Depois de um mês parado, o mercado de pilotos explode em Valência

liviooricchio

21 de agosto de 2009 | 16h50

21/VIII/09
GP da Europa
Livio Oricchio, de Valência

Enquanto os pilotos se preparam para o treino de classificação do GP da Europa, hoje, a partir das 9 horas (horário de Brasília), seus empresários vão estar bastante ocupados. Ontem, nos intervalos dos treinos livres da prova disputada em Valência, Espanha, sob calor intensíssimo, muitos deles mantiveram importantes contatos visando definir o futuro de seus pilotos. Exemplo do que está em curso: “Assim que a BMW anunciou que deixaria a Fórmula 1, Williams, Renault e Toyota nos procuraram”, afirmou, ontem, o empresário de Robert Kubica, o italiano Daniele Morelli.

Já o diretor geral da McLaren, o inglês Martin Whitmarsh, não esconde que pode substituir Heikki Kovalainen no fim do ano, com desempenho abaixo do esperado. “Ele precisa evoluir nas corridas. Nas tomadas de tempo tem sido eficiente”, disse. Whitmarsh garante não ter conversado com nenhum piloto – pouco provável -, e que espera o anúncio oficial de Fernando Alonso na Ferrari. “A partir daí tudo irá se movimentar”, explica.

A expectativa geral é de que a Ferrari anuncie o espanhol no GP da Itália, dia 13, embora o acidente de Felipe Massa, na Hungria, segundo se acredita agora, possa prorrogar o anúncio. Nico Rosberg, hoje na Williams, se antecipou à eventual dispensa de Kovalainen. “Já fui companheiro de equipe de Lewis Hamilton, no kart, e não teria problemas em ser de novo”, afirmou, sem cerimônia. Rosberg já havia praticamente definido sua contratação pela BMW, mas a montadora alemã abandonará a Fórmula 1 no fim do campeonato.

A Williams não deverá ter o motor Toyota em 2010. Assim, Kazuki Nakajima deixa o time. Como é provável a transferência de Rosberg para a McLaren, a escuderia de Frank Williams possivelmente substituirá seus dois pilotos. O motor deverá ser o Renault, com quem a Williams fez uma parceria de sucesso no início dos anos 90. Rubens Barrichello, da Brawn GP, visa a manter-se como companheiro de Jenson Button, mas se não der a Williams pode ser seu caminho: “É uma das possibilidades”, admite.

“Com as restrições de investimento na Fórmula 1 a partir do ano que vem, uma equipe como a Williams volta a ser uma boa opção”, comentou Morelli, dando a entender que esse pode ser o caminho de Kubica. A dupla Kubica-Barrichello faria da Williams-Renault uma organização forte em 2010. E essa possibilidade existe.

Ainda quanto ao mercado de pilotos, a Red Bull anunciou, ontem, a extensão do contrato do competente Sebastian Vettel até o fim de 2011, com opção do alemão para correr também em 2012. Quinta-feira, Vettel lembrou sua relação antiga com a Red Bull, o momento do time e que “não faria loucura” quanto ao seu futuro. É tão talentoso que se estivesse disponível todos tentariam contratá-lo. Agora ficou claro que seguirá na Red Bull. Até a prova de Monza, dia 13, mais novidades serão confirmadas. A cara da Fórmula 1 em 2010 será bem distinta da atual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.