Emerson confirma a possibilidade de formar dupla com Wilsinho na GT3

liviooricchio

18 de abril de 2008 | 20h32

Amigos:

Li a reportagem do bom repórter Bruno Vicaria, do site grande premio, hoje, e liguei imediatamente para o Emerson Fittipaldi. No texto, Wilsinho Fittipaldi afirmava que ele e o irmão formarão dupla já na próxima etapa da GT3, dias 10 e 11 de maio, em Interlagos, com um Porsche GT3 997.

O Emerson retornou a ligação ainda há pouco e me disse: “Recebi, sim, o convite dele, mas não está nada certo ainda”. Desde já estou torcendo para ver o Emerson nas pista de novo. Aos 61 anos, certamente mostraria sua classe excepcional de piloto. “Depende de minha agenda, da A1 GP, do carro que pilotaria, está tudo em aberto”, falou o campeão do mundo de 1972 e 1974, além de campeão da Cart e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis de 1989 e 1993.

Emerson e Wilsinho já formaram dupla há 42 anos. “Corremos no sul com um Karmann-Ghia-Porsche e vencemos. Seria bárbaro, até o fim do mês deveremos ter uma definição”, contou-me o Emerson.

Não sei, contudo, se o Porsche GT 997 acompanharia carros como o Dodge Viper Coupé e Lamborghini Gallardo, por exemplo, modelos de maior potência. Isso me faz lembrar a Copa Brasil de 1970. Adolescente, recordo-me de vibrar como poucos com a vitória do Emerson com a Lola T-210, com motor de 2,0 litros, diante da Ferrari 512-S de Gianpiero Moretti, com seu motor de 5,0 litros.

Emerson o ultrapassava no miolo do traçado antigo de Interlagos e o italiano ganhava a posição, de novo, da reta. No fim deu Emerson.

A GT3 está em Curitiba. Amanhã, sábado, realiza a primeira prova da segunda etapa, com largada às 15h25, e domingo a segunda, às 13h15.

É bom lembrar que Nelson Piquet está apenas esperando seu Ford GT chegar para entrar na disputa também. Ao promover o evento, é possível que o idealista Antonio Hermann não imaginasse que seu campeonato pudesse reunir pilotos como os que estão se interessando pela GT3. Ótimo para quem gosta de automobilismo, como eu.

Abraços!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.