Dia decisivo para a Campos e Bruno Senna

liviooricchio

10 de fevereiro de 2010 | 21h18

11/II/10

Olá amigos:

Estou em Nice. Irei com certeza para os quatro dias finais de testes, em Barcelona, de 25 28, e talvez para a segunda série, em Jerez de la Frontera, a partir da próxima quarta-feira.

Hoje, quinta-feira, dia 11, a Campos definirá o seu futuro. Bem como Bruno Senna. Tenho conversado com o Bruno. E o que posso dizer é que ele já esteve mais otimista quanto ao time espanhol realmente disputar a temporada.

Como ele tem contrato com a Campos, por enquanto não pode fazer nada. Não há outra saída a não ser aguardar a decisão do caso. O português Tony Teixeira, ex-proprietário da A1GP – na Fórmula 1 fala-se que a categoria não mais existe – estaria por trás da Campos poder disputar o Mundial.

O Bruno me disse que há mesmo negociação com ele, mas o pessoal da Ferrari não esconde o caminhão de dinheiro que Teixeira lhe deve, pela cessão dos motores italianos para a A1GP. Mais: sei que a lista de credores do senhor Teixeira é imensa, vai de proprietários de hotéis a locadoras de veículos. Com o fim da A1GP muita gente ficou sem receber.

Eu me pergunto como um empresário com essas dívidas pode se tornar sócio de uma equipe de Fómula 1, sem patrocinador, praticamente. Ele teria de bancar todas as despesas. Tomara que haja uma saída, mas não vejo como, diante dos débitos de Teixeira. Estou torcendo para dar certo. Até o começo da noite deveremos ter notícia, hoje, sobre o futuro da Campos.

Zoran Stefanovic, o sérvio dono da Stefan GP, poderia ser o caminho de Bruno caso a Campos não confirme participação no campeonato. E Adrian Campos e Peter Windsor, este da equipe USF1, que pensem poder estrear na Fórmula 1 quando bem entenderem: ou levam seus carros para Bahrein ou será dificil, depois, começar a fazer história na Fórmula 1.

Ontem dez escuderias treinaram em Jerez. Além das sete que estiveram em Valência, Ferrari, McLaren, Mercedes, Renault, Sauber, Toro Rosso e Williams, estão na pista da Andaluzia a Red Bull, Force India e Virgin. Não levem em consideração os tempos registrados, por favor, pois bem de manhã não havia água na pista e Nico Rosberg, com a Mercedes, foi o mais rápido. Depois ninguém se aproximou de sua marca por causa da chuva.

O número de voltas completados no traçado de 4.428 metros tem alguma representatividade, o tempo de volta quase nenhum por causa da variação do volume de água no asfalto e a quantidade desconhecida de combustível de cada um. Nico deu 57 voltas, Buemi, Toro Rosso, 84, Hulkenberger, Williams, 118, Alonso, Ferrari, 88, Kobayashi, Sauber, 55, Button, McLaren, 68, Liuzzi, Force India, 71, Petrov, Renault, 27, Webber, Red Bull, 50, e Glock, Virgin, 5.

Hoje Schumacher assume o carro da Mercedes. De novo nenhum brasileiro vai testar. A partir de amanhã, porém, Massa, da Ferrari, Rubinho, Williams, e Lucas Di Grassi, Virgin, vão trabalhar.

Abraços!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.