Ferrari falha de novo e Massa perde corrida ganha

liviooricchio

28 de setembro de 2008 | 16h45

28/IX/08
Livio Oricchio, de Cingapura

Mais uma vez a Ferrari deixou Felipe Massa na mão. O responsável por operar o semáforo no pit stop sinalizou luz verde a Massa enquanto os mecânicos ainda reabasteciam o carro. Era a 17ª volta do GP de Cingapura, o primeiro disputado à noite. Ao ver o sinal verde, Massa acelerou, arrancou a mangueira de combustível, foi punido pelos comissários por quase colidir com Adrian Sutil e acabou apenas em 13º. “Erro humano, infelizmente a pessoa apertou o botão errado”, afirmou Massa, abatido. Ele liderava a corrida.

O estrago para o piloto da Ferrari só não foi maior porque Lewis Hamilton, da McLaren, seu principal adversário na luta pelo título, terminou a prova em terceiro. E havia largado em segundo. Venceu Fernando Alonso, da Renault, favorecido pela entrada do safety car na 13ª volta por causa de um acidente com seu companheiro, Nelsinho Piquet, que vive momento difícil na equipe. Nico Rosberg, da Williams, classificou-se em segundo. Agora a diferença no campeonato entre Massa e Hamilton cresceu de 1 para 7 pontos, 84 a 77, e restam três etapas para o encerramento da temporada. A próxima será o GP do Japão, dia 12.

A direção da Ferrari não divulgou o nome do responsável pelo erro, a fim de preservá-lo. “Pode acontecer, não sou do tipo que vai atrás da pessoa para brigar. Fui lá e o abracei, chorava muito, lhe dei ainda mais motivação, temos três corridas pela frente, há 30 pontos em jogo”, explicou Massa. O importante, depois do ocorrido, disse, foi compreender que o carro da Ferrari está muito veloz. “As coisas podem mudar rápido, dá para pensar em vencer as três provas e se o Kimi ajudar, chegar em segundo, roubar pontos da McLaren…”, comentou Massa.

Contar com Kimi Raikkonen parece estar difícil. Ontem o campeão do mundo bateu de novo, a quatro voltas do fim, quando era quinto. Faz quatro etapas que o finlandês não marca pontos, o que permitiu à McLaren, ontem, ultrapassar a Ferrari no Mundial de Construtores, 135 a 134.

Massa falou mais sobre a corrida: “Eu não sabia que carregava a mangueira. A equipe me avisou pelo rádio quando estava no meio dos boxes e não é possível parar lá. Tive de chegar ao final deles. E depois demoraram, também, para chegar.” Os mecânicos não conseguiam retirar o engate do bocal do tanque. Massa perdeu tempo enorme e na sequência cumpriu drive-through por manobra de risco ao sair do seu box. “Tive, ainda, um pneu furado (traseiro esquerdo), um pedaço de borracha de outro carro preso sob o assoalho e o tráfego todo na minha frente”, disse Massa ao explicar suas dificuldades.

A primeira parte da prova representava outra realidade: “Nosso ritmo era sensacional até o primeiro pit stop (17ª volta), hoje era diz para fazer 1º e 2º”. Raikkonen pararia depois de Hamilton e provavelmente o ultrapassaria no pit stop até porque, àquela altura, já estava mais veloz. A sequência de erros da Ferrari, este ano, de novo decidiu a classificação de Massa. “Tivemos tantos problemas nesta temporada, dói; infelizmente eles aconteceram mais com a gente até agora, mas tenho de olhar para a frente”, falou.

O retrospecto da equipe é, de fato, ruim: na Austrália, quebrou o motor dos carros dos dois pilotos. Em Mônaco, os mecânicos instalaram os pneus na Ferrari de Raikkonen, no grid, além do tempo permitido e teve de cumprir drive-through. Na etapa de Montreal o sistema de reabastecimento de Massa não funcionou, precisou regressar aos boxes e caiu para último.

Na França, o escapamento do motor de Raikkonen se rompeu enquanto no GP da Grã-Bretanha não substituíram os pneus intermediários por outros novos dos dois pilotos no pit stop. Ambos mal ficavam na pista molhada. O motor de Massa quebrou na Hungria enquanto o de Raikkonen em Valência. Na provas espanhola também o finlandês arrancou com o sinal vermelho nos boxes e feriu um mecânico. Outra troca de motor na Ferrari de Massa em Monza e, ontem, mais um erro, desta vez na operação do semáforo, todos altamente comprometedores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.