Ferrari e McLaren, a briga é boa!

liviooricchio

23 de janeiro de 2008 | 20h12

23/I/08
Insisto, o número de variáveis é grande nos testes de inverno, mas depois de nova disputa entre as duas pelos primeiros tempos em Valência, hoje, já podemos começar a acreditar que Ferrari e McLaren estão num estágio de performance bem semelhante. Tanto no treino de Jerez de la Frontera, semana passada, como agora em Valência, ora uma equipe ora a outra acaba o dia com as melhores marcas.

Hoje foi a vez de Heikki Kovalainen, McLaren, ficar na frente, 1min11s000, com 92 voltas. Se ontem Felipe Massa, Ferrari, estabeleceu um tempo 844 milésimos melhor que Kovalainen, o primeiro da McLaren, hoje o finlandês impôs 662 milésimos a Massa, o primeiro da Ferrari, 1min11s662 (81 voltas). Ao longo de cinco dias de ensaios, entre a sessão de Jerez e a de ontem, essa proximidade dá indícios bons de que os modelos F2008 e MP4/23 apresentam desempenho parecido e, aparentemente, superior a todos os demais, como já foi em 2007.

Não é por acaso, portanto, que Kimi Raikkonen, Ferrari, ficou em terceiro, hoje, e Lewis Hamilton, McLaren, quarto. O campeão do mundo, da Ferrari, registrou 1min11s850 (108) e o vice, 1min12s076 (115). Os quatro pilotos titulares, dois da Ferrari, dois da McLaren, nas quatro primeiras posições, intercalados.

Fernando Alonso prosseguiu com os testes de desenvolvimento básico do R28. Os franceses não estão no mesmo estágio de preparação de Ferrari e McLaren. Apesar da diferença significativa de tempo entre a obtidas por Alonso e os pilotos da Ferrari e McLaren ontem e hoje, ainda não dá para afirmar que o R28 não pode lutar com o F2008 e o MP4/23.

Enquanto Ferrari e McLaren estão trabalhando com dois carros novos desde a semana passada em Jerez, a Renault colocou uma unidade do R28 segunda-feira na pista e testa apenas com ele. Para se ter uma idéia prática do que desejo dizer: entre Massa e Raikkonen, a Ferrari completou ontem e hoje 396 voltas, ou 1.546 quilômetros, já que o traçado do circuito Ricardo Tormo tem 4.005 metros de extensão.

Já Alonso deu 39 voltas segunda-feira, 133 ontem e 111 hoje, ou 283, o que lhe dá 1.133 quilômetros. Só em Valência, a Ferrari tem uma vantagem de 413 quilômetros. Some a isso os cerca de 2.500 quilômetros que a Ferrari percorreu entre Fiorano e Jerez e são 3 mil quilômetros na frente, em três pistas distintas em relação à Renault.

Mas ainda que não podemos afirmar que o R28 não tem o mesmo nível de eficiência do F2008 e MP4/23, os tempos de Alonso oferecem menos perspectivas de um carro muito bem nascido que o FW30 da Williams. Ao menos pelo que vimos do projeto de Frank Williams ontem e hoje. Nico Rosberg não escondeu sua satisfação de constatar que o FW30 deixou o forno em bom estado.A impressão que passa do R28 é que Alonso terá de trabalhar bem para levá-lo a desafiar o F2008 e o MP4/23.

Li no site da Autosport que Nick Heidfeld está um tanto apreensivo com relação ao modelo F1.08 da BMW. O alemão disse que a esta altura, ano passado, dispunha de um monoposto mais equilibrado, sem sair de frente em algumas curvas e de traseira em outras, como o F1.08.

E a Toyota, hein? Pode até ser que sua realidade não seja a que vimos em Jerez e estamos assistindo agora em Valência, mas o TF108 dá pinta de, como seu antecessor, não ter nascido veloz e, pior, com alguns problemas que podem ser sérios. Eu não estranho. Não precisa nem entender muito de Fórmula 1 para compreender que um engenheiro com experiência na produção de pneus não deve produzir também um carro de Fórmula 1 capaz de enfrentar projetos de escuderias como Ferrari e McLaren, por exemplo, conhecedoras de como vender na competição.

Mais uma vez os japoneses da Toyota entregaram a Pascal Vasselon a responsabilidade pela coordenação do monoposto deste ano. Repito: pode ser que, de repente, seus engenheiros descobrem que a falta de performance decorre de algum equívoco específico e o TF108 passe a ser mais veloz. Não é, no entanto, o que está parecendo. Jarno Trulli obteve nos dois testes até agora apenas marcas distantes dos mais rápidos.

Vimos a nova Honda, hoje, toda branca, com Rubens Barrichello. Não dá para dizer nada, não? Foi o shakedown do carro. Rubinho deu 36 voltas com 1min14s588 na melhor, o 16º. Amanhã teremos a primeira idéia do que Jorg Zander e Louic Bigois fizeram para os japoneses, sob a supervisão final de Ross Brawn.

Abraços!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.