Willian destaca momento especial no Shakhtar e pede fim dos vacilos no Corinthians

Estadão

12 de outubro de 2010 | 13h02

O Shakhtar Donetsk é um time que possui seis brasileiros no elenco. Está invicto na Liga dos Campeões, com duas vitórias. No próximo dia 19, o time ucraniano terá um adversário de respeito pela frente, o Arsenal, na Inglaterra. E para tentar surpreender os ingleses, o técnico Mircea Lacescu aposta num ex-jogador do Corinthians: Willian. Aos 22 anos, o meia é uma das principais estrelas da equipe, que conta também com os brasileiros Fernandinho, Jadson, Douglas Costa, Alex Teixeira e Luiz Adriano.

QUIZ DA LIGA – Faça o desafio
TABELA – Confira a classificação

Em entrevista por telefone, Willian contou um pouco da expectativa que envolve o clube para a partida, e de seu sonho de ganhar uma oportunidade de Mano Menezes para defender a seleção brasileira. Vendido pelo Corinthians em 2007 por cerca de R$ 30 milhões, William afirmou que também dedica um tempo na Ucrânia para poder acompanhar o desempenho do clube paulista. Ele ainda mandou um recado e pediu o fim dos vacilos para o time corintiano, se este quiser terminar a temporada como campeão do Brasileirão.

Você está na Ucrânia desde 2007, quando foi vendido pelo Corinthians. Conseguiu se adaptar bem ao idioma, ao estilo de vida e ao frio do país?
No começo tive muitas dificuldades com o frio e tudo mais. Mas hoje acredito que já estou bem adaptado. Claro que passei por problemas. Quando eu saía tinha de me virar na rua, tinha problemas com o idioma. Eu não consigo ainda falar muito bem [o ucraniano], mas o pior já passou. Hoje moro com minha noiva aqui, e procuro manter o contato com os meus familiares no Brasil.

O Shakhtar Donetsk começou muito bem a disputa da Liga dos Campeões, com duas vitórias. Qual é o ponto forte da equipe, que tem seis brasileiros no grupo?
Do meio pra frente, o Shakhtar é muito forte. O Douglas e o Luiz Adriano são jogadores de qualidade que ajudam muito. Acredito que se continuarmos desta maneira, teremos grandes chances. Jogar uma Liga dos Campeões é inexplicável. Claro que conseguir o título é muito difícil, mas temos de brigar por uma boa campanha.

No próximo dia 19, o adversário do Shakhtar será o Arsenal, na Inglaterra, um dos favoritos. O que o clube planeja para tentar surpreender os ingleses?
Planejamos um bom jogo diante do Arsenal, apesar de saber que o time inglês é um rival complicado. O Shakhtar precisar estar bem preparado, marcar forte e procurar atuar nos contra-ataques.

Você foi revelado pelo Corinthians, sabe que a pressão no Brasil por resultados é grande. Como é o estilo de jogo do futebol ucraniano? Existe muita cobrança e rivalidade?
Aqui você tem um pouco mais de tranquilidade para trabalhar, é um pouco diferente. Você perde um jogo e nem se compara [com o Brasil].

Você tem encontrado um tempo para acompanhar o desempenho do Corinthians no Brasileiro? Acha que o alvinegro ainda pode conquistar o título?
Procuro acompanhar os jogos do Corinthians pela TV ou pela internet. Estou na torcida para que o clube possa vencer, apesar de não ter tido um bom desempenho nos últimos jogos em casa. Acredito que o Corinthians não pode mais vacilar. O Campeonato Brasileiro é muito complicado e você precisa estar sempre bem atento.

Mano Menezes faz uma renovação na seleção brasileira. Já convocou Douglas Costa e Fernandinho, seus companheiros de Shakhtar. Espera uma oportunidade também?
Claro que espero uma chance na seleção brasileira, nessa renovação que o Mano está promovendo. Tenho trabalhado forte para ganhar uma oportunidade, e estou na espera. Acredito que uma sequência boa na Liga dos Campeões também possa ser um trampolim para uma convocação.

Siga o Twitter de André Rigue
Siga o Twitter de esportes do estadão.com.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.