Equipes com três carros já no GP da Austrália

liviooricchio

26 de janeiro de 2009 | 21h10

26/I/09

A história de algumas equipes competirem com três carros não é nova. Agora ela volta à cena por causa do abandono da Honda. Está nos sites, nesta segunda-feira, a declaração de Bernie Ecclestone, confirmando a possibilidade. Quer saber de uma coisa? É algo interessante para a Fórmula 1.

Eu gostaria de ver, por exemplo, a McLaren alinhar três carros no grid. Creio que será a primeira a dizer “sim” a Ecclestone se o dirigente compreender, de vez, não ser possível a Honda ser assumida por alguém. Nesse caso Eclestone irá fazer um pedido formal já para a abertura da temporada, em Melbourne, o que ainda não é o caso.

A McLaren tem piloto pronto, Pero de la Rosa. Não acredito que a Ferrari alinhe um terceiro carro. Mas se isso acontecer, seria com Marc Gene e não Luca Badoer, que há muito não disputa uma prova seja lá do que for. A BMW tem Christian Klien e não responderia “não” a Ecclestone.

Se McLaren e BMW tiverem um monoposto a mais chegaremos a 20 carros no grid. Mas penso que haveria alternância entre os times. Renault e Toyota também dariam sua contribuição ao chefão que, no fundo, atende igualmente seus interesses de ver 20 concorrentes na pista.

Só os dois melhores resultados da equipe valeriam para a contagem de pontos para os dois campeonatos, de pilotos e construtores.
Não penso que McLaren, Ferrari e BMW recorressem a jovens pilotos para competir. O que não é o caso de Renault e Toyota. Os franceses escalariam, provavelmente, Romain Grosjean, e os japoneses, Kamui Kobayahi.

Claro que do ponto de vista da saúde do evento, seria melhor assistirmos a dez ou mais times digladiando nos circuitos. Mas já que não é possível pela conjuntura mundial, não deixaria de ser um atrativo ver três McLaren, três BMW, quem sabe três Ferraris, por exemplo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.