Equipes pedem decisão urgente sobre Bahrein

liviooricchio

20 de fevereiro de 2011 | 16h40

20/II/11

Livio Oricchio, de Barcelona

  Hoje, segunda-feira, é o último dia de treinos da terceira série de testes da pré-temporada, em Barcelona. E, por mais incrível que possa parecer, a Fórmula 1 não sabe onde fará o último teste. Originalmente, seria no Circuito de Sakhir, em Bahrein, onde também dia 13 deveria ser disputada a etapa de abertura do Mundial. Mas os acontecimentos políticos no país árabe colocaram em xeque a realização dos dois eventos. “Precisamos saber até terça-feira (amanhã) onde iremos, por razões técnicas e logísticas”, disse Eric Boullier, diretor da Lotus Renault.

  Até agora a Fórmula 1 fez seus ensaios em Valência, Jerez de la Frontera e Barcelona, pistas localizadas no sul da Espanha, mas as temperaturas do asfalto não passaram de 26 graus, enquanto ao longo do campeonato as temperaturas acima dos 40 graus serão frequentes. “Precisamos de um teste no calor”, diz Adrian Newey, diretor-técnico da Red Bull. O treino em Bahrein, de 3 a 6, tinha esse objetivo. Mas depois de até os ministérios das relações exteriores da Inglaterra e Austrália desaconselharem seus cidadãos a viajar para Bahrein, as possibilidades de o ensaio e o GP ocorrerem são mínimas.

  “Não conheço os detalhes que podem nos impedir de irmos a Abu Dabi, mas se não for possível treinar em Bahrein, Abu Dabi é uma ótima opção”, diz Steve Nielsen, diretor-esportivo da Renault. Essa era a tendência da agenda da Fórmula 1, verificada ontem na pista catalã. No caso provável do cancelamento dos treinos e da corrida em Bahrein, a Fórmula 1 ficaria de 3 a 6 em Abu Dabi e permaneceria lá mesmo para mais três dias de ensaios, com datas a serem definidas, provavelmente nos mesmos dias da prova de Bahrein, 11 a 13, e então o material seria enviado para Melboune, quando começaria o campeonato, dia 27.

  “É o mais lógico, atende nossas necessidades técnicas e operacionalmente não é diferente de nossa programação original pela proximidade de Bahrein com Abu Dabi”, comentou Giorio Ascanelli, diretor-técnico da Toro Rosso.

  Ontem, no terceiro dia de testes no Circuito da Catalunha, em Barcelona, a duas equipes mais bem preparadas nessa fase dos treinamentos, Red Bull e Ferrari, realizaram simulações de corrida. Os campeões do mundo com Mark Webber e a organização italiana, Felipe Massa. O desempenho dos dois times foi semelhante, com pequena vantagem para Webber. “Realizamos um grande e importante treinamento hoje”, afirmou Webber, muito feliz com o resultado. A Red Bull não apresenta as panes técnicas que caracterizaram suas últimas pré-temporadas.

  O mais veloz do dia foi Nico Rosberg, da Mercedes, 1min23s168 (92 voltas), mas na simulação de um treino classificatório, portanto pouco relevante. A Mercedes tem problemas no carro deste ano. O que de fato importou foram as impressionantes 139 voltas de Webber e as 123 de Massa. O australino fez na melhor 1min24s995, quinto tempo, e Massa, 1min26s508, décimo. “Precisamos urgente de também fazermos uma simulação de corrida”, disse Lewis Hamilton, da McLaren, terceiro tempo, 1min23s858. A McLaren tem dificuldades de resistência ainda com seu carro.

  Chuva. Pela manhã, a pista bastante úmida, em razão da chuva durante a noite, permitiu aos pilotos e às equipes conhecer um pouco mais os pneus intermediários, fornecidos agora pela Pirelli. Até agora quase não houve teste com asfalto molhado. E os pneus mostraram comportamento oposto ao para pista seca, pois se desgastam muito pouco. “Com um jogo de pneus você disputa uma corrida”, disse uma fonte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.