar o alvo é o esquerdo, porque a mão direita está muito próxima da mão esquerda do rival – a não ser que se opte por um ataque circular. O jab, em linha reta, é fácil de ser bloqueado, mas o gancho desvia da defesa do adversário. Outra coisa que facilitou a vida de Felipe Melo, como dito antes, foi a corrida em linha reta de Matías Mier. Fabrício Werdum deixou de exemplo para todo mundo como é fácil acertar um alvo dessa forma.

Não faz muito tempo, mas eu já havia me impressionado com a guilhotina que Erazo aplicou em Kannemann, no segundo jogo da final da Copa do Brasil do ano passado. Na meia-guarda é mais difícil conseguir essa finalização e eu não sei exatamente onde estava a mão esquerda do equatoriano para analisar se ele falhou, mas é nítido que bateu o desespero no zagueiro gremista (que por sua vez acertou o chão ao tentar aplicar o ground and pound).

No mais, gostaria de lembrar que briga é coisa de babaca e trancar a grade para que os palmeirenses não fugissem foi covardia. Pode não parecer, mas luta não tem nada a ver com o que se viu em Montevidéu.

Obs¹ Só a título de informação, os golpes do boxe têm origem na língua inglesa e foram traduzidos de forma errada para o português. Os socos que o Felipe Melo deu são chamados de hook, palavra inglesa para gancho. No Brasil, o que alguns chamam de gancho tem o nome de upper, aquele soco vertical de baixo para cima. Ensina, Mike Tyson!

Obs² Depois de alertado pelo colega João Menegale Barbi, notei que o primeiro soco do Felipe Melo não foi um gancho, mas um direto. O erro foi corrigido às 17h20.

A perna direita de Felipe Melo estava atrás quando ele desferiu o soco, portanto foi um direito com a base de destro

Tudo o que sabemos sobre:

Felipe Melofutebolbriga

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.