Bruno, Massa e Rubinho não foram bem na Bélgica

liviooricchio

29 de agosto de 2011 | 15h09

28/VIII/11

Livio Oricchio, de Spa

 A corrida de Bruno Senna, na sua estreia na Renault, não teve nem de longe o brilhantismo do trabalho no treino classificatório, sábado, quando, sob condições bem difíceis, em especial para ele, sem pilotar, a rigor, desde o ano passado e sem conhecer o carro, obteve ótimo sétimo lugar no grid, sob clima que variou entre chuvoso e seco.

  Já na largada do GP da Bélgica, ontem, Bruno se envolveu num acidente que gerou não apenas o abandono do espanhol Jaime Alguersuari, da Toro Rosso, depois de excelente sexto tempo, sábado, como uma punição ao brasileiro. Teve de cumprir um drive through. Mas suas explicações são procedentes.

 “Vou ligar para o Jaime e pedir desculpa”, disse Bruno. Na freada da primeira curva, travou as rodas e seguiu em frente, danificando o carro de Alguersuari e que por pouco não tira Fernando Alonso, da Ferrari, da prova também. “Eu nunca tinha simulado uma largada no seco com o carro da Renault. Choveu o tempo todo aqui em Spa, só hoje (ontem) tivemos pista seca”, disse.

  “O comportamento do carro com 150 quilos de gasolina é completamente diferente, bem como o uso dos freios. Infelizmente tive de aprender tudo isso da pior maneira possível”, comentou. O Renault de Bruno, no entanto, não foi afetado a ponto de tirá-lo da prova. “Meu ritmo não era ruim, a cada volta fui aprendendo mais e mais.”

  O sistema de recuperação de energia (Kers) e o flap móvel representavam grande novidade para Bruno. “Para a próxima etapa (Monza, dia 11), sinto-me bem mais confiante.” Bruno recebeu a bandeirada em 13.º, na mesma volta do vencedor, Sebastian Vettel, da Red Bull, mas quatro colocações atrás do companheiro de Renault, Vitaly Petrov, autor de bela corrida.

  Felipe Massa, da Ferrari, obteve o oitavo lugar, depois de largar em quarto. “Meus pneus dianteiros se degradaram rápido, fazendo com que eu perdesse tempo na curva de acesso à reta da Eau Rouge, onde poderia ultrapassar o Nico Rosberg”, explicou. A exemplo de outras etapas, perdeu importante tempo atrás do alemão.

  “E depois tive de fazer um pit stop a mais por causa de um furo no pneu traseiro.” Massa fez sua segunda parada na 30.ª volta, conforme o programado, quando era o sexto colocado. Mas duas mais tarde regressou aos boxes para substituir o pneu furado e caiu para 11.º. Fez algumas ultrapassagens, mas não disputou um grande GP da Bélgica.

  Rubens Barrichello, da Williams, da mesma forma não esteve bem, ao terminar em 16.º, depois de largar em 14.º.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.