Derrota humilhante de Max Mosley!

liviooricchio

20 de março de 2009 | 17h58

20/III/09

Como essa turma joga o outro na fogueira sem a menor cerimônica, não? Vocês leram o que está no comunicado da FIA, hoje? Que em razão de o detentor dos direitos comerciais, Bernie Ecclestone, ter dito aos membros do conselho mundial da FIA que as equipes concordavam com o critério de definir o campeão com o maior número de vitórias, o conselho aprovou a medida.

É incrível como nos chamam de bobos na nossa cara. O senhor Ecclestone sabia não existir unanimidade na sua proposta de se conhecer o campeão. Quando lançou a idéia das medalhas, em essência o critério que foi aprovado terça-feira, mas sem as medalhas, a chiadeira já havia sido geral. Não acredito muito nessa história de que Ecclestone garantiu aos membros a aprovação dos times.

O que de fato derrubou a medida foi o documento emitido pela associação das equipes, Fota. O texto explica que a FIA infringiu o artigo 199 do Código Desportivo Internacional, redigido pela própria FIA. Que diz: mudanças no regulamento a tão pouco tempo do início do campeonato só se tiverem aprovação unânime dos participantes. E a definição do campeão pelo maior número de vitórias tem a reprovação total.

Como bom advogado que é, Max Mosley, presidente da FIA, compreendeu que se o caso fosse a julgamento perderia. Qual foi sua saída? Dizer que a medida está adiada para 2010. Amigos, ano que vem o campeão sairá de outro critério, com certeza. Como bem falou ontem Lewis Hamilton, uma espécie de Ayrton Senna dos ingleses, “é vergonhoso como os homens que dirigem o automobilismo assumem posturas tão distantes da dos fãs da competição, para quem, no fundo, todos trabalham”.

E para não dar o braço a torcer totalmente, Mosley também não adotou o critério proposta pela Fota, baseado em pesquisa de opinição com a torcida: 12 pontos ao vencedor, 9 ao segundo e 7, terceiro. O que aconteceu já é uma derrota humilhante. Adotar a sugestão da Fota seria demais para sua cabeça de ditador.

O mais importante é que o campeão do mundo terá maior representatividade que se a disputa seguisse o critério de maior número de vitórias.

Abraços!