Alonso mostra quem é que manda na Ferrari

liviooricchio

16 de julho de 2013 | 12h44

16/VII/13
Nice

No primeiro dia de entrevistas depois dos problemas com os pneus, na corrida de Silverstone, dia 30, essencialmente por responsabilidade das próprias equipes, Fernando Alonso, da Ferrari, afirmou, em Nurburgring, dia 4, sobre o teste que começa amanhã no autódromo inglês e termina sexta-feira, com o objetivo de oferecer dados a Pirelli sobre as exigências dos carros deste ano: “Não tenho intenção de participar desse teste, não considero seguro. Não sou piloto de testes da Pirelli”.

Obviamente a direção da Ferrari acatou o pedido do seu piloto, por quem todos os sinos dobram na escuderia italiana, apesar da importância do ensaio, em especial para quem está na luta pelo título. Quem vai testar os pneus que serão utilizados nas dez etapas que restam do campeonato é o inexpressivo Davide Rigon, que este ano não disputa nenhuma competição. No último dia Felipe Massa assume o modelo F138 italiano. “Eu não tenho problemas em participar desse teste e ajudar a Pirelli a produzir pneus que não nos apresentem as dificuldades de Silverstone”, disse Massa.

No GP da Grã-Bretanha, cinco pilotos tiveram os pneus dechapados. Descobriu-se, depois, que seus times montaram os pneus no lado errado, o traseiro direito no lado esquerdo, a pressão era menor da indicada e a cambagem das rodas fora do padrão recomendado. “Tudo para ganhar mais performance”, explicou Paul Hembery, diretor da Pirelli. Agora os comissários da FIA controlam se as especificações do fornecedor estão sendo observadas.

O três dias de treinos em Silverstone visam a permitir às equipes conhecer e adaptar seus carros às características dos novos pneus, concebidos a partir também do ocorrido no GP da Grã-Bretanha. “Eles têm a estrutura dos pneus de 2012, onde o kevlar substitui o aço, e os compostos de borracha da banda de rodagem deste ano, que tornou os carros mais rápidos e reduziu o número de voltas úteis, para voltarmos a ter dois e, às vezes, três pit stops, como exige o promotor da F-1”, explicou ao Estado, em Nurburgring, Hembery.

Por ter treinado sozinha em Barcelona, em maio, contrariando o regulamento, a Mercedes foi excluída do teste que começa hoje. A escuderia vai sentir falta dessa experiência, em especial na próxima etapa do calendário, dia 28, na Hungria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: