Aposto numa corrida ainda melhor que a de Silverstone aqui em Hockenheim

liviooricchio

21 de julho de 2012 | 13h53

21/VII/12
Livio Oricchio, de Hockenheim

Eu espero uma corrida espetacular, amanhã, aqui em Hockenheim. Penso, até, com mais alternativas que a de Silverstone, realizada em condições semelhantes. Explico: os pilotos treinaram a maior parte do tempo até agora com pista molhada, como hoje na classificação. Assim, não puderam completar muitas voltas com os pneus de pista seca e ter referências da degradação e de como seus carros se comportam, em especial com o tanque cheio. A previsão para a hora da corrida é de sol e temperatura bem acima dos 18 graus máximos dos últimos dias.

Os pneus a disposição no GP da Alemanha são os médios e os macios. E a Pirelli também nunca realizou testes em Hockenheim. No ano passado, primeira temporada da empresa italiana na Fórmula 1, o GP foi em Nurburgring. É outra variável nessa equação. Para quem gosta de matemática, disputas como a de amanhã definem um sistema.

Aposto num arranque da McLaren. Causou muito boa impressão a nova versão do MP4/27. Não sei se será como nos disse ontem Jenson Button, que com esse carro suas dificuldades acabaram, mas não hesito em acreditar que já amanhã tanto Button, sexto no grid, quanto Lewis Hamilton, sétimo, irão com tudo para ultrapassar Pastor Maldonado, da Williams, quinto, Nico Hulkenberg, Force India, quarto, e Michael Schumacher, Mercedes, terceiro. Vocês viram que Button registrou um tempo melhor que o de Hamilton? O vi depois do treino de sexta-feira de manhã absolutamente entusiasmado com o novo carro.

Pilotos e carros mais rápidos atrás de colegas de equipes menos velozes representam quase a garantia de espetáculo. O histórico dos 4.547 metros de Hockenheim não é de competições sem ultrapassagens. E com o flap móvel (DRS), o Kers, a diferença de degradação dos pneus e as características do traçado, veremos, sim, ultrapassagens. Será interessante observar a reação de cada um à esperada elevação da temperatura. Lembrem-se que esses pneus são bastante sensíveis às variações de calor.

Temos outros pilotos bem velozes largando lá atrás. Romain Grosjean, da Lotus, começa a corrida em 20.º, pelas minhas contas, por perder cinco posições no grid em razão da substituição do câmbio. Mark Webber, Red Bull, também, assim cai de terceiro para oitavo, e Nico Rosberg, da Mercedes, de 17.º para 22.º. Como Sergio Perez, Sauber, recebeu punição de cinco colocações por atrapalhar pilotos nas voltas lançadas na classificação, agora bagunçou tudo. Como no treino foi 12.º, cairia para 17.º.

Viu só, Button, Hamilton, Webber, Grosjean, Rosberg estão largando atrás do seu potencial bem como dos seus carros. Insiro nesse grupo também Felipe Massa, Ferrari, 14.º. No Q2, com chuva, não foi além do 14.º lugar. Teria de ter feito seu tempo nas duas primeiras voltas, quando havia menos água no asfalto. Mas errou no momento crucial, ao alargar a trajetória na curva 8. Nos momentos de maior definição o índice de equívocos de Massa é elevado.

Alonso, no mesmo instante, poucos metros atrás de Massa, não saiu da pista, se classificou para o Q3 e estabeleceu a pole position, como já havia feito em Silverstone, em condições semelhantes às de Hockenheim. Massa na pista seca, amanhã, contudo, deve realizar boa corrida. Sua fase é de ascensão. Vai arriscar, como sempre faz, na largada. Tem se dado bem até aqui. Se ocorrer o mesmo em Hockenheim pode disputar bela prova.

O drama de Bruno Senna nas classificações prossegue. Aqui em Hockenheim, hoje, não conseguiu passar do Q2. Este ano, sua melhor colocação foi 13.º na Malásia, Mônaco e Grã-Bretanha. Não chegou ao Q3 em nenhuma definição do grid. Não há como esperar melhores resultados dos que vem obtendo em corrida iniciando a prova tão lá atrás. “Meu carro não tinha aderência alguma na chuva do Q2, não sei o que aconteceu”, disse. Ficou em 16.º, mas com tantas punições vai largar um pouco mais à frente.

A Red Bull está com o carro muito rápido, aposto até um pouco mais que o da Ferrari. Sebastian Vettel e Alonso na primeira fila promete. O espanhol sabe que se perder a liderança na largada tudo ficará bem mais difícil.

A largada do GP da Alemanha, décimo do calendário, exatamente metade do campeonato, será às 9 horas, horário de Brasília. Serão 67 voltas. Arrisca um palpite? Puro palpite, hein? Vettel vence diante de seus fãs.

Abraços!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.