Button vence, Red Bull perde outra chance e Massa se sai muito bem

liviooricchio

28 de março de 2010 | 21h12

28/III/10

Livio Oricchio, de Melbourne

A Red Bull tem o carro mais rápido da Fórmula 1, embora ainda não totalmente confiável. Um piloto bem talentoso, mas inexperiente, Sebastian Vettel, e outro, Mark Webber, abaixo do nível da equipe. A Ferrari não tem um carro tão rápido, mas é mais resistente, e dois pilotos espetaculares, Felipe Massa e Fernando Alonso.

Assim, no espetacular e sempre imprevisível GP da Austrália, disputado ontem em Melbourne, vencido pelo atual campeão do mundo, Jenson Button, da McLaren, Vettel abandonou, Webber errou muito, acabou em nono, mas Massa conquistou o segundo pódio consecutivo, terceiro colocado, e Alonso, o quarto lugar.

 Isso fez com que a Ferrari já some 70 pontos diante de 18 da Red Bull, apesar da vantagem técnica da escuderia de Vettel e Webber. Massa era um homem feliz: “Nunca tive um início de temporada tão bom”, afirmou. Foi segundo no GP de Bahrein.

Terminar na frente de Alonso e reduzir a diferença entre ambos de 7 para 4 pontos (37 a 33) foi muito importante para Massa. Ambos continuam líder e vice-líder do Mundial. A conquista impõe respeito a Alonso e deixa claro à equipe que, se o espanhol é brilhante, como demonstrou ontem, ele também é capaz de oferecer os melhores resultados da dupla.

 Ontem Alonso caiu de terceiro para 18.º na largada e acabou em quarto. O asturiano e Button se tocaram na primeira curva. No circuito de Sakhir, dia 14, Massa largou na frente (2.º e 3.º) e chegou atrás de Alonso (1.º e 2.º). No circuito Albert Park, ontem, iniciou atrás no grid (5.º e 3.º) e recebeu a bandeirada na frente do companheiro de equipe (3.º e 4.º). A disputa está 1 a 1 na classificação e 1 a 1 na corrida.

 “Não posso dizer que foi a minha melhor prova, desde ontem (sábado) sofri bastante com a temperatura dos pneus, o carro não estava fácil de guiar, em especial no molhado”, contou Massa. “A largada se mostrou decisiva para eu chegar ao pódio. “ O piloto da Ferrari largou em quinto e depois da primeira curva já era segundo. “Minhas rodas não patinaram, pude trocar as marchas rápido e fui passando todo mundo.”

Com menor aderência dos pneus, em razão da baixa temperatura, perdeu posições na pista, como para Lewis Hamilton, da McLaren, na 21.ª volta de um total de 58, e ainda durante o pit stop único, 8.ª volta, para Robert Kubica, da Renault, e Nico Rosberg, Mercedes. “Tenho de agradecer à equipe por ter acertado na estratégia, o que me garantiu o pódio, minha melhor colocação na Austrália.” Sempre acontecia alguma coisa em Melbourne que o fazia ir mal.

 Ter acertado na estratégia significa mantê-lo na pista com o mesmo jogo de pneus desde o pit stop, na 8.ª volta. Foram nada menos de 50 voltas com os pneus macios. “O que demonstra quão duros eram os pneus, mesmo os macios”, comentou Massa. Na 35.ª volta, Alonso já estava próximo da traseira do carro de Massa, depois de dar um show ao ultrapassar vários adversários, como também fazia Lewis Hamilton, da McLaren.

O espanhol estava mais rápido que Massa, por não enfrentar as dificuldades para aquecer os pneus. “O estilo dele pilotar, a forma de frear permitia a seus pneus aquecerem melhor” explicou Massa. Mas Alonso não conseguiu superar o companheiro de Ferrari. Questionaram sobre o instante em que ficaram lado a lado, na 43.ª volta, e Alonso, a fim de evitar um acidente, recuou, permitindo a Massa manter-se em primeiro, como fez Massa quando Alonso o ultrapassou no circuito de Sakhir. “Somos dois pilotos que jogam limpo”, afirmou Massa.

 A próxima etapa do calendário é já domingo, na Malásia, a mais quente do ano. “Acredito que vamos andar bem lá. Não deverei ter o problema para aquecer os pneus”, afirmou Massa. “Do ponto de vista do campeonato, o resultado é bastante positivo”, comentou Stefano Domenicali, diretor da Ferrari. “Nosso adversário mais forte somou pouquíssimos pontos.” Vettel não fez nada e Webber, 2, da nona colocação.

Por enquanto, a Ferrari considera a Red Bull a única concorrente direta ao título. E vice-versa, apesar da bela vitória da McLaren, ontem. Alonso falou sobre o tema, o que reforça que a Ferrari vê apenas a Red Bull como concorrente: “Somei 12 pontos e Vettel, candidato ao título, nenhum, não há o que reclamar.”

A verdade é que Button acertou em cheio ao arriscar substituir os pneus intermediários pelos de pista seca, ainda na 7.ª volta. A corrida começou com chuva. Na 25.ª volta, o então líder Vettel abandonou, alegando problemas nos freios, embora muitos acreditam que tenha errado, e Button assumiu a ponta, onde ficou até a bandeirada. “Nosso maior objetivo é desenvolver o carro. Esse resultado só me foi possível pelas circunstâncias do evento”, lembrou Button, consciente de que a McLaren está atrás da Red Bull e Ferrari.

Um ótimo Robert Kubica, da Renault, terminou em segundo. Rubens Barrichello, da Williams, marcou pontos como em Bahrein ao ser oitavo, enquanto Lucas Di Grassi, da Virgin, abandonou na 26.ª volta, com pane hidráulica, mesmo problema de Bruno Senna, da Hispania, ainda na quarta volta.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.