Domenicali: "Felipe amadureceu de forma definitiva".

liviooricchio

14 de janeiro de 2009 | 14h51

Olá amigos:

Acordei, hoje, às 8 horas, e ao abrir a cortina do meu quarto vi que tudo estava absolutamente branco. Neva forte aqui em Madonna di Campiglio desde o início da manhã e não pára. Somada à neve que já havia se acumulado torna o deslocamento pela bela cidade dos Alpes italianos bem difícil, mas delicioso.

No centro há um lago congelado e ainda há pouco os organizadores do Wrooom, evento promovido pela Ferrari há 19 anos, finalizavam os detalhes para a corrida de carros que haverá sobre ele. Enquanto isso não acontece parte do espaço é liberada para a patinação no gelo. Aqui há muitas pistas de esqui, das mais simples às classificadas com a cor negra, ou seja, dotada de acentuados e perigosos declives.

Hoje almoçamos no ponto mais alto de Madonna di Campiglio, a 2.400 metros de altitude. Nada menos de 32 minutos de teleférico para chegar lá. Como está nevando muito, a temperatura por mais paradoxal que pareça, subiu. Ontem à noite estávamos com 8 graus abaixo de zero enquanto agora, 17 horas, apenas um grau negativo.

O sempre cortês e solícito Stefano Domenicali concedeu longa entrevista hoje. Fiz um texto do que considerei o mais importante que falou. Você o tem na sequência, agora.

Iremos jantar no topo de outra montanha. Fico impressionado como o Felipe Massa pegou a mão de esquiar nessas condições difíceis e arriscadas, com quase nenhuma visibilidade. Hoje a Gazzetta dello Sport traz uma foto dele descendo uma pista de elevado grau de dificuldade. Chama a atenção também como a equipe o respeita.

Voltamos a nos falar amanhã, combinado?, quando Felipe Massa conversará conosco.

Abraços

Reportagem de F-1: Domenicali diz que Massa “amadureceu de forma definitiva em 2008”
Livio Oricchio, de Madonna di Campiglio, Itália

Início
A Ferrari sabe que pode contar com Felipe Massa para disputar o título. “Ele amadureceu de forma definitiva em 2008, está em grande forma”, afirmou, ontem, o diretor da equipe, Stefano Domenicali, na estação de esqui de Madonna di Campiglio, nos Alpes italianos, sob uma nevasca. “A força de Felipe é sua autoconfiança, sempre elevada. Foi isso que o fez reverter o quadro difícil do início do ano passado quando já o davam como acabado.”
Domenicali lembrou que Massa começou a temporada de 2008 enfrentando um sério desafio: “Seu companheiro havia chegado à Ferrari no ano anterior e conquistado o título. Felipe teve de administrar a pressão que fazia sobre si próprio e, claro, a externa”. Ao longo do ano Massa venceu seis vezes diante de apenas duas de Kimi Raikkonen e por muito pouco não foi campeão. Já o finlandês mereceu a seguinte análise de Domenicali. “Vive em outro planeta, nunca o vi sob pressão. Agora o sinto com enorme vontade de esquecer 2008”.
Segunda-feira a Ferrari começará a ter uma idéia do que poderá realizar no campeonato que vai começar dia 29 de março na Austrália. “Vamos testar a nova F60 no circuito de Portimão (Portugal) junto da McLaren, também com seu novo carro”, explicou o dirigente. “Nosso objetivo será acumular quilômetros com o F60, conhecê-lo, e ter uma idéia de performance comparando-o com nossos adversários.”
As mudanças profundas no regulamento fizeram com que os times perdessem a referência de desempenho. Não dá para comparar os tempos do modelo 2009 com os do ano passado por serem significativamente distintos. “É difícil prever, mas espero a McLaren como nosso maior concorrente e em razão de o Kers (sistema de recuperação de energia) fazer diferença, vejo a BMW também”, comentou o diretor da Ferrari.
Na conversa com a imprensa, Domenicali confirmou que houve enorme pressão sobre a BMW para a Fórmula 1não mais utilizar o Kers este ano. “Temos um acordo de exige a unanimidade dos times se desejarmos mudar algo durante a temporada. A BMW não quis e precisamos respeitar.” Os alemães são os que estão mais avançados na complexa tecnologia do Kers, capaz de dar ao pilotos entre 60 e 80 cavalos de potência extra por cerca de 6 segundos por volta.
“Estamos gastando mais do dobro previsto para desenvolver o Kers e num momento econômico como o atual não faz sentido recorrer a uma tecnologia que, nos moldes da Fórmula 1, nunca poderá chegar aos carros de série”, explicou Domenicali. Não desmentiu que as equipes estão investindo algo como 100 mil euros por dia no Kers.
Por fim, mandou um recado para Bernie Ecclestone, promotor do espetáculo. As equipes estenderam o compromisso com o inglês de 78 anos para continuar recebendo o que lhes é repassado de verba até 2012. “Vamos respeitar o que já está acertado. Depois disso precisamos conhecer suas intenções com a Fórmula 1.” A associação dos times, Fota, exige receber muito mais dinheiro do que lhes é distribuído por Ecclestone.
FIM

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.