Ferrari será reestruturada

liviooricchio

23 de maio de 2011 | 10h37

23/V/11

Amigos, essa é a minha coluna, hoje, no Jornal da Tarde

  A tradicional reunião entre Luca di Montezemolo e as lideranças da Ferrari, em Maranello, hoje, será tensa. A cobrança vai ser dura. Tomar uma volta dos quatro primeiros colocados, como ontem, em Barcelona, é humilhante.

  O grupo de técnicos coordenado por Nikolas Tombazis e Aldo Costa prepara uma nova versão do modelo deste ano para o GP do Canadá, dia 12 de junho. Mas o que está nos planos do presidente, definitivamente sedimentado ontem, é uma importante reestruturação da escuderia. Não há como não acontecer.

  Pat Fry, ex-engenheiro da McLaren, hoje com carta branca na Ferrari, está buscando no restrito mercado de projetistas profissionais que possam reforçar a área técnica. Dependendo do peso do contratado, Tombazis e Costa podem ser afastados das responsabilidades maiores, primeira opção de Montezemolo.

  Na área administrativa, aí não é mais informação que obtive, mas interpretação, será muito difícil a permanência de Stefano Domenicali na direção geral do time. O novo líder da organização deverá determinar os novos rumos da equipe. Rever a política excessivamente liberal de Domenicali. Chamar para si a responsabilidade pelas decisões. O modelo de Jean Todt na sua época de diretor deverá ser sua inspiração.

  A situação de Felipe Massa pode não ser tão sólida quanto Montezemolo garantiu há uma semana. Vai depender muito de quem, acredito, poderá assumir o comando da escuderia. O que é  fato é que Massa tem de produzir mais. As diferenças entre o que realiza Alonso e ele não pode ser tão grande como vimos nas duas últimas provas.

  Não há mais dúvidas: a Ferrari, em 2012, terá novos profissionais em funções chave da organização. Nesse momento, o mais urgente é encontrar quem pode conceber o modelo da próxima temporada, a maior carência da Ferrari. Tombazis e Costa não são páreo para os projetistas da Red Bull e McLaren. No Circuito da Catalunha, traçado mais de carro que de qualquer outra coisa, ficou muito evidente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.