Lágrimas sem fim
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Lágrimas sem fim

Jean Azevedo

03 de janeiro de 2015 | 23h22

Selfie com os amigos

Como de costume antes do início da prova, hoje finalizei os preparativos no Tecnópolis, em Buenos Aires (ARG), com a coletiva de imprensa e o briefing, e me encontrei com o público em frente à Casa Rosada, para largada promocional.

Até aí, tudo normal, afinal pela 17ª vez passei por isso. Porém, algo aconteceu e, por um momento, não soube como reagir à situação. Eu estava com minha moto, a CRF 450 Rally, me dirigindo à rampa de acesso quando tive que aguardar os demais pilotos.

Foi então que vi minha esposa Patrícia e meus filhos Bruno, de 7 anos, e Mariana, de 10 anos, segurando a bandeira do Brasil. Tinha também um grupo de brasileiros, que fez um barulhão. Eles cantavam sem parar “Jean”, “Brasil”, “Sou brasileiro com muito orgulho e com muito amor”.

Aí não teve jeito, fui às lágrimas. De repente, um filme passou pela cabeça, lembrei da minha história no Dacar, a satisfação de ter uma família incrível, que me dá todo o apoio para enfrentar este duro desafio, e uma torcida uniformizada. Foi de arrepiar, um dia para ficar gravado para sempre na minha memória.

Por enquanto é isso pessoal. Agora vou descansar, pois acordo às 4h (horário de Buenos Aires) e aí o Dacar começa pra valer.

Tudo o que sabemos sobre:

DacarHondaJean AzevedoRali

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.