Alonso: Renault está um segundo atrás da McLaren e da Ferrari

liviooricchio

31 de janeiro de 2008 | 19h58

31/I/08

Vocês leram, hoje, quinta-feira, as entrevistas do Fernando Alonso e do Nelsinho Piquet no site da revista inglesa Autosport (www.autosport.com)? Recomendo.
Já estive em lançamento de carro várias vezes, da própria Renault. Um deles foi em Palermo, na Sicília, Itália. Fiquei imaginando a cara do Flavio Briatore e do presidente da divisão de Fórmula 1, Bernardo Rey, ao saberem o que Alonso tornou público no dia da apresentação oficial do modelo R28.

O espanhol afirmou, hoje: “No momento, precisamos reduzir a diferença que nos separa dos times de ponta, McLaren e Ferrari, porque estamos um pouco atrás demais deles. Neste instante, não há possibilidade de lutar por pódio, vitórias, coisas do tipo, portanto essa é a primeira prioridade nos testes de inverno e da primeira corrida. Diminuir a diferença entre nós. Estar atrás deles dois ou três décimos de segundo não representa um grande problema. Mas estar a um segundo ou oito décimos, como é nossa realidade hoje, é um pouco demais.”

Alguma dúvida, amigos? Para mim, não. Truque de Alonso para despistar a concorrência? Não acredito. Ele acelerou o modelo R28 no circuito Ricardo Tormo, em Cheste, próximo a Valência, três dias. Foram 39 voltas na estréia, 133 e 111 no traçado de 4.005 metros, ou 1.133 quilômetros.

Seu melhor tempo foi obtido dia 23, no terceiro dia, 1min12s360. Apesar de não valer a comparaçao direta, pelo número de variáveis, Heikki Kovalainen, da McLaren, ficou com a melhor marca do teste coletivo, 1min11s000. Mas ao longo de três dias é possível a equipe comparar sua performance com a da concorrência e ter uma idéia de seu estágio, ainda que não definitiva. É o que fez Alonso e hoje, em Paris, a tornou pública, num dia que os dirigentes da Renault no mínimo classificaram como “inoportuno”.

O mais importante é que Alonso enxergou que o R28 não nasceu veloz. Hoje ele começa a compreender se é apenas falta de velocidade, o que é grave mas não insolúvel, ou um problema crônico no projeto, como ocorreu ano passado, a ponto de seus responsáveis abandonarem seu desenvolvimento e partir para a concepção do R28. A Renault e a maioria das demais escuderias treina até domingo no Circuito da Catalunha, em Barcelona.

Não poderíamos ter um quadro mais esclarecedor da Renault nesse início de preparação. Vamos ver quanto Tim Densham, Dino Toso, Bob Bell e Rob White irão desenvolvê-lo nos próximos ensaios. Ah, por falar em treinos, conversei com Luca Colajanni, da Ferrari, ontem, e ele me disse que a equipe treina em Bahrein de 4 a 6 de fevereiro e de 9 a 11, lá ainda. A Toyota vai estar também lá no forte calor do deserto de Sakhir para prosseguir os ensaios com o TF108.

Ficaram surpresos com o anúncio de Lucas Di Grassi como piloto reserva e piloto de testes da Renault? Eu sim. Principalmente porque conversei com ele, semana passada, e me disse não ter nada definido ainda. Quando a Honda, anteontem, apresentou seu novo RA108 com Mike Conway e Luca Filippi como pilotos de testes, ambos da GP2 também, pensei por um momento o que faria Lucas Di Grassi. Hoje obtive a resposta. Lucas me telefonou e comentou não poder dizer nada, semana passada. Mais que compreensível.

É outra grande oportunidade para esse paulistano de 23 anos que está dando os passos certos para chegar bem como piloto tilular na Fórmula 1. Vários títulos no kart, vice-campeão brasileiro de Fórmula Renault, uma temporada de experiência na Fórmula 3 britânica, 3º na Fórmula 3 Européia, atrás de Lewis Hamilton e Adrian Sutil, e vice-campeão da GP2.

Inteligente, rápido, sem ser um velocista, despreocupado do objetivo de causar boa impressão em ninguém, o que lhe valeu na GP2 a fama de não partir para cima dos adversários, Lucas Di Grassi reúne os predicados justos para crescer. E trabalhar na equipe que já o conhece há anos, por fazer parte do grupo de jovens talentos com potencial para se dar bem na Fórmula 1, representa grande oportunidade de mais aprendizado. Em 2009, quando com muita probabilidade vai estrear na Fórmula 1 em alguma equipe, estará bem preparado, maduro, tecnica e emocionalmente. O restante é com ele. A nós resta torcer por seu sucesso. Bem possível!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.