Brawn GP volta a usar o mesmo carro do início do ano

liviooricchio

21 de agosto de 2009 | 06h16

21/VIII/09
GP da Europa
Livio Oricchio, de Valência, Espanha

Nas sete primeiras etapas do campeonato, a equipe Brawn GP conquistou cinco vitórias, todas com Jenson Button. Depois disso, nas três provas seguintes, o ainda líder do Mundial obteve um sexto, um quinto e um sétimo lugar. Nessas três corridas, Rubens Barrichello, companheiro de Button, foi terceiro, sexto e décimo. Em poucas palavras, a Brawn caiu drasticamente de produção.

Resultado: já hoje, nos primeiros treinos livres do GP da Europa, em Valência, Button e Rubinho vão ter o mesmo carro do começo do ano. Enquanto os demais times modificaram de forma radical seus carros para se aproximar da Brawn GP, a escuderia dirigida por Ross Brawn está renunciando a maior parte de suas alterações para voltar a ser o que era. “Os avanços aerodinâmicos que introduzimos no carro fizeram com que revíssemos o conjunto mecânico”, explicou, ontem, Rubinho.

“Essas diferenças na suspensão, por exemplo, para ajustar o carro às novas peças aerodinâmicas, mexeram na nossa capacidade de fazer os pneus funcionarem na temperatura ideal (cerca de 100 graus Celsius), daí perdemos desempenho”, disse o único piloto brasileiro na 11.ª etapa do calendário, já que Felipe Massa, da Ferrari, convalesce do acidente no GP da Hungria e Nelsinho Piquet foi dispensado pela Renault.

“Penso que escolhemos o caminho errado para desenvolver o carro. Consideramos, agora, voltar atrás”, comentou, ontem, Button, líder com 70 pontos diante de 51,5 de Mark Webber, 47 de Sebastian Vettel, ambos da Red Bull, e 44 de Rubinho. Na competição entre os construtores a Red Bull se aproximou: soma 98,5 pontos enquanto a Brawn GP, líder, tem 114.

Rubinho sempre foi bastante atacado por Nelson Piquet, pai de Nelsinho. O ex-piloto da Brabham, Williams e Benetton, três vezes campeão do mundo, até mesmo satirizava o trabalho de Rubinho, em especial na Ferrari, um carro vencedor. Agora, no entanto, Nelson viu o filho sequer terminar a temporada na Renault, sob a acusação de não evoluir como piloto, segundo Flavio Briatore, diretor da Renault. Rubinho comentou o caso.

“Gosto do Nelsinho, mostrou ter um bom coração, não teve uma boa chance na Fórmula 1. Nas reuniões dos pilotos eu, ele e o Felipe Massa estamos sempre juntos”, falou. “Acredito que o Nelsinho terá uma nova oportunidade. Quanto ao Nelsão, foi um grande piloto, mas como pessoa teria muito ainda a aprender. O Nelsinho, ao contrário. É uma grande pessoa, mas como piloto tem muito a aprender.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.