Alonso desdenha o pódio de Nelsinho

liviooricchio

20 de julho de 2008 | 17h57

20/VII/08
Livio Oricchio, de Hockenheim

Até a imprensa espanhola condenou a reação de Fernando Alonso à segunda colocação de Nelsinho Piquet. “Apenas questão de sorte”, definiu Alonso, 11º ontem. Flavio Briatore, diretor da Renault, o corrigiu: “Sorte, sim, e competência”. Alonso é o 9º no Mundial, com 13 pontos, e Nelsinho o 11º, com 10.

Rubens Barrichello, da Honda, foi político ao falar do toque de David Coulthard, Red Bull, na 51ª volta, obrigando-o a abandonar. “Ele não me viu.” É o enésimo piloto a deixar uma prova na tentativa de ultrapassar o escocês que deixa a F-1 no fim do ano.

Dia 29, em Maranello, todos os chefes de equipe vão estar reunidos com Bernie Ecclestone. Pauta do encontro: discutir os termos do novo Acordo da Concordia, pacto que estabelece, por exemplo, quanto cabe a cada um no arrecadado pela Fórmula 1, e o regulamento técnico do futuro. Detalhe: Max Mosley, presidente da FIA, não foi convidado.

Bruno Senna foi 3º ontem na GP2. Soma, agora, 48 pontos (2º colocado) diante de 63 de Giorgio Pantano, que ontem abandonou. Lucas Di Grassi recebeu forte batida por trás de Pastor Maldonado e parou. Mas é o 4º no campeonato com 28 pontos, mesmo sem disputar três etapas. Alberto Valério foi 15º, Carlos Iaconelli, 17º e Diego Nunes, 20º.

De amanhã até terça-feira as 10 equipes vão treinar em Jerez de la Frontera, na Espanha, visando o GP da Hungria, dia 3. Lucas Di Grassi testará para a Renault amanhã e quarta-feira e Nelsinho Piquet, quinta e sexta-feira. Fernando Alonso fará parte de uma promoção na Polônia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.