Weidman vs. Rockhold e outras 30 lutas antes de José Aldo

Weidman vs. Rockhold e outras 30 lutas antes de José Aldo

UFC terá três eventos seguidos entre quinta-feira e sábado

Fernando Arbex

10 de dezembro de 2015 | 13h44

O Ultimate programou uma semana com três eventos, 32 lutas e duas disputas de cinturão entre esta quinta-feira, 10, e sábado, 12, por isso eu preparo aqui um guia com alguns combates interessantes para se assistir. A cereja do bolo, é claro, será a atração principal do UFC 194, em duelo que vai servir para unificar o título peso pena da organização, entre o brasileiro José Aldo e o irlandês Conor McGregor, mas deixemos para tratar disso no post desta sexta-feira, 11. Antes disso, será possível assistir MMA de muita qualidade, portanto segue abaixo uma lista que eu acho que respeita a melhor relação entre importância e nível técnico.

Weidman e Rockhold vão disputar o título peso médio do UFC. Crédito: UFC/Divulgação

Weidman e Rockhold vão disputar o título peso médio do UFC. Crédito: UFC/Divulgação

Weidman vs. Rockhold. A penúltima luta do UFC 194 tem cacife para roubar a cena no evento. Ambos os norte-americanos são atletas completos e capazes de encerrar o confronto tanto no solo quanto em pé, mas o mais provável é que ele se estenda para os dois últimos rounds (quarto e quinto) ou seja decidido pelos jurados. Campeão, Chris Weidman já se provou capacitado em todas as áreas e carrega um cinturão tomado de ninguém menos que Anderson Silva e defendido contra o próprio “Spider”, seguido de Lyoto Machida e Vitor Belfort. Não é para qualquer um.

Já fiz um post específico para tratar de Weidman, mas vale relembrar alguns pontos. O norte-americano é um wrestler de elite e combina seu jogo de quedas com um jiu-jitsu de alto nível. A ameaça de ir para o solo motivou Anderson a baixar a guarda e debochar do adversário no UFC 162, tática recorrente do ex-campeão peso médio para induzir seus rivais a lutar em pé, a diferença é que o então desafiante foi capaz de quebrar a esquiva de “Spider” ao golpear duas vezes no vazio com a mão direita, a segunda com o verso do punho, e depois acertar o gancho de esquerda (left hook) nocauteador.

Nocaute em Anderson não foi golpe de sorte

Não só sabe combinar golpes como é capaz de se aproximar dos oponentes de uma forma adequada. Como visto contra Machida, Weidman cortou os espaços do octógono com excelência e encurralou o “Dragão” como ninguém havia feito. Se conseguir colocar isso em prática no sábado, Luke Rockhold estará em apuros. Canhoto, o desafiante tem um modus operandi muito claro: controlar a distância, dar um chute circular em quem se movimenta para a direita, dar um chute rodado em que tenta escapar pela esquerda e acertar um gancho de direita (right hook) em quem o ataca em linha reta.

Bisping não conseguiu se aproximar de Rockhold

A blitz do musculoso Belfort – ainda em 2013, na era do TRT – foi muito para um assustado Rockhold, que parece ser daqueles lutadores que prometem muito, e até cumprem grande parte, mas se amedrontam quando as coisas passam a dar errado. Weidman é perito em exercer pressão e tem um controle mental que passou no teste de Anderson Silva, por isso é provável que o título não mude de mãos, até porque o campeão também leva vantagem no jogo de quedas e ninguém deve se finalizar devido ao alto nível de ambos. O desafiante deve tentar estender o combate ao máximo e apostar em golpes na linha de cintura, principalmente com seus chutes de esquerda, mesmo que isso signifique abrir uma brecha para ser derrubado, porque o rival tem tendência a apresentar cansaço.

“Jacaré” vs. Romero. Desse combate do UFC 194 deve sair o próximo desafiante ao título peso médio. Romero foi medalhista de prata por Cuba na Olimpíada de 2000, mas é improvável que ele use seu wrestling para quedar um dos melhores jiu-jiteiros do MMA (e da história). A boa notícia para o Ronaldo Souza é que o cubano não é impossível de ser derrubado e qualquer meio metro cedido é um latifúndio para o brasileiro conseguir a finalização.

Nenhum dos dois é um primor na luta em pé, nesse ponto Romero leva pequena vantagem pela criatividade. Porém, ele – ao mesmo tempo que tenta joelhadas voadoras, chutes com o calcanhar e cotoveladas de encontro – baixa a guarda e se expõe. O destro “Jacaré” costuma usar e abusar de golpes com sua mão direita, justamente os mais eficazes em um confronto contra um canhoto, mas ele deve tomar cuidado porque o cubano usa bem a mão da frente para segurar o punho esquerdo do rival e acertar seu ataque de esquerda.

Romero finta com o chute baixo, pisa por fora e acerta o ângulo para o direto de esquerda

Edgar vs. Mendes. Chad Mendes poderia no sábado enfrentar José Aldo pela terceira vez, mas o norte-americano foi nocauteado por McGregor em julho, em combate que Mendes aceitou participar com menos de um mês para se preparar – ficou claro que o fator do preparo físico pesou. Pior para ele que, de muito próximo de se tornar campeão interino e ter nova chance de disputar o título peso pena, é provável que ande ainda mais para trás na fila depois de seu combate na sexta-feira, 11, no último combate do TUF Finale 22

Provável porque Frankie Edgar tem vantagem de estilo nesse confronto. Mendes é um wrestler de muito gabarito e força física, ele se aproveita dessa característica para encurtar a distância e golpear o rival com sua poderosa mão direita. O problema para é que o ex-campeão peso leve é tecnicamente melhor na luta em pé, não diminui o ritmo em momento algum dos cinco rounds, nunca foi nocauteado e sabe como ninguém se defender de quedas (inclusive é muito bom em aplicá-las). Edgar compensa a falta de poder de nocaute com incessante movimentação e um grande volume de golpes, enquanto seu adversário de sexta costuma cansar com o passar dos minutos.

Maia vs. Nelson. Embate marcado para o UFC 194 e sem muito segredo, o islandês Gunnar Nelson tem uma boa base de caratê e um jiu-jitsu do mais alto nível, mas Demian Maia tem mais força física, melhor jogo de quedas e é um dos melhores jiu-jiteiros que já migraram para o MMA. Provável que o paulistano consiga derrubar o rival seguidamente e controlá-lo no solo durante os três rounds, mas sem finalização.

Barboza vs. Ferguson. Duelo entre pesos leves que promete ser um show nesta sexta-feira, no TUF Finale 22. Meu palpite é que Edson Barboza consiga circular pelo octógono e pegar o agressivo rival com golpes de encontro, principalmente seus conhecidos chutes nas pernas e no corpo. Ambos estão no top 10 do ranking oficial do UFC e o vencedor ficará ainda melhor posicionado na busca por uma disputa de título.

Lauzon vs. Dunham. Esse combate fecha o card preliminar do TUF Finale 22 nesta sexta-feira, mas não pode ser subestimado. Joe Lauzon é o homem que mais bônus pós-luta ganhou na história do UFC (13), a maioria dele graças ao seu eficientíssimo jiu-jitsu e de seu senso de oportunidade ímpar. Azar para ele é que Dunham é muito difícil de ser derrubado e tem um striking melhor, mas é bom que ele não dê uma mísera chance para J-Lau terminar o confronto.

UFC Fight Night: Namajunas vs. VanZant. Dica para quem se dispor a ficar acordado até tarde nesta quinta-feira, 10, esse é um daqueles eventos com lutas que prometem ser muito divertidas de se assistir. Destaque para: Rose Namajunas vs Paige VanZant (atração principal), Michael Chiesa vs. Jim Miller (show de jiu-jitsu), Sage Northcutt vs. Cody Pfister (Sage vem sendo muito promovido pelo Ultimate), Elias Theodorou vs. Thiago “Marreta” (Thiago busca a terceira vitória seguida) e Johnny Eduardo vs. Aljamain Sterling (ambos estão no top 10 do ranking peso galo da organização).

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.